<
>

Jogador brasileiro é alvo de ataques racistas em campeonato de Fifa 21

play
'Existem coisas ridículas': Zezinho, SpiderKong e streamers apontam melhoras necessárias para o FIFA 21 (5:15)

Além dos dois jogadores profissionais, Estagiário e Milionário do UT falaram com exclusividade à ESPN (5:15)

Neste domingo (22), o cenário de esports presenciou mais um infeliz episódio de ataques racistas e xenófobos. Após comemorar em sua conta oficial no Twitter a vitória por W.O sobre argentino Matias Bonanno pelo qualificatório do FIFA 21 Global Series, o brasileiro Lucas Tabata foi alvo de ofensas.

“O jogador que enfrentei [Matias] não teve participação nenhuma nisso, ele não falou nada de mim e me respeitou, assim como respeitei ele. Mas a comunidade argentina do Fifa e alguns pro-players, páginas grandes e influenciadores me atacaram. Sem motivo”, comenta Tabata.

Em uma série de confusões e decisões controversas envolvendo a organização do torneio, o argentino que representa a organização KRÜ, do atacante Sergio Agüero, garantiu a vitória nos pênaltis contra o brasileiro - após a decisão de vitória por W.O para Tabata ser anulada uma hora depois da decisão inicial.

Ainda segundo Tabata, os ataques racistas sofrido no último domingo já haviam acontecido em outras ocasiões, “mas não nessa dimensão”.

“Faço sempre transmissões na Twitch e toda vez que enfrento argentinos, entram no chat chamando a gente de ‘macaco’. No sábado (21), eu também joguei contra um argentino e eu fui preparado: coloquei como opção no meu chat apenas pessoas que me seguem a mais de um dia”, relembra o jogador. “Nas outras vezes que eu não tomava esse cuidado, isso acontecia no próprio chat da Twitch. [...] Com os argentinos sempre tem esses casos, com qualquer brasileiro”.

Em posicionamento oficial da Bundled, a organização que agencia Lucas Tabata repudiou os comentários racistas direcionados ao atleta.

"A Bundled repudia qualquer ataque de conteúdo agressivo entre as pessoas, principalmente quando se trata de um ataque contra a raça ou etnia de qualquer cidadão do mundo, de qualquer raça ou cor. Estamos muito tristes com o ocorrido, e a única coisa que gostaríamos de pedir para essas pessoas que usaram palavras tão fortes, para que pensem no dano que eles causaram nas pessoas que foram atacadas. E que para as próximas vezes, antes de escrever esse tipo de ofensa racial, que reflitam antes de tornar isso público, porque o sentimento de quem sofre, nunca esquece. Esperamos que as pessoas que realmente atacaram tenham suas contas removidas para que não repitam essa atitude tão negativa", Melvyn Wolthers CEO e Fundador da Bundled e Renato Sá, representante brasileiro.

Entramos em contato com a EA para um posicionamento sobre os ataques sofridos pelo jogador, que também vieram de jogadores verificados pela desenvolvedora, mas até o momento de postagem da matéria não recebemos uma resposta.

Entendendo o caso

Em partida válida pela vaga no Top 4 do FIFA 21 Global Series contra o argentino Matias Bonanno, a conexão da partida desconectou após Matias enfrentar problemas com sua internet.

“A conexão do cara [Bonanno] caiu, eu esperei 10 a 15 minutos e o administrador me deu a vitória por W.O porque esse era o prazo na primeira decisão deles”, esclareceu o jogador.

Com os problemas de conexão enfrentados pelo argentino, que o impediu de retornar à partida por um período de tempo, o brasileiro enviou um novo convite ao adversário e esperou pela decisão do administrador para entender o que seria feito.

Resultado da demora na reconexão à partida por parte do argentino, segundo as regras do campeonato o brasileiro poderia solicitar a vitória por W.O, caso fosse de sua vontade. Optando pela vitória, Tabata foi às suas redes sociais comemorar a classificação ao Top 4.

No entanto, mesmo após a decisão de vitória para o brasileiro, uma hora depois a própria organizadora do torneio decidiu retomar a partida de onde ela havia parado. A decisão se deu por conta de uma confusão entre ambas as partes.

"Passou uma hora o administrador falou que tinha que voltar o jogo por motivos maiores e que eu teria que continuar o jogo de onde ele tinha terminado", comenta.

De um lado, o argentino alega não ter aceitado o convite - enviado antes mesmo da decisão de vitória por W.O para o brasileiro - por conta da posse de bola estar com o brasileiro, sendo que no momento de desconexão a posse era de Matias. Do outro, o brasileiro alega que Matias não aceitou o convite dentro do prazo estipulado.

De volta à partida, os jogadores voltaram a se enfrentar para decidir o confronto, com o brasileiro levando o confronto para a prorrogação e perdendo durante os pênaltis.

“Quando ganhei por W.O [na primeira vez], publiquei no Twitter que tinha ficado no Top 4 da América do Sul, comemorando e tudo mais. Na hora que a comunidade argentina viu que eu perdi o jogo para ele nos pênaltis [na segunda vez], eles começaram a me atacar. Começaram a me chamar de ‘macaco’, mandar imagens e figurinhas de macacos e me xingando bastante no privado”, contou Lucas.

Apesar de toda a confusão, e de perder para o argentino na retomada da partida, o brasileiro conseguiu se classificar para o Top 4 sul-americano do FIFA 21 Global Series depois de subir pela repescagem.