<
>

De olho na compra do Chelsea, Hamilton ama futebol, é torcedor do rival Arsenal e tem amizade com jogadores

Lewis Hamilton, apontado como um dos possíveis compradores do Chelsea, é torcedor do Arsenal


Apontando como um dos possíveis compradores do Chelsea, Lewis Hamilton é curiosamente torcedor declarado do Arsenal, que enfrenta o Manchester United pela Premier League, neste sábado, às 8h30 (de Brasília), com transmissão pela ESPN no Star+.

A ligação do piloto da Mercedes, heptacampeão mundial de Fórmula 1, com o futebol é bastante antiga. Nascido em Stevenage, leste da Inglaterra, ele estudou na mesma escola (John Henry Newman School) de Ashley Young e jogava ao lado do ex-atacante de Manchester United e Inter de Milão.

O piloto contou ao jornal "Telegraph" que se destacava pela velocidade e pela força nos campos, enquanto Ashley era mais habilidoso com a bola nos pés.

Apesar de ter seguido desde jovem no automobilismo, Hamilton nunca largou o futebol. Ele já participou de vários jogos amistosos beneficentes. Em 2015, o piloto deu duas assistências em uma partida que terminou empatada em 5 a 5 contra a equipe comandada pelo ídolo Thierry Henry. Além disso, já demonstrou ter alguma habilidade no freestyle em um desafio realizado pelo canal "F2Freestylers".

Tudo isso chamou a atenção do técnico Arsene Wenger, que o convidou para treinar na temporada 2017-18. No entanto, Hamilton não conseguiu demonstrar se teria nível para estar entre os profissionais devido aos compromissos na Fórmula 1.

Torcedor dos Gunners desde os cinco anos e fã de Wenger, Hamilton tem uma tatuagem no dedo anelar esquerdo com as iniciais do clube.

Além de Young, Hamilton já tem amizade com outros jogadores de futebol famosos. O piloto já foi visto em festas com Neymar, Mbappé e Daniel Alves.

Oferta do Chelsea

Após eclodir a guerra da Rússia contra a Ucrânia, o bilionário russo Roman Abramovich precisou colocar o Chelsea à venda devido às sanções que sofreu na Inglaterra.

De acordo com a imprensa britânica, Hamilton está em um consórcio ao lado da tenista Serena Willians e do ex-presidente da British Airways, Sir Martin Broughton, que deseja comprar os Blues em um leilão que será realizado nos próximos dias.

Segundo o canal "Sky Sports", o piloto e a tenista entrariam com 10 milhões de libras (R$ 60 milhões) cada um, mas os números não foram confirmados por pessoas que trabalham com o britânico.

Os outros dois grupos que disputariam o controle do clube seriam os dos proprietários do Los Angeles Dodgers e do Boston Celtics.