<
>

Sue Bird se orgulha dos protestos de Rapinoe contra Trump e relembra: 'Campeãs da WNBA não vão à Casa Branca'

Sue Bird, estrela da WNBA e armadora do Seattle Storm escreveu no The Players Tribune sobre sua namorada, Megan