<
>

CSGO: 'Estou jogando ao lado dos meus ídolos', conta Honda sobre entrada no elenco principal da FURIA

play
"Quando chegou essa oportunidade eu nem acreditei", desabafa Honda sobre ida ao time principal da FURIA (2:52)

O brasileiro também reflete sobre como está sendo jogar contra os melhores times do mundo (2:52)

No último dia 19, os fãs brasileiros de CS:GO deram boas vindas ao mais novo jogador a completar o elenco da FURIA, Honda. Atuando pela equipe na BLAST, o brasileiro mostrou ao mundo seu potencial e deixou claro que é um dos jogadores a se ficar de olho nos próximos eventos.

Um dos jogadores mais novos que temos atuando em grandes equipes brasileiras que jogam internacionalmente, Honda deu seus primeiros passos no competitivo ainda no último ano, quando teve seus talentos revelados ao integrar a equipe de base da DETONA.

Mesmo sem alcançar grandes resultados com os pitbulls e com pouca experiência, cerca de seis meses depois o jogador se juntou à FURIA, também para atuar no time de base; e em menos de um mês foi promovido ao elenco principal da equipe.

Sobre a oportunidade de representar o time principal da organização em tão pouco tempo de carreira, Honda comenta em entrevista exclusiva ao ESPN Esports Brasil que já “tinha ficado muito contente só de ter a oportunidade de jogar com o nome da FURIA no time academy. Quando chegou essa oportunidade eu nem acreditei, fiquei incrédulo, mas nem pensei duas vezes e abracei”.

“Sempre tive o suporte da minha família, então foi bem tranquilo em relação a isso. Fiquei muito feliz e ainda estou, parece que tudo que tá acontecendo nem é de verdade. É incrível ter essa oportunidade, ainda mais estar do lado de quem você admira. Eu estou jogando ao lado dos meus ídolos, então é algo surreal”, completa.

ESTREIA PELOS PANTERAS

O primeiro campeonato de batismo do brasileiro em solo internacional foi durante a BLAST Premier Global Finals, onde a equipe deu adeus ao torneio de forma precoce após perder ambos os confrontos por 2 a 1, terminando em penúltimo lugar.

Sem contar com os reforços de Guerri para este, por conta do banimento pelo uso do bug do coach, a volta do técnico para o cs_summit 7 mostrou-se importante. Batendo a Cloud9 no primeiro confronto do campeonato e dando trabalho para a Virtus.pro, os Panteras mostraram um desempenho ainda melhor no segundo campeonato, alcançando o quinto lugar ao serem derrotados pela mousesports nas quartas de final.

Peça chave para o sucesso da organização dentro do competitivo de CS, Guerri é um dos técnicos brasileiros mais prestigiados internacionalmente. O brasileiro recém-chegado à organização analisa a importância de Guerri para a equipe; e também para seu desenvolvimento.

“Ele faz toda a diferença, ainda mais para mim [...] é como se tivesse outra pessoa pensando pra mim e eu só mirando, porque mirar é de boa, o problema é pensar”, comenta enquanto dá risada. “Ele dá uma ajuda enorme, não só pra mim, para o time todo. Mas para mim acho que ajuda bem mais”.

Apesar das eliminações dos campeonatos, a equipe demonstrou um bom desempenho tendo em vista o pouco tempo de treino com o novo jogador. Sobre esses primeiros desafios ao lado do quarteto, Honda revela que a equipe manteve os pés no chão e desde o início não esperava grandes resultados por conta de sua inexperiência.

“Em relação aos campeonatos, a gente não esperava uma colocação alta por conta de mim, que sou inexperiente. Então acho que foi algo natural, e pra mim, jogar contra os melhores times do mundo é algo prazeroso, sempre aprendendo coisas novas todos os dias. Trocar tiro e ver lá o nome “NiKo” é muito doido”, conta o jogador.

O APOIO DA COMUNIDADE

Apesar de sua estreia como titular nos primeiros campeonatos de 2021, o brasileiro integra a equipe para atuar como sexto jogador - estratégia que vem ganhando força no cenário.

Em suas primeiras partidas, os espectadores puderam ver o carisma do jogador através das câmeras e testemunhar suas primeiras grandes jogadas pelos Panteras, com essas sendo o início de memes como “Acelera Honda”, criado por Gaules.

Confira a entrevista completa com o Honda aqui:

Representando uma organização com uma base de fãs tão apaixonados, Honda comenta que gosta muito do apoio que recebe dos fãs. “Antes de jogar profissionalmente eu fazia stream e sempre gostei dessa interação, ainda mais agora que é uma coisa gigantesca. Não tem como responder todo mundo, eu tento, mas é muita gente e eu fico muito feliz. Só tenho a agradecer”.

Como jogador “titular”, a FURIA contará com Junior para ocupar o vazio deixado por HEN1 - que hoje busca uma nova equipe para atuar ao lado de seu irmão LUCAS1. As expectativas por parte do público para a chegada do norte-americano são grandes e o mesmo terá uma grande responsabilidade de representar uma comunidade apaixonada.

Com a chegada de Junior para completar o plantel da FURIA para 2021, Honda acredita que o norte-americando será quem mais precisará de apoio; tanto do time, quanto dos torcedores.

“A gente vai ter que apoiar muito o Junior, ele está com sete brasileiros no time se a gente contar a equipe toda. Ele é estrangeiro e a gente sabe que a cultura do brasileiro é totalmente diferente, então ele é um dos caras que mais vai precisar de apoio para se sentir em casa e a gente vai com certeza dar isso para ele porque é algo muito importante”, analisa o brasileiro.

DE OLHO NO FUTURO

Como pessoa, Honda é daqueles que gosta de viver a vida sendo grato a tudo aquilo que acontece e buscando sempre ser sua melhor versão “não importa o que aconteça, não só com meu time, mas com todo mundo”; em seu lado profissional, almeja grandes vôos.

Para o ano de 2021, Honda revela que o que mais quer é evoluir como jogador e garante que “vocês podem esperar de mim sempre essa energia positiva”. Algo comum entre os jogadores mais novos, mas para o próximo ano, o jogador pensa grande.

“Como jogador, eu quero até o ano que vem pegar o top 20. Tenho dois caras no time que estão nessa lista, que é o Kscerato e o Yuurih, sem contar o arT, que na minha opinião é o melhor jogador brasileiro que existe. O cara é acima da média, eu me inspiro e me espelho muito neles”, projeta o sexto jogador da FURIA para o futuro.