<
>

Lenny Lobato saiu do Brasil e foi parar no Vélez após anúncio na internet; hoje, sonha com a Libertadores

play
'Lindo, mas era uma bagunça', disse ex-Flamengo em conversa sobre o Rio com joia brasileira da Argentina (1:39)

Lenny Lobato é nascido no Brasil e filho de pais argentinos (1:39)

O brasileiro Lenny Lobato é uma das apostas do Vélez, que enfrenta o River Plate pela Conmebol Libertadores


Lenny Lobato é um dos poucos brasileiros que joga atualmente no futebol argentino. O atacante, natural de Búzios-RJ, é uma das promessas do elenco profissional do Vélez Sarsfield, que encara o River Plate pelas oitavas de final da Conmebol Libertadores, nesta quarta-feira. A competição tem transmissão ao vivo pela ESPN no Star+.

O jovem, que começou em escolinhas de futebol, passou quatro meses na base do Madureira, do Rio de Janeiro, antes de se aventurar no país vizinho. Por ter familiares morando na Argentina, ele resolveu mudar-se os 16 anos porque acreditava ser mais fácil arrumar um clube na região metropolitana de Buenos Aires.

“Ia tentar fazer teste em um time menor para depois ir para um grande. Fui ao Old Boys, mas eu não tinha identidade da Argentina e não fizeram documento que demorava um pouco. Mas meu tio é torcedor do Vélez e viu no site que estava tendo testes para garotos. Ele pediu para eu tentar ir lá. Acho que nunca mais o clube fez desta forma, foi muita sorte”, contou o jogador, ao ESPN.com.br.

Após ser aprovado, Lenny fez parte de uma geração bastante vitoriosa do clube do bairro de Liniers.

“Eu falo espanhol desde pequeno e não tive problema com a cultura que é um pouco diferente e com as pessoas. Não achei tão diferente porque é tudo América do Sul”.

“Fui muito bem recebido. Eles consideram a gente como irmãos. Fora das câmeras não tem rivalidade. Sempre me trataram muito bem e saber falar espanhol ajudou porque não teve tantas zoeiras, mas não escapei do 7 a 1 e nem da final da Copa América de 2021 (risos)”.

“A minha categoria de 2001 era muito conhecida porque fomos campeões. Eu fiz muitos jogos contra os grandes times argentinos. Enfrentei o Enzo Fernández, do River Plate, que joga demais”, afirmou.

Depois de passar por toda a base do Vélez, Lenny estreou com apenas 16 anos pelo time de Aspirantes, o último passo até chegar aos profissionais.

play
1:00

Joia brasileira do Vélez diz como foi deixar Búzios, no Rio de Janeiro, para realizar sonho de ser jogador profissional

Lenny Lobato falou com exclusividade ao ESPN.com.br

“Eles dão muito valor para essa categoria porque todos jogaram e tem transmissão até pela televisão. Eu pareço argentino e não tem tanta diferença, mas chamo a atenção por ser brasileiro. Mas é bem normal”, garantiu.

A estreia na equipe principal aconteceu na vitória por 3 a 1 sobre o Camioneros, pela Copa da Argentina de 2021. O atacante entrou aos 38 minutos da etapa final.

“Foi muito emocionante. Era um objetivo que tinha desde que cheguei porque tenho familiares torcedores do clube. Tinha treinado várias vezes com o time de cima. Fui chamado porque o (ex-atacante do São Paulo) Centurión estava machucado”.

“Joguei como titular depois contra o Racing na primeira rodada do Campeonato Argentino e perdi lugar porque ficamos de fora da Libertadores. Tinha só um campeonato e optaram pelos jogadores de nome. Eu dei azar em 2022 porque cortei o pé e perdi jogos que poderia atuar. Estou trabalhando com paciência para quando surgir a oportunidade”, disse.

Lenny ficou no banco contra o Flamengo pela fase de grupos da Conmebol Libertadores no Maracanã no ano passado, mas não jogou.

“Eu falava para os meus amigos que o meu sonho era jogar no Maracanã porque via meus ídolos jogando por lá Pisar no gramado foi incrível, uma pena que não tinha a torcida do Flamengo (por causa da pandemia)”.

Neste ano, ele estreou na competição continental no empate por 2 a 2 contra o Red Bull Bragantino.

“Estava com a expectativa de entrar e somar minutos. Fiquei feliz porque jogamos contra um time forte e de qualidade. Meus amigos que moram no Brasil ficaram contentes. Depois, entrei contra o Estudiantes no último jogo da fase de grupos”, afirmou.

Agora, Vélez terá uma árdua missão nas oitavas de final em um duelo argentino.

“Não queríamos jogos fáceis. Quanto melhor o rival, melhor nós podermos ser. Não temos que escapar de grandes duelos. Estou motivado por isso. A gente pensa que pode ganhar de qualquer um. Para a mídia (argentina), o River é o melhor time da América do Sul junto com o Palmeiras”, afirmou.

Ponta canhoto e veloz, Lenny diz que sabe jogar bem com as duas pernas e pode atuar nas duas extremidades do campo sem problemas.

“Fiz mais gols com a direita nos aspirantes. Sou bom no ‘um contra um’ e gosto do drible. Tenho um pouco de argentino porque preciso voltar com o lateral e me comprometer com a marcação. Aqui eu aprendi a levar porrada porque o futebol é mais pegado (risos). A intensidade é muito alta. O futebol aqui só não avança mais por causa da questão econômica”, explicou.

“Quando fomos campeões do sub-18 eu fui sondado pela Argentina, mas não fui convocado. Pediram informações, mas do Brasil nada. Qualquer uma (das seleções) que me chamar seria orgulhoso em representar porque me sinto tanto brasileiro quanto argentino. Quando era mais novo queria mais o Brasil. Meu sonho é me afirmar no Vélez e algum dia poder jogar na Europa”.