<
>

Análise: Como os times estão evoluindo após o primeiro turno do CBLoL?

play
MatchMaking: Vorax chega em boa fase para o segundo turno do CBLoL (5:29)

Felipe Felix e Guerra falam sobre o desempenho dos Top 3 do CBLoL até o momento (5:29)

No último sábado (13) o CBLoL finalizou o primeiro turno, quando todos os times já se enfrentaram e mostraram suas forças. Embora já saibamos que alguns times não encaixaram ainda, é importante parar e olhar analiticamente como os elencos estão no atual momento da competição.

Será que o Flamengo é realmente imbatível? A paiN está em uma crise? A FURIA ficou mansa? O ESPN Esports Brasil convidou o analista e ex-técnico da paiN, Flamengo e Prodigy Thiago Maia, vulgo Djoko, para fazer uma pensata sobre como andam os times do maior campeonato de League of Legends do Brasil.

Separamos esta análise em três seções da tabela do CBLoL: Topo, meio e fundo. Dessa forma, conseguimos ter um panorama de como o campeonato pode se desenvolver até o fim da fase de pontos corridos.

Lembrando que os dois primeiros colocados do CBLoL já vão para as semifinais, enquanto os times que ficarem de 3ª a 6ª posições, vão disputar os playoffs. Assim sendo, este não é um power ranking, mas sim, uma análise e panorama geral do campeonato.

O TOPO DA TABELA

Começando pelo topo da tabela, onde vemos o Flamengo (invicto), mas que ainda tem pontos para se acertar. “O Flamengo começou bem o campeonato e eles têm uma ótica e dinâmica onde todos individualmente estão apresentando boas performances, inclusive o Ranger que melhorou nos últimos jogos. O destaque absoluto é o RedBert, que pra mim, é o melhor jogador do campeonato de longe”, diz Djoko.

O ótimo desempenho do time do Flamengo também tem uma mão de Absolut, que tem sido o shot caller do time. “Se você ouvir os áudios, vai perceber que o Absolut está fazendo o que ele sempre gostou de fazer na Team oNe na melhor fase dele. Você percebe que existe o shot calling do time e o decisivo é o dele, ou seja, ele é a voz de Minerva do time”.

Djoko também chama atenção para o caçador do Fla e analisa que nesse CBLoL Ranger, não tem acumulado tantas funções como no passado. “Se você analisa o gameplay do Ranger no ano passado e compara com o que vemos atualmente, existe uma diferença radical no que ele está fazendo. Ele começou o campeonato mecanicamente um pouco abaixo, mas já passou. E se você comparar com o ano passado, ele sempre jogava para ficar à frente do caçador adversário. E nesse ano ele faz isso, mas não tem medo de arriscar com ganks de nível 2, invasões e coisas agressivas que podem deixar os laners na frente. Parece que o Ranger confia muito mais nesse time”.

Djoko analisa que, aliando o fato de RedBert estar em uma boa fase e Absolut estar tomando boas decisões, fez com que o rubro-negro assumisse o topo da tabela. Entretanto, Djoko aponta que “O porém do Flamengo é que, relativamente aos outros times, o desempenho caiu nas últimas rodadas. O time não está naquele crescimento absoluto como estava nas primeiras rodadas”.

Para finalizar sobre o Rubro-Negro Djoko vê ainda que o time combina uma ótima fase com drafts muito estáveis, “Eu vejo como as performances individuais estão muito boas, um jogador supre o outro alguém vai mal, como foi o caso do Parang e Ranger no início do campeonato. E falando sobre o saldo positivo [do Flamengo] os drafts estão muito estáveis, independente da semana. O meta está evoluindo e o draft está seguindo isso, um bom controle estratégico”.

Sobre a Red Canids, Djoko vê que o time é sólido e criativo. “É engraçado, eu vejo os dois times [Flamengo e Red] como tier S, mas eu vejo os dois quase como opostos. A Red é, até agora, o time mais criativo do campeonato. Eles trouxeram picks que não tiveram medo de usar nessa fase do campeonato como Dr. Mundo, Yone no topo, Ivern, Jinx entre outros. São escolhas que todo mundo sabe que estão fortes na soloq mas que precisam de situações específicas para serem usadas no competitivo”.

