<
>

Rafaela Silva se explica e diz que pode ter caído no doping por brincadeira com uma criança

play
Bronze no mundial de 2019, Rafaela Silva diz que ser testada novamente no doping foi motivação extra para subir no pódio (0:55)

A judoca testou positivo para fenoterol 20 dias antes de ser testada no mundial (0:55)

Na tarde desta sexta-feira (20), foi divulgada a informação de que a judoca campeã olímpica Rafaela Silva foi flagrada no exame antidoping. Em coletiva de imprensa promovida pelo Instituto Reação, a atleta ao lado de Flávio Canto, do advogado Bichara Neto e o bioquímico Cameron para explicar o ocorrido.

O exame foi realizado no dia 9 de agosto nos Jogos Pan-Americanos e deu positivo para a substância fenoterol, um broncodilatador geralmente usado para tratar de doenças respiratórias, como asma. Segundo Cameron, ele provoca uma melhor troca gasosa entre o sangue e o pulmão e por isso, pode aumentar a performance do atleta.

A explicação da judoca foi que ela esteve em contato com Lara, filha de uma amiga que treina no Instituto Reação. A criança havia feito o uso da substância e ela pode ter testado positivo por conta de uma brincadeira. “Sempre dou o nariz para as crianças ficarem chupando (...) Como o Cameron me explicou, conforme a criança chupa meu nariz eu vou inalando as substâncias das crianças no meu corpo”, disse.

Rafaela afirmou nunca ter feito o uso da substância e nem tem autorização de usá-lo. 20 dias após o teste da WADA no Pan, ela realizou o mesmo teste no Campeonato Mundial, que deu negativo.

“Fenoterol tem uma meia vida bastante curta, ele é rapidamente excretado, não há nenhuma incompatibilidade entre os resultados, está perfeitamente aceitável. Não há qualquer dúvida em relação a isso”, afirmou Cameron.

Apesar do resultado positivo, Rafaela não está suspensa das competições nem preventivamente, mas o processo com a Federação Internacional de Judô (FIJ) ainda não teve início e, segundo Bichara Neto, a audiência que será realizada ainda nesta sexta-feira definirá o resultado do Pan. Até então, a judoca continua com o título. Porém, cabe a FIJ dar início ao processo.

O planejamento para as competições que podem classificar Rafaela para os Jogos Olímpicos segue firme. Ela ainda tem pela frente o Grand Slam de Brasília, dia 6 de outubro, embarcando em seguida para o Campeonato Mundial Militar. Dia 22 de novembro ela ainda participa do Grand Slam do Japão e dia 12 de dezembro do World Master. Todas essas competições valem vaga para Tóquio-2020.