<
>

CS:GO: Apesar de três aces de Honda, FURIA perde para G2 na estreia da BLAST Global Finals

play
Flamengo ou Envy? KNG fala que grupo recebeu 'diversas propostas' (3:06)

Os últimos rumores do grupo formado por KNG, Lucas1, Hen1 e Cogu apontam dois times fortes (3:06)

Marcando a volta do CS:GO brasileiro depois das férias do cenário competitivo, a FURIA estreou com o pé esquerdo em 2021 e perdeu para G2 por 2x1 (16x12 na Inferno, 16x14 na Mirage e 16x10 na Nuke) na sua primeira partida da BLAST Global Finals.

Apesar da surpresa de Honda, talento das categorias de base da FURIA, que garantiu três aces na série de estreia em solo internacional, as panteras deixaram a vitória escapar no mapa decisivo da série.

INFERNO (G2)

Apesar das investidas do “tubarão” VINI e o duplo ace do estreante, a FURIA perdeu momentos importantes da Inferno, deixando a G2 gostar do jogo e levar a primeira partida da série pra casa. Vale destacar que Honda, que subiu das categorias de base da organização brasileira, jogou sua primeira partida internacional da breve carreira como jogador.

Eleito o quarto melhor jogador do mundo, NiKo mostrou o porquê de estar entre os cinco melhores do mundo. Com entry fraggers precisos e paciência para virar rounds que pareciam perdidos para G2, o bosnio garantiu 25 abates na Inferno.

MIRAGE (FURIA)

Disputado do começo ao fim, a FURIA trouxe o empate para a série na raça, apostando na mira de yuurih, que foi responsável por eliminar 26 adversários na Mirage, mapa de escolha da G2. Com a vitória, as panteras decidiram a série na Nuke, território com história para a organização brasileira.

Apesar de novato, Honda chamou a responsabilidade e decidiu rounds importantes para a FURIA, deixando o time mais próximo do ponto decisivo em um 1 contra 1 emocionante nos minutos finais da partida.

NUKE (G2)

Mesmo com mais um ace anotado na conta do prodígio Honda, no round que abriu o mapa decisivo, a FURIA novamente pecou no final de jogo e viu a primeira vitória na BLAST Global Finals escorrer por seus dedos. Destaque negativo do mapa, arT apostou em jogadas arriscadas e deixou as panteras em diversas situações 4x5 desnecessárias para o prosseguimento da Nuke.

Com a derrota para a G2, a FURIA volta amanhã, às 15:30, para jogar a partida que vale a vida na BLAST Pro Series, na série melhor de três contra a Evil Geniuses.