Segundo o analista, a Red tem armas espalhadas em todas as posições do Rift. “A Red joga em todo o mapa, gosta de jogar com side lanes fortes. No caso da Red essa criatividade também é positiva, porque se eles mantêm isso até o final do campeonato, eles vão para um playoff com armas muito mais polivalentes, um arsenal melhor”, diz Djoko e completa: “É o time que eu mais gosto de assistir”.

Entre os jogadores dos lobos, Djoko vê um grande crescimento em Titan, que é o capitão do time. “Antes eu sentia que o Titan ganhava só no dedo, porém no LoL atual não tem como fazer isso. Não é tão fácil ganhar por osmose só porque o time um jogador é melhor. O jogo é em equipe. Então parece que o Titan deu atenção pra isso trabalhando nesse lado de forma mais ativa”, avalia.

Outro time que está entre os mais elogiados é a Vorax. A equipe se encontrou após uma primeira semana desastrosa e vem conseguindo mostrar evolução estratégica, afinal, quem além de fNb poderia trazer uma Anivia no topo? Segundo Djoko, olhando agora, dá para ver que a equipe tentou trabalhar de outras formas até se encontrarem no estado atual.

“Eles tentaram fazer o jogo mais amplo, colocando mais recursos no Krastiel, não focar tanto no top side – porque ser um time que tem uma arma só é perigoso. Tanto que na primeira semana eles levaram 0-2 e isso deu um susto”, relembra. “Eles perderam para o Flamengo, o que é complicado, mas eles perderam para a Rensga – e acho que foi isso o que os assustou. Tanto que na segunda, terceira e quarta semanas eles voltam a fazer o que eles sempre fizeram bem”.

Outra coisa que o técnico percebeu foi que a forma que o mid laner da Vorax vem jogando. “Repare que existe uma mudança clara nos picks do Krastiel. Hoje você entende que o Krastiel está numa função mais suportiva no time e que o fNb vem jogando com mais carries, com um adendo: eles começaram a inovar o jogo pelo top. Ênfase total no yampi que está fazendo um bom campeonato e está melhorando a cada rodada, deixando de ser o jungler previsível que ele era antes. Estou vendo que ele está jogando de formas mais interessantes, principalmente no jogo de Elise [contra a LOUD, na segunda semana] que foi o melhor campeão até agora, na minha opinião”.

Djoko finaliza a análise da Vorax dizendo “Eu vejo mais potencial agora na Vorax do que no início do campeonato. Eles acharam um caminho e a única coisa que eles vão ter que lidar é que o Top é a lane mais forte no CBLoL nesse momento”.

DISPUTANDO PELOS PLAYOFFS

Agora é a hora de falar sobre o que a gente vê no meio da tabela e que estão disputando os playoffs. O ex-técnico avaliou que esta área é composta por LOUD, KaBuM, INTZ e paiN Gaming.

A KaBuM, por exemplo, teve um início de campeonato desfalcado e teve que utilizar os jogadores da equipe Academy enquanto aguardava a chegada dos Sul-Coreanos Ryan e Wizer. O início de torneio dos Ninjas foi terrível: duas derrotas seguidas. Com a chegada dos imports, foram duas vitórias incisivas. A impressão que se teve era que o time alaranjado vinha para brigar pelo título, carregados pelo topo e selva.

“Eles chegaram com o pé na porta. Os coreanos destruíram e ficamos nos dizendo ‘Gente, que KaBuM é essa?’. Agora vemos que eles estão muito mais tímidos, mas ainda assim predominantes”, avalia Djoko.

“Para mim, os dois grandes pontos que vai decidir se vai ou não é a manutenção da performance boa do Professor - que entre os brasileiros, ele é o protagonista no time”, explica.

O segundo ponto que a KaBuM precisa dar atenção é a rota do meio. “Para acompanhar o ritmo dos dois caras do top side, o jungler e o top, o Evrot vai precisar dar um step up. No LoL moderno, para jogar o top side a rota do meio precisa estar envolvida e precisa ter uma sintonia com os dois. Eles precisam estar na mesma vibe, no mesmo sinal” explica Djoko. “Com o step up do Evrot, tem a possibilidade da KaBum se classificar e disputar o campeonato”.

