<
>

'Vou esperar e ver o que acontece', diz coldzera sobre seu futuro na Complexity

Coldzera em ação com a FaZe Clan na BLAST Divulgação/HLTV

Coldzera comenta em entrevista sobre seu período atual com a Complexity Gaming e o futuro com a equipe na temporada.


Um dos grandes tópicos da comunidade mundial de Counter Strike, foi a chegada de Marcelo “coldzera” a Complexity Gaming. O brasileiro está se adaptando a sua nova equipe e função dentro de jogo, mas mesmo fechando com a COL, cold ainda não definiu o que fará no futuro próximo.

Em entrevista ao portal HLTV, coldzera afirmou que recebeu diversas propostas de equipes tanto brasileiras como internacionais, mas optou em firmar sua parceira como o treinador brasileiro Luis "peacemaker".

"Muitas equipes, especialmente brasileiras, conversaram comigo sobre uma possível transferência. Ao mesmo tempo, contudo, eu queria jogar com o peacemaker. Desde o fim do ano passado falei com ele sobre isso, que queria trabalhar com ele", comentou o brasileiro ao HLTV.

"A opção que eu fiz pela Complexity foi por causa dele, com toda certeza. É um bom treinador, inteligente, que sabe como lidar com os jogadores, tirar o melhor deles e fazer com que se sintam confortáveis", completou.

Coldzera elogiou a flexibilidade que há dentro da Complexity e elogiou o trabalho de peacemaker, mas também lamentou estar fora do PGL Major Stockholm 2021 e problemas que a pressão causa dentro do grupo.

"Somos bem flexíveis, todos podem dizer como ficam mais confortáveis. Temos uma boa combinação. O blameF é o capitão, o peacemaker tem boas ideias, jks, poizon e es3tag também. Se misturarmos tudo isso, podemos criar coisas boas juntos", revelou o brasilero.

"Tínhamos alguma pressão para classificarmos ao Major e as pessoas começaram a ficar estressadas com isso. É claro que é difícil ficar de fora, mas isso nos fará mais fortes, com certeza. Queríamos estar lá, é claro, mas agora vemos maneiras de fazermos melhor nos próximos campeonatos. Para ser sincero, todo torneio para mim é mais um. Não interessa se é um Major, DreamHack, StarLadder, é só mais um torneio. Claro que queríamos estar no Major, é triste não estarmos lá, mas ao mesmo tempo, é só mais um torneio", explicou. O brasileiro comentou que vai dar uma chance para a COL e deixou o seu futuro em aberto para o fim da temporada, além de dizer que tem “coisas novas em mente” para o seu futuro.

"Verei o que acontece no fim do ano. Já tenho algumas coisas novas em mente, algumas equipes continuam conversando comigo e depois do Major, muitas delas mudaram, revelou cold.

"Vou dar uma chance à Complexity. Estou gostando de jogar com o time, são caras muito legais e que trabalham duro. Vou esperar e ver o que acontece ao final do ano", finalizou na entrevista ao HLTV.