<
>

Valorant: Fzn e Khalil avaliam confrontos das quartas de finais do Masters

play
Valorant: 'Pode esperar que a gente vai trazer surpresas', conta fzn sobre confronto contra Furia (2:39)

Jogador comenta sobre nova opção tática do time que vem trazendo durante o campeonato (2:39)

As semifinais do Valorant Masters brasileiro foram definidas e a reta final do campeonato começa neste sábado (20) com o embate entre Gamelanders e FURIA. Consideradas umas das melhores equipes do cenário, o jogo é o destaque das quartas de final.

A série da Gamelanders contra a Slick nas semifinais correu tudo bem. Único time a emplacar um 2 a 0 no placar geral, a atual campeã brasileira não mostrou muitas dificuldades para avançar na tabela e garantiu o primeiro lugar nas semifinais.

Apesar de passar a impressão para os espectadores de que o jogo havia sido fácil, fzn acredita que não foi - mas também não foi difícil. No final das contas, foi tudo uma questão de preparação.

"Não foi fácil nem difícil. Foi muito mais o tempo que a gente levou para treinar, pra estudar os caras, ficamos a semana inteira praticamente estudando os caras e treinando em cima disso. Tudo o que a gente treinou e planejou de fazer no jogo deu certo, por isso foi um resultado mais aberto para gente", avalia Fzn, jogador da Gamelanders, em entrevista ao ESPN Esports Brasil.

A Gamelanders trouxe talvez uma das maiores surpresas das quartas de finais. Mudando totalmente o que vínhamos vendo nas partidas da equipe, Nyang que antes atuava majoritariamente como controlador da equipe passou a desempenhar o papel de sentinela - e deu muito certo.

"Foi mais pelo estilo de jogo que ele tava fazendo, a gente percebeu que se ele estivesse de sentinela em todas as posições que ele marca seria melhor para ele. Ele estava se sentindo mais confortável também jogando de sentinela e a gente quis fazer essa mudança", conta sobre a mudança.

Mais confortável na posição, a evolução e impacto do capitão dentro de jogo foi visível; 13 a 7 na Ascent e 13 a 9 na Bind. Entrando em servidor contra a Imperial, os Panteras também se mostraram extremamente dominantes nos mapas que venceram - apesar do susto no segundo mapa.

Tudo questão de se adaptar e trazer tudo aquilo que foi treinado para o jogo principal. Com Xand novamente se destacando, a FURIA novamente decolou e cravou seu nome na segunda vaga das semifinais ao deixar os Imperadores pelo caminho.

"No primeiro mapa saiu tudo nos conformes, a gente conseguiu adaptar bem o que a gente fez nos treinos, nossas táticas e tudo foi bem aplicado no jogo. Mas na Haven não conseguimos adaptar muito bem, estávamos com dificuldade (...) e meio perdido no jogo, talvez por conta da composição do adversário", observa Khalil, jogador da FURIA, em entrevista ao ESPN Esports Brasil.

13 a 3 na Split e na Ascent mostrando o domínio da alcateia; mas não deixaram passar despercebida a derrota na Haven. Muito se fala em todos os esportes que quando se perde, é quando mais se aprende e Khalil acredita fielmente nisso.

A derrota, para o jogador, ajudou a equipe a encontrar seu caminho e consertar erros que antes não conseguia enxergar durante as vitórias.

"As vezes é até melhor perder pra você achar seus erros; mas a gente arrumou sim [os erros e falhas da equipe]. Vimos as VODs, refizemos as jogadas e achamos os erros. Pode ter certeza que para esse fim de semana estamos bem preparados", crava o jogador.

FURIA mandou a Gamelanders para fora do primeiro qualificatório, Gamelanders mandou a FURIA para a lower no segundo. O clima da semifinal é de revanche entre os times e, para grande parte da comunidade, uma espécie de final antecipada.

A REVANCHE

Apesar das poucas partidas entre si, os jogos entre as equipes pode ser o começo de um grande clássico. Até mesmo Khalil acredita que existe uma grande rivalidade entre as equipes e que o confronto “vai ter muito audiência”.

Nunca se sabe quem vai ganhar. Para reverter o resultado da última partida que tiveram contra a equipe de fzn, a FURIA vem trabalhando dia e noite para se preparar para qualquer surpresa.

"A gente tem visto bastante VODs deles, várias táticas e analisado muito bem eles pra não tomar nenhuma surpresa no fim de semana (...) eu acho que vai ser jogão, não acho que vai ser espanco de algum dos times. Com certeza eles vão dar a vida também, eles tão querendo ganhar muito da gente e a gente querendo ganhar muito deles", comenta Khalil.

A Gamelanders é quase que o sinônimo de adaptação. Tentando trazer coisas novas e inovar desde que entraram para o cenário competitivo, a equipe é uma caixa de surpresas e fzn garante que, para a série contra a FURIA, os espectadores podem esperar “o mais inesperado”.

"A expectativa é a mesma contra qualquer outro time. Estamos a semana inteira treinando e se preparando bastante, vamos entrar de cabeça erguida, não deixar nada afetar nosso jogo, vamos jogar normal e fazer o que a gente treina; e com certeza vai dar certo", observa fzn com calma.

O objetivo é atropelar quem estiver na frente para alcançar o pódio do primeiro grande campeonato de Valorant do ano para se consolidar como a melhor equipe brasileira - novamente.

A GRANDE FINAL

Do outro lado da tabela, paiN Gaming e Vikings se enfrentam para decidir a segunda finalista do Masters. Quanto ao confronto e a qual time gostaria de enfrentar na final caso se classifiquem, fzn não possui preferidos e sabe que, independente de qual avançar, será um adversário difícil.

"Acredito que enfrentar a paiN seria legal porque a gente enfrentou eles no First Strike, seria uma revanche pra eles também então seria jogão. Mas a Vikings também é um timasso, então acho que tanto faz. Os dois são times bons", conta.

Enquanto a Gamelanders não se preocupa com quem tiver que enfrentar, Khalil acredita que enfrentar a paiN Gaming na finalíssima seria “menos complicado” do que a Team Vikings.

Gamelanders e FURIA se enfrentam neste sábado para decidir o primeiro classificado para a finalíssima do Valorant Masters brasileiro. O jogo começa às 19h e será transmitido através dos canais oficiais da Riot Games.