<
>

Tudo o que você precisa saber para bater um pênalti... e marcar (ou não)

Como bater um pênalti? Pênalti marcado é um "quase gol", mas nem sempre é assim, há toda uma arte atrás de cada cobrança. Aqueles que ignoram as regras básicas estão fadados ao fracasso. Veja o nosso guia para entender os mistérios, os mitos e as lendas que envolvem a penalidade.


Não pense muito: Jogadores que deixam suas mentes longe de distrações e não pensam demais onde a bola vai costumam ser os mais bem-sucedidos. É a regra Thomas Muller: despreocupado, aparentemente feliz, ele é implacável nas cobranças. Puro instinto.


Busque os cantos: Não é novidade que as piores cobranças são fracas, à meia-altura, perto do meio do gol, dando mais chance ao goleiro para defender. A descrição do "bateu mal, hein" é clássica e óbvia, mas é sempre bom recordar. Nesse momento, encarne Cristiano Ronaldo: o truque é buscar os cantos. Quanto mais o goleiro tiver que se deslocar para achar a bola, maior é a sua chance de marcar. Com um "detalhe": acerte o gol!


Se você não tem técnica, enfie o pé: Há algo a ser dito sobre as cobranças poderosas e agressivas, como as protagonizadas por Wayne Rooney. Se você não é capaz de usar a técnica - e não se culpe por isso, é normal -, acredite loucamente na força. Chute o mais forte possível. Mesmo que o goleiro encoste na bola, é bem provável que ele não será capaz de fazer a defesa.


Ignore o goleiro: Não se engane: goleiros têm uma série de artimanhas para acabar com a sua concentração. Uma delas é a arte da dança (qualquer semelhança com o australiano Andrew Redmayne, que levou a Austrália à Copa do Mundo de 2022, não é mera coincidência). Vários goleiros usam movimentos malucos para distrair os cobradores, como as "pernas insanas" que Jerzy Dudek usou para ajudar o Liverpool a conquistar o impossível título na final da Champions League-2005, ou ainda os braços esticados para "diminuir o tamanho do gol", ou simplesmente se pendurando no travessão para mostrar o quão grande você é. É simples, seja confiante, como Paul Pogba, e ignore absolutamente todos os truques!


Plante o seu pé: De novo, é óbvio: tenha certeza que seu pé de apoio esteja firme no chão e o outro pé atingirá a bola em cheio. Básico, certo? Nem tanto... Lembre-se sempre da animação do capitão John Terry no momento de bater o pênalti que daria o título da Champions League-2008 ao Chelsea contra o United. Ele escorregou no grama úmida de Moscou, a bola voou e passou longe, muito longe do gol. Suas lágrimas são usadas como memes até hoje. Gareth Bale, nos bons tempos, era o exemplo: seja nas faltas ou no pênaltis, o movimento é sempre o mesmo. É tão óbvio que vale a pena sempre lembrar!.


A cavadinha é um privilégio: Todos sabemos o quão icônica é a cavadinha no meio do gol. Criada por Antonin Panenka - e conhecida na Europa pelo sobrenome do tcheco -, ganhou versões modernas e não menos históricas com Totti, Zidane, Pirlo e Ibrahimovic. É uma arma audaciosa no arsenal dos cobradores, mas, como todas as armas, deve ser usada com o máximo cuidado. Tente a cavadinha quando você se vê no controle emocional, psicológico e físico do momento. Quando saber qual é esse momento? Ah, você saberá. Ou não, se apostar na cavadinha... e errar.


Não seja inglês: É isso!


*Publicado originalmente em 2016
Ilustrações: Martin Laksman
Animações: Rich Hinchcliff
Texto original (em Inglês): James Tyler
Tradução: Ricardo Zanei