Quem também teve um início quente e acabou tropeçando foi a LOUD. A LLL venceu a primeira semana com propriedade vencendo a paiN e FURIA, mas tropeçou com derrotas para times do fundo da tabela, como o Cruzeiro, e para os dois ‘contenders’ ao título, Flamengo e Red Canids.

“A LOUD é um time que, pra mim, precisa achar um caminho. Eles estão procurando um caminho de jogo”, avalia Djoko. “Eu sinto que eles estão buscando uma estabilidade no draft, mas ainda não acharam o ajuste fino do jeito que tem que ser. Eles são candidatos a playoffs, sim”, crava.

Já para Djoko a INTZ tem uma série de “nuances” para entrar de vez na briga. “Eu acho que a INTZ está envolvida em tantas nuances nesse campeonato. Nuance de ser o campeão da etapa passada, é a INTZ que começa um pouco pior e depois acha o caminho, várias entrevistas sugestivas – como a do Revolta, na qual ele quase entregou o ouro da INTZ”.

“O que isso me indica”, confabula Djoko, “é que eles têm um caminho. Acredito que eles têm a filosofia de seguir um caminho [para vitória] do que seguir um caminho guiado apenas pelos resultados. Se você tem confiança no caminho no qual você quer seguir com sua equipe, às vezes pode ser mais interessante você perder uma partida ou outra para manter esse caminho e no final das contas, quando conseguir chegar num playoff, chega para disputar o título”.

Como resultado ao seguir esse “caminho”, Djoko vê que a INTZ vem se tornando um time mais forte, mesmo quando sofrem derrotas. “Eu vejo que eles não estão abrindo mão da melhora. Eles alternam entre partidas muito boas e partidas ok, mas eles estão melhorando. Eu acho que eles estão em um tier à parte. Se você olhar todo o campeonato até agora, é o time que mais melhorou jogo após jogo”.

“Você repara que, mesmo perdendo, o mapa da INTZ está estável”, diz o Djoko que completa dizendo “Hoje eles estão muito mais conscientes”.

A paiN é um dos times que mais se criou expectativas para esta etapa do CBLoL. O time foi vice-campeão da etapa passada, porém, o desempenho caiu demais. Os tradicionais seguem com os mesmos pontos que INTZ na tabela do CBLoL, com 4 vitórias e 6 derrotas. A paiN apenas venceu sobre os times que estão na mesma “região” da tabela.

“Em questão de jogo, a paiN mostra um estilo de jogo muito parecido com a do ano passado, inclusive, a maior parte dos jogos eles saem do early game na frente ou empatados. O problema deles é o mid game, muito relacionado a decisões que o time faz em conjunto. Eles conseguem achar o caminho, mas quase nunca esse caminho é decisivo e não mostra a estabilidade de jogo que eles tinham no ano passado, por exemplo”, pondera Djoko.

Outro ponto que é apontado por Djoko e diversos especialistas é que a paiN, como um todo, tem deixado a desejar em questão mecânica. “Para o estilo de jogo que a paiN propõe, o desempenho mecânico abaixo da média da dupla da rota inferior é também um problema”

Segundo o técnico o maior problema é que o time ainda não se encaixou no estilo de Luci. “O Luci, diferente do eSa, é protagonista na comunicação do time. Ele gosta de moldar e acelerar o jogo que joga em oportunidades, em janelas. Já os outros jogadores gostam de serem mais cadenciados. Eu imaginava que com 3 ou 4 jogos a paiN conseguiria acertar esses problemas, mas de fato não foi o que aconteceu – evidentemente eles não estão na mesma página”.

Entretanto, para Djoko, a paiN é um time que tem o maior potencial entre os times que estão no fundo da tabela. “O potencial, o teto da paiN é altíssimo. A paiN está demonstrando 10%, 20% do seu potencial. Eles poderiam jogar e bater de frente com o estilo da Red Canids e Flamengo. De todos os times é o que, no papel, mais saiu fora do que esperávamos”.

DE BAIXO SÓ É POSSÍVEL SUBIR

Avaliar times que não vão bem é uma tarefa difícil. Entretanto FURIA, Cruzeiro e Rensga são times que declaradamente estão preparando sua base e que estão trabalhando visando o longo prazo.

A FURIA, por outro lado, é um time que está numa posição que para Djoko, é difícil descrever. Os Panteras chegam ao segundo turno depois de passarem por 7 derrotas seguidas no primeiro turno. “Com uma lose streak de 7 jogos deixa a moral do time lá em baixo”, comenta.

“É muito triste porque, se você pega Skeeto e Follow, o seu duo lá de fora, e um deles não funciona, fica uma situação muito difícil de lidar. O que você vai fazer? Jogar ele para o Academy?”, comenta o analista.

“Eu vejo que a FURIA é o time que tem o problema mais negativo do campeonato, porque de fato, eu só consigo vê-los tirando pontos dos outros times do fundo da tabela, mas eu sinto que eles estão com menos perspectivas de melhora. Eu não vejo o jogo do Annny, o desempenho do Follow caiu, o Damage também perdeu bastante o rendimento e quem tem jogado um pouco melhor é o Beenie, que vem se sentindo mais confortável conforme os jogos vão passando”, comenta Djoko.

Perguntei ao analista quais são as chances de a FURIA ir para os Playoffs: “Eu vejo no máximo eles disputando a sexta vaga, mas é bem improvável. Eu não vejo estabilidade em nenhum lugar na FURIA, seja na parte estratégica, seja em draft, seja no desempenho dos jogadores... Não vejo um norte para a FURIA, diferente da INTZ, que foi tudo aquilo que eu disse sobre ter um caminho claro”.

Já o Cruzeiro vem demonstrando exatamente o plano de crescimento e desenvolvimento de sua equipe. “Eu vejo que no caso do Cruzeiro, o Truklax é um cara que tem que provar o seu valor por ser um import, o Hawk está fazendo alguns jogos ok e o grande destaque do time, que mostra que o Cruzeiro está apontando para novos talentos é o Sting. Acho que ele é quem está fazendo o melhor campeonato no time”, avalia Djoko.

“Como coletivo não sei dizer se o Cruzeiro tem condição para playoffs pelo jogo que eles mostraram até agora. Mas eles têm um caminho e isso dá para perceber”, afirma. “Pelo que dá para perceber, eles vão tentar dar picks prioritários para o Sting, o pBo está tentando ser o segundo carry do time, o Nosferus percebemos que vai jogar num estilo diferente do que ele jogava no Vivo Keyd, ele vai jogar para a equipe, assim como os tanques do Truklax”, avalia o analista.

Djoko acreditava que os cowboys da Rensga teriam um caminho mais fácil do que o Cruzeiro devido sua flexibilidade com a line academy ser bem mais sinérgica, porém não é isso o que o time de Goiás vem mostrando.

“No caso da, Rensga eu vejo que eles têm mais ferramentas para poder trocar, principalmente a possível alternância na mid lane. Mas isso faz com que a descoberta do ‘norte’ (que o Cruzeiro e a INTZ vêm criando), seja mais difícil de trabalhar, até porque o Enga tem um estilo de jogo muito diferente do Haus”, diz Djoko.

“Sinto que eles ainda não se encontraram nesse time, ainda não tem uma identidade assim como a INTZ e o Cruzeiro já conseguiram".

JOGOS DE VOLTA

A segunda rodada do CBLoL começou no último domingo (14) e já vimos uma mudança. Na primeira rodada a INTZ perdeu para o Cruzeiro, o resultado agora foi inverso. Nas outras quatro partidas os resultados se repetiram, mas mesmo assim estamos vendo evolução nos times do CBLoL?

“Apesar de resultados similares, os jogos foram muito mais parelhos: a Vorax quase tirou a invencibilidade do Flamengo, a Red teve um jogo pegado contra a KBM e a INTZ mostrou e consolidou sua evolução. Os times, especialmente os de meio de tabela, melhoraram: os duelos da segunda fase da competição prometem ser ainda melhores.”, finaliza Djoko