<
>

CBF diz que eSeleção é autossustentável e que não vai usar recursos do futebol para área de esports

Uma das entidades mais bem sucedidas no futebol real, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) também quer se tornar gigante no virtual. Prova disso é o recente investimento feito nos esports com a criação da eSeleção Brasileira, com o objetivo de aumentar o fomento do futebol no geral de acordo diretor de marketing Gilberto Ratto em entrevista ao ESPN Esports Brasil.

O executivo é claro quanto a forma que a CBF enxerga os esportes eletrônicos: ferramenta fundamental para o processo de desenvolvimento do futebol no país. “O torcedor brasileiro continua bastante interessado no futebol real e acreditamos que os dois (virtual e real) juntos podem ser bons para o futebol como um torno”, afirma.

A CBF eSports é um projeto no qual a Confederação tem como parceira a E-Flix eSports, empresa que também comanda a divisão de esporte eletrônico do Cruzeiro. À companhia foi dada a “responsabilidade técnica e desportiva da eSeleção”.

Sempre quando uma entidade ligada ao futebol investe nos esportes eletrônicos, seja ela um clube ou uma confederação, se questiona a utilização de dinheiro voltado ao futebol para a manutenção do projeto eletrônico. Um dos fundadores da E-Flix, Marcelo Fadul, garante que “na eSeleção Brasileira não há qualquer utilização de dinheiro que seria destinado ao futebol. A eSeleção é autossustentável possuindo seus próprios recursos”.

O executivo revela ainda, quando perguntado sobre qual estrutura será fornecida pela CBF aos atletas, que a entidade estuda a criação de um “espaço gamer dentro da Granja Comary para a utilização específica da eSeleção”.

PRESENÇA NO FIFA E NO PES

Por mais que tenha sido, inicialmente, anunciada para o Fifa 20, a eSeleção Brasileira também estará presente em outro simulador, o Pro Evolution Soccer (PES), desenvolvido pela Konami, empresa parceira da entidade. É que o garante o diretor de marketing da CBF.

“A eSeleção Brasil foi criada para atender os dois simuladores e nas duas plataformas, Xbox e PlayStation. Iremos disputar os melhores torneios do mundo em qualquer um dos dois games ou plataformas”, explica.

Sobre o fato da presença da eSeleção no título da Electronic Arts significar a intenção da CBF criar uma competição para as versões de Fifa, Gilberto Ratto enfatiza que, atualmente, a entidade está focada “no eBrasileirão, que teve o inicio das inscrições no último dia 27. Neste momento, não temos plano para criar outro torneio em outro simulador. Esse ano o eBrasileirão vem com mais disputa e como uma experiência ainda melhor”.

“A CBF criou há quase quatro anos o eBrasileirão, que vem tendo uma ótima aderência junto ao público jovem. A última edição teve participação de mais de 25 mil jogadores, criando uma excelente integração com todas as torcidas e os respectivos sócios torcedores dos clubes”, completa.

TORNEIO BENEFICENTE CONTRA COVID-19

O mundo vem travando uma árdua luta contra o coronavírus desde o início do ano, com o futebol sendo bastante afetado nesse período de pandemia já que ela foi responsável pela paralisação várias ligas nacionais ao redor do globo. Mas a bola continuou rolando, só que virtualmente, graças a mobilização não só de confederações mas também de personalidades do meio, que promoveram diversos torneios beneficentes.

Linha está não seguida essa CBF porque, segundo o diretor de marketing, a entidade acredita que “fazer mais um torneio como está sendo feito por tanto os outros não teria o mesmo alcance do que se criássemos algo inovador”.

Mas isso não quer dizer que a confederação está fora da luta contra o Covid-19: “Pensando em ajudar de forma efetiva a quem precisa, a CBF, os atletas da seleção brasileira e a comissão técnica se uniram para a criar a ‘Seleção Solidaria #JuntosPeloBrasil’, que foi lançado na semana passada”.

O projeto, revela o executivo ao ESPN Esport Brasil, “arrecadou, até o momento, R$ 5 milhões e está ajudando diretamente 32 mil famílias brasileiras durante dois meses”. Qualquer dúvida, no site da CBF tem todas as instruções de como doar e a forma do trabalho das entidades parceiras”.

ESCALAÇÕES ORIGINAIS E GENEÉRICAS

Quando se fala em futebol virtual, se discute bastante sobre as escalações reais dos clubes e de seleções nos simuladores. Falando de Brasil, atualmente, há uma clara divisão com Fifa 20 e PES possuindo elencos verdadeiros ou genéricos dependendo se a agremiação é ou não parceira da respectiva desenvolvedora do jogo.

Quando questionado se a CBF pretende liderar o processo para que todos os clubes brasileiros e também a Seleção Brasileira estejam presentes de forma verdadeira em ambos simuladores, Gilberto Ratto responde dizendo que a entidade “ainda está no processo de estudo para ver a real viabilidade disso ou não”.

CONVOCAÇÕES

Ao ESPN Esports Brasil, um dos fundadores da E-Flix Marcelo Fadul explicou que o primeiro passo quanto a eSeleção “foi a nomeação de uma comissão técnica, encabeçada pelo Fifalize, que baseado em análise de ranking e torneios convoca os jogadores que deseja trabalhar”.

“Em conjunto com o treinador e a CBF, traçamos estratégias de treinos, entrevistas e exposição nas redes sociais. A definição dos confrontos em amistosos, logística e conteúdos em redes socais é uma dobradinha entre o departamento de marketing da CBF juntamente com a E-Flix”, completa.

A primeira competição disputada pela eSeleção foi o FIFA eNATIONS StayAndPlay CUP, a qual conquistou graças ao gol de ouro marcado por Éverton Ribeiro. De acordo com Marcelo Fadul, a equipe “terá um calendário sólido de amistosos e eventos”.

Sobre a convocação, feita via seletiva, o executivo explica que, “internamente acreditamos que o modelo das convocações deva estar sempre atrelado ao cenário competitivo oficial dos esports. Uma vez que a eSeleção seguirá as diretrizes das publishers para eventos e torneios, o atleta que participa do ecossistema competitivo terá mais chances de ser convocado pelo seu desempenho e destaque”.

Marcelo Fadul revela que “a ideia de uma classificatória nacional foi levantada, porém com intuito de gerar oportunidade a novos talentos e os trazem junto ao cenário competitivo”.

*Colaboração para o ESPN Esports