<
>

'Pum' no vestiário influenciou em saída de brasileiro do Lyon, mas zagueiro contesta versão; entenda os bastidores

Zagueiro deixou o Lyon no início do ano e foi acusado de 'soltar gases' e rir dentro do vestiário


O zagueiro brasileiro Marcelo teve seu contrato rescindido com o Lyon no fim de janeiro, e um episódio insólito teve influência na saída do jogador que hoje defende o Bordeaux. A informação foi dada inicialmente pelo jornal “L’Equipe”, da França, e é fortemente negada pelo atleta.

Segundo a publicação, acontecimentos no vestiário em agosto de 2021, depois de uma derrota do Lyon, por 3 a 0, para o Angers, foram determinantes para a rescisão de Marcelo. Ele teria soltado “gases” e rido com companheiros, assim como também foi flagrado dando risada durante o discurso do capitão Leo Dubois após o revés.

Os episódios, confirmados à reportagem da ESPN por fontes ligadas ao Lyon, foram presenciados por Juninho Pernambucano, ex-diretor do clube, e Peter Bosz, técnico da equipe, e desagradaram internamente. O brasileiro foi inicialmente afastado e depois teve o contrato rescindido.

Marcelo, na manhã desta terça-feira, usou suas redes sociais para ironizar os relatos. “Graças ao L’Equipe, depois de muito tempo, voltei ao Twitter para negar as alegações. O jornalismo de hoje em dia é uma piada”, escreveu o jogador em sua conta no Twitter.

Juninho Pernambucano também ironizou a situação no microblog. "Tá vendo, te disse, zagueiro tem que mandar peido alto, longo e fedido. O teu só foi alto, aí está fraco", publicou, com diversos emojis de risada.

O ESPN.com.br também entrou em contato com pessoas ligadas a Marcelo, que reforçaram as negativas à versão do Lyon. Segundo apurou a reportagem, mesmo antes da derrota para o Angers, o brasileiro e o técnico Peter Bosz nunca tiveram boa relação.

Curiosamente, meses antes do início da temporada, o zagueiro era visto como um dos líderes do elenco do Lyon e teve seu contrato renovado.

Com Bosz, contudo, Marcelo perdeu espaço e entendia que não se encaixava no estilo implementado pelo sucessor de Rudi Garcia.

A gestão de Juninho no vestiário também é questionada, algo que a reportagem do L’Equipe também noticia. Marcelo entende que acabou sendo usado como uma espécie de “escudo”, como um dos mais experientes do elenco, diante da pressão.

Apesar da postagem nas redes sociais, Marcelo não pretende se pronunciar mais sobre o caso neste momento.

No Bordeaux, Marcelo soma 11 partidas e vê sua equipe na lanterna do Campeonato Francês. Com apenas mais duas partidas pela frente, o clube só pode alcançar o 18º lugar e disputar os playoffs para não cair de divisão na França.

(* Com informações de Daniel Bocatto e Julien Laurens)