<
>

Governador de Nova York assina lei que proíbe mulheres ganharem menos que homens

Em maio deste ano, jogadoras da seleção norte-americana de futebol processaram a Federação de Futebol dos Estados Unidos por discriminação de gênero, depois de vários meses de conflito sobre condições trabalhistas e igualdade salarial. A Copa do Mundo feminina foi um porta-voz para que, não apenas as jogadoras, mas também a torcida gritasse pedindo igualdade. Após o título dos EUA, o 4º no mundial feminino, torcedores soltaram um coro uníssono pedindo por “equal pay” [pagamento igualitário].

Durante o desfile das campeãs em Nova York, na manhã da última quarta-feira (11), o governador Andrew Cuomo, anunciou que estava assinando uma legislação sobre igualdade salarial. “A equipe feminina de futebol joga mesmo jogo que os homens – só que melhor. Se fosse assim, os homens deviam receber menos. Obrigada seleção por ajudar a liderar este movimento pela mudança”, escreveu em seu Twitter.

Cuomo assinou uma legislação que expande as leis de igualdade de remuneração do estado para "proibir o pagamento desigual com base em uma classe protegida para todos os trabalhos substancialmente similares". A lei também proibirá os empregadores de perguntar aos possíveis funcionários sobre seu histórico salarial, conforme explica uma declaração no site do governador.

Durante a assinatura do projeto, o governador discursou dizendo que não havia justificativa para as mulheres não receberem o mesmo pagamento dos homens, e ainda destacou o papel de Nova York na causa.

"Nova York continuará liderando o caminho e se solidarizando com mulheres e meninas em todos os cantos do estado. Assinando esta legislação, não estamos apenas fazendo a coisa certa, estamos também fazendo a coisa moral e pagando a mesma coisa trabalho igual é agora a lei no estado de Nova York”, disse.

Uma das premissas do governador é lutar pela causa das mulheres. Em nota publicada em seu site, ele escreveu: "Nova York é o berço do movimento pelos direitos das mulheres e fizemos progressos históricos nessa área e prometo não parar de lutar até que haja igualdade plena de gênero para todos".

EQUAL PAY ROUBOU A CENA

Durante a festa, a torcida para receber as jogadoras gritou diversas vezes por pagamento igualitário. O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, a primeira dama, Chirlane McCray e o Presidente da Federação de Futebol dos Estados Unidos, Carlos Cordeiro, deram discursos que também falavam sobre a equiparação salarial.

Assista aos discursos: