<
>

Fifa vai investigar possível irregularidade no Equador que pode mudar classificação para a Copa do Qatar

Fifa anunciou nesta quarta-feira que abriu investigação para apurar a queixa oferecida pelos chilenos contra a Federação Equatoriana de Futebol sobre irregularidade em escalação


O Chile segue em busca de uma vaga, ao menos na repescagem, para a Copa do Mundo do Qatar. A Federação Chilena alega que Byron Castillo, jogador da seleção do Equador, atuou com documentações irregulares, o que pode causar a perda de oito pontos dos equatorianos.

Se confirmado, o Equador perderia a vaga no Mundial.

Em comunicado emitido nesta quarta-feira (11), a Fifa anunciou que abriu investigação para apurar a queixa oferecida pelos chilenos contra a Federação Equatoriana de Futebol.

Veja abaixo o comunicado emitido pela Fifa:

Conforme recentemente confirmado pela FIFA, a Associação Chilena de Futebol apresentou uma queixa ao Comitê Disciplinar na qual fez uma série de alegações sobre a possível falsificação de documentos que concedem a nacionalidade equatoriana ao jogador Byron David Castillo Segura, bem como a possível inelegibilidade do referido jogador para participar de oito partidas de qualificação da seleção nacional da Federação Equatoriana de Futebol (FEF) na competição preliminar da Copa do Mundo da FIFA Qatar 2022™.

Tendo em mente o exposto, a FIFA decidiu abrir um processo disciplinar em relação à potencial inelegibilidade de Byron David Castillo Segura em relação às partidas mencionadas. Nesse contexto, a FEF e a Associação Peruana de Futebol foram convidadas a apresentar suas posições ao Comitê Disciplinar da FIFA.

Mais detalhes virão oportunamente.

O Chile exige a perda de oito pontos da seleção do Equador em partidas que Castillo tenha atuado e que sejam repassados aos times enfrentados, o que daria três pontos aos chilenos. Com essa combinação, La Roja garantiria sua classificação ao menos para a repescagem da Copa do Mundo do Qatar.

O Equador encerrou as eliminatórias sul-americanas da Copa do Mundo na 4ª colocação com 26 pontos. Por outro lado, o Chile, eliminado, fez 19 pontos em 18 partidas. Da América do Sul, Brasil, Argentina, Uruguai, Equador e Peru, este na repescagem, garantiram suas classificações.

De acordo ainda com os próprios chilenos, uma comissão de investigação da própria federação equatoriana soube que Castillo era de fato colombiano após ter acesso aos documentos sobre os registros de atletas do Equador. Após uma incerteza com a documentação de Castillo, a Justiça local enviou os pareceres comprovando a identidade do atleta.

Contratado pela Federação Chilena de Futebol, Eduardo Carlezzo conversou com a ESPN e garantiu existir ‘farta documentação’ de provas a favor do Chile. O advogado brasileiro ainda confia que a seleção conseguirá os pontos necessários para ir à Copa do Mundo de 2022.

“Fizemos uma investigação criteriosa e profunda sobre todos os fatos que cercam o real local de nascimento de Byron Castillo. Existe farta documentação suficiente para provar que o certificado pretensamente emitido por um registro civil equatoriano é falso”, disse o advogado, que seguiu.

“Essa conclusão, inclusive, não foi feita por nós, mas pelo órgão nacional de registro civil no Equador que não encontrou em seus arquivos internos o certificado que o jogador apresenta”. Um dos principais argumentos utilizados pela acusação chilena é de que os equatorianos sabiam do problema envolvendo a documentação de Castillo.

“Com base nisso, uma comissão de investigação da federação equatoriana também se aprofundou no assunto e concluiu que ele era colombiano. Entre outras várias provas que juntamos e enviamos à Fifa. É muito grave. A Federação Equatoriana tinha conhecimento de tudo. Não merece jogar o mundial", encerrou o advogado.