<
>

VCB: Spacca acredita que veremos os times "mais treinados e melhor preparados" nos playoffs

play
"A FURIA mais do que um bom time, vai se tornar um excelente time profissional", observa Spacca sobre a recém-formada FURIA (4:26)

O comentarista ainda fala sobre a falta que a Gamelanders faz no VCB (4:26)

Depois de anos se dedicando ao cenário competitivo de Counter-Strike, Spacca foi uma das peças trazidas pela Riot Games para sua equipe de transmissão de Valorant. O comentarista fez parte do First Strike brasileiro no ano passado e nesse, compõe o talentoso time para o circuito competitivo Valorant Champions Tour. Seu primeiro compromisso? O Valorant Challengers Brasil.

Iniciado na última semana, o VCB trouxe de volta aos fãs do FPS o melhor do competitivo. Sem transmissões de sua fase qualificatória, os brasileirinhos foram surpreendidos através das redes sociais ao saber que a campeã do First Strike brasileiro não faria parte da primeira fase do circuito.

“Faz uma falta gigante, porque é o melhor time do Brasil ainda, apesar de ter perdido para a FURIA e não ter se classificado. Nada tira esse mérito da Gamelanders. É uma perda muito grande porque todo mundo ansiava em ver a campeã do First Strike jogando novamente [...] É um time muito forte”, avalia Spacca sobre a falta que a Gamelanders faz nesse primeiro momento do campeonato em entrevista ao ESPN Esports Brasil.

Heptacampeã no segundo semestre de 2020, a equipe foi eliminada em um expressivo 2 a 0 pelo time recém-formado da FURIA - que anunciou sua entrada no cenário em meados de janeiro - comandado pelo argentino Nozwerr.

“Todo mundo fala: ‘Ah, a FURIA montou um time e ganhou da Gamelanders’. Não, a FURIA montou um timasso. O time deles é muito bom e pegou peças muito importantes”, analisa Spacca.

Com a vitória sobre a atual melhor equipe brasileira, os holofotes naturalmente se viraram aos Panteras, que estrearam no último sábado (30) do VCB com vitória sobre a Galaxy Carrots. Avaliando a fase atual de xand como “talvez sua melhor fase como jogador profissional”, Spacca acredita que a vitória mostra que a equipe vem com tudo para 2021

“Não só pelos jogadores que eles chamaram, mas também pela comissão técnica. A FURIA mais do que um bom time, vai se tornar um excelente time profissional. Se você parar para analisar cada peça, são jogadores que meses atrás eram cotados como os melhores do Brasil, tirando o Nzr que jogava na Estral - que é a Gamelanders argentina porque ganhou tudo o que jogou lá”.

AS MUDANÇAS NA VORAX

Apesar de ser um dos times que não contou com mudanças em seu elenco, a Vorax vem mostrando nesse começo de ano uma mudança em como o time joga quando comparado a seu estilo de jogo do ano passado, que garantiu a equipe o status de segunda melhor do Brasil - mesmo não participando do First Strike.

“Nitidamente os jogadores estão mudando o estilo de jogo. A Vorax do ano passado era uma Vorax extremamente agressiva, que jogava com dois duelistas, ia pra frente, tinha o V1xen de Omen fazendo muito suporte e criando jogadas também. Agora eles tão vindo com uma proposta diferente, vieram com um duelista só e um Breach, o Brimstone que recebeu alguns buffs tá na mão do V1xen também. Então se você olhar as peças da Vorax e o jogo que eles faziam ano passado e tão fazendo agora, eles estão mudando um pouco o estilo de jogo”, observa a mudança no estilo de jogo de um ano para o outro.

Apesar de não trazer os resultados dignos da segunda melhor equipe brasileira, Spacca acredita que as mudanças são “louváveis, porque eles estão tentando se adaptar a um meta diferente”. No entanto, acredito que “para o patamar que eles atingiram ano passado, é muito pouco”.

Ainda vivos na primeira fase do Valorant Challengers Brasil, a Vorax veio de um ótimo ano para iniciar 2021 sem conseguir mostrar seu jogo, como quando caiu precocemente nas qualificatórias para o Ultimasters - primeiro campeonato do ano - e na derrota para a Slick na primeira semana do VCB.

Mesmo com os desempenhos insatisfatórios, a equipe mantém-se viva no VCB e Spacca acredita que “eles não saíram dos melhores times do Brasil. Acho que é um começo de ano mais difícil para eles, mas tem totais condições de darem a volta por cima”.

OS NOVATOS

Em meio aos grandes nomes que compõem os times participantes da primeira fase do VCB, existem também as novas equipes, sendo elas a Slick, Delirawowzik, Squad5 e Galaxy Carrots.

Ainda sendo muito cedo para avaliar o quão forte são essas equipes, o velho homem Spacca acredita que estas ainda estão passando por uma fase de amadurecimento e que ainda é necessário esperar um pouco para entender qual caminho essas seguirão.

No entanto, mesmo com essa dificuldade de avaliar a real força das quatro equipes, uma delas chamou a atenção do comentarista. “A Slick, na minha opinião, é diferente. Na minha opinião, eles foram o time que surpreendeu na primeira rodada vencendo a Vorax. Então é um time que foi montado para estar pronto. É um time que vai vir muito forte nessa segunda etapa contra o time da FURIA”.

A SEGUNDA SEMANA

Com uma semana para treinar duro e analisar as equipes, o comentarista acredita que veremos nesse fim de semana “os times mais treinados e melhor preparados do que na primeira semana. A gente viu melhores de um, e sabemos que elas são muito cruéis [...] e agora a gente vai ter o melhor do cenário, que são as melhores de três”.

A etapa final da primeira fase do VCB começa neste sábado (06) às 19h com o confronto entre FURIA e Slick, o qual Spacca acredita ser uma grande partida e o confronto do dia. Já a segunda partida do dia, entre Vikings e Squad5, acredita que a “Vikings é extremamente favorita”.

“Eu acho que é um dos grandes times que foram montados para o cenário brasileiro nesse primeiro trimestre, eu tenho muita esperança nesse time. A Vikings pra mim é um time que chega muito forte, não só no cenário brasileiro, mas como nessa segunda fase do VCB”, complementa.