<
>

Call of Duty: Ninext exalta Warzone e afirma que o jogo 'está no caminho certo'

Ninext atuando com a camisa da FaZe Clan na Pro League de Tokoname, no Japão Divulgação/Siege GG

Desde o seu lançamento, CoD Warzone impactou a comunidade gamer não só com a jogabilidade do Modern Warfare (2019), mas com o que os fãs da franquia mais pediram: um battle royale free to play com a gameplay que exalasse o melhor de Call of Duty.

Em mais de um ano de existência, o jogo trouxe diversos novos jogadores e influenciadores que abraçaram, e criaram uma nova comunidade que cresce dia após dia.

O Brasil não ficou de fora da onda do Warzone, desde março de 2020 até o momento atual, nosso país revelou diversos “craques” e viu jogadores de outros títulos migrarem para o Warzone. Um exemplo de mudança é de Nino “Ninext” Pavolini, que deixou Apex Legends, o battle royale da EA, para focar no novo título da Activision.

Nine já era conhecido pela comunidade por ter passado por diversas modalidades de FPS, mas o jogador parece ter se acertado no competitivo do Warzone não somente pela jogabilidade mas pelo que o jogo representa para a comunidade.

“Em questão do competitivo, eu acho que o Warzone está no caminho certo. Acho a que as salas privadas deram um boost muito grande no jogo e a rapaziada estava esperando aquele confronto de jogadores profissionais e contra os outros, porque antigamente era corrida de eliminações a gente entrava na sala aleatória, aí qualquer pessoa podia jogar com a gente não necessariamente rapaziada que tava jogando o campeonato”, revelou em entrevista para a ESPN Esports Brasil.

“As salas privadas deram um aumento bastante significativo no número de visualizações do jogo e no hype. O jogo é novo, ele tem um ano apenas, então acho que ele está no caminho certo”, completa.

Nine é conhecido por ser um jogador versátil, chegando a jogar Battlefield, Rainbow Six Siege, PUBG, Apex e muitos outros títulos. O jogador contou como o Warzone impactou sua vida como jogador e streamer, e como a pandemia dificultou seu relacionamento com o Apex.

“Então eu acho que o Warzone foi mais ou menos um milagre né, porque igual você falou a gente tinha classificado para o campeonato nos Estados Unidos, e a pandemia começou então a gente não conseguiu ir, então quando eu recebi a notícia, eu fiquei bastante triste e fiquei pensando “pô me empenhei muito praticamente para poder colocar minha vida ali, joguei o campeonato mó bem ganhei a vaga mas eu não vou poder ir, então o que que eu vou fazer agora entendeu ou eu continuo jogando Apex?”. Eu também sabia que no fundo ali não tinha aquele potencial de atingir coisas enormes pela limitação da empresa (EA)”, disse o jogador.

“Saiu o Warzone e nesse exato momento que eu recebi a notícia, eu fui começando a jogar e fui vendo que eu estava muito bom aí eu comecei a fazer streaming na época, e nem imaginava que eu ia começar a fazer isso. Sempre fui um cara muito tímido, eu não gostava de me mostrar para rapaziada que eu jogava, então eu sempre jogava off e gravava vídeo para o YouTube sem câmera. Foi muito natural como as coisas aconteceram, por isso que eu acho que deu muito certo”, completou.

VOLTANDO AO TRIO ORIGINAL

Mesmo vencendo todos os campeonatos em 2020, o trio formado por Nine, Antonio “Tonyboy” e Cristian “Sn4rfx” foi desmantelado, e o jogador acabou voltando para o seu antigo trio formado por Pedro Henrique “Deft” e João Pedro “Rhythm”, da época de Apex Legends, onde jogaram pela Quasar e INTZ nos torneios oficiais da EA.

“Então foi bem tranquilo porque na época do Apex, eu estava em Portugal e apostei que ficaria um ano, e ver o que que dá, mas não deu muito certo então quando eu estava voltando para o Brasil, eu estava sem time mas o meu mindset era de jogar Apex então eu cheguei para o Deft e pro Rhythm, pois eles me abraçaram super e me colocaram no time. Eu meio que carreguei essa emoção de não ter meio um dever com eles, mas eu sentia que o ato que eles fizeram para mim no passado foi muito generoso e me ajudou a chegar onde estou”, explicou.

“Quando deixei o Tony e Sn4rfx, eu senti que eu deveria dar essa chance para eles por estarem precisando também. Eu acho que Rhythm e o Deft são jogadores muito habilidosos extremamente bons, então eles só precisavam daquela chance porque às vezes o esporte é muito duro e você pode ser o melhor jogador do mundo, mas você quase nunca não tem chance de se provar”, completa.

Nine com certeza é um dos streamers e youtubers de Call of Duty mais assistidos do Brasil, tendo mostrando em seus videos diversas colaborações com influenciadores como o rapper Orochi, CEROL, JonVlogs e até mesmo Ronaldo, no qual atualmente agencia a carreira e imagem do jogador com a sua empresa Octagon.

O jogador revelou que prefere fazer vídeos destacando suas jogadas em suas streams, mas que entende que poderia diversificar o seu conteúdo em seu canal.

“Então eu acho que eu tento focar só na gameplay, porque o que me fez destacar foi uma gameplay de alto nível. Eu acho que é consequência do YouTube, eu faço a stream no dia anterior e o meu editor vá lá e pega gameplay de alto nível, mas entendo que particularmente, eu devia meio que diversificar essa parada no YouTube principalmente a minha visão é muito maçante assim esse conteúdo de high elo gameplay, mas se a rapaziada gosta né quem sou eu para também para para julgar”, comenta o streamer.

MUDANÇA DE ARES NO COMPETITIVO

Com o sucesso do Warzone, diversos torneios estão sendo formados e enriquecendo a agenda dos jogadores e streamers. Mesmo tendo uma boa base de estrelas no Brasil, Nine entende que muitos jogadores irão migrar para os Estados Unidos, para elevar tanto o nível do gameplay, quanto na criação de conteúdo.

“Com certeza o futuro é ir para os Estados Unidos, é inevitável. Acho que algum dia da nossa carreira a gente vai ter que ir aos Estados Unidos porque lá que estão os campeonatos e a criação de conteúdo também, então ir pro Estados Unidos é muito bom para você evoluir todas as partes do seu profissional e seu pessoal”, explicou.

“A gente tá bem no Brasil, tem jogadores experientes e eu conto no dedo assim todos os jogadores que têm potencial de ir para os Estados Unidos, e eu acho que quando a pandemia acabar vai ter várias pessoas indo para lá buscar mais oportunidades e acho que é um plano que eu tenho também deste ano”, completou.

Ninext é um dos exemplos claros de mudança e superação nos esportes eletrônicos. O jogador é um exemplo de adaptação e evolução, trazendo não somente orgulho aos seus fãs, como também mostra uma grande humildade e respeito a todos os amantes de FPS no Brasil e no mundo.