<
>

Worlds: Peter Dun avalia motivos para fracasso da MAD Lions no Mundial de LoL

play
Worlds: Antes na Liquid Academy, Tactical agradece confiança de CoreJJ como titular (0:13)

Atirador da Team Liquid fala sobre relação com o suporte (0:13)

O ex-head coach de League of Legends da MAD Lions foi entrevistado pelo ESPN Esports para falar sobre sua saída da equipe e seu anúncio de que estava como agente livre.

Em mais de uma hora de papo, Peter Dun avaliou também o desempenho da equipe espanhola no Mundial de League of Legends, que teve a pior campanha de um europeu na história da competição.

O FRACASSO NO MUNDIAL DE LOL

“Costumávamos jogar contra equipes top tier da fase de grupos nos treinos e o meta desses treinos era totalmente diferente do meta jogado na fase de entradas. A adaptação não foi tão boa, já que as escolhas e banimentos eram distintas” falou o técnico principal da MAD sobre o desempenho na fase de entradas.

Quando perguntado sobre o potencial da MAD, Peter avaliou que “é um time que pode tirar séries da G2 e perder para a Legacy”, citando certa instabilidade dos jovens jogadores que “têm de melhorar nesse ponto”, segundo avaliação do treinador britânico.

A MAD foi punida na fase de entradas principalmente por conta de entradas um pouco além do nível aceitável do agressivo no League of Legends.

Sobre isso, Peter comentou que a característica dos jogadores são agressivas, além de completar que esse estilo agressivo dava certo nos treinos. “Você não pode pedir para jogadores como Carzzy e Kaiser para não avançar. Eles vão avançar. É o instinto deles (...) o estilo agressivo vinha dando certo nos treinos, mas acho que nos jogos os times tendem a jogar mais defensivamente e se prevenir contra a agressividade” disse Peter Dun.

“A derrota para a Team Liquid abalou muito a estrutura dos jogadores, porque foi algo que eles nunca tinham passado antes. Todos aqueles memes de Europa e América do Norte vieram à tona… Eles são ótimos jogadores, mas são novatos” comentou o técnico quando questionado sobre o ponto que fez eles perderem a confiança no Mundial.

A SAÍDA DA MAD LIONS

O motivo da saída de Peter da MAD Lions nada teve a ver com o desempenho na equipe no Worlds, segundo o ex-treinador da equipe.

O treinador disse que já vinha pensando nisso desde o final de 2019 e que se viu “muito mais velho”, nas palavras dele, do que todos a sua volta. Mesmo assim, aceitou mais um ano de renovação e decidiu que iria continuar na equipe para liderar o projeto da MAD (que comprou a vaga da Splyce nas franquias).

Com 33 anos, Peter era sim o head coach da MAD (embora houvesse certa confusão por ele não ser visto em stage, e sim Mac). Ele explicou que a MAD Lions usava o ‘modelo chinês’ de comissão técnica, com três técnicos: o técnico principal (ele), o assistente técnico (Kaas) e o técnico de estratégias (Mac) e que esse último era o responsável por reproduzir o draft que era montado em conjunto depois dos resultados de scrim.

Além de explicar um pouco sobre esse estilo de comissão, ele disse que usou 2020 para preparar Mac para a função de técnico principal e que ele é “mais do que capaz” para assumir essa função em 2021.

O FUTURO

“Quando eu iniciei minha carreira, eu queria coletar medalhas em todas as regiões. Eu fui técnico no Brasil e venci e queria fazer o mesmo na Europa. Então eu percebi o quão difícil é vencer por aqui” foi assim que Peter Dun começou sua resposta sobre o que ele quer para o futuro.

“Sinceramente, escuto coisas sobre a América do Norte que eu acho que não são verdadeiras. Eu não posso acreditar que são verdadeiras, na verdade. Penso que os boatos de que não há talento por lá e que o nível das filas solo/duo são o problema não são verdadeiros. Então, sim, estou procurando oportunidades na América do Norte mais como um desenvolvedor de talentos e para a área de scouting do que necessariamente como um head coach” disse Peter sobre o seu futuro.

O treinador britânico ainda disse que procura oportunidades em outras regiões também, citando YamatoCannon como o primeiro técnico ocidental a ser head coach na LCK (Coreia do Sul), mas deixou claro suas intenções bem abertas para as franquias norte-americanas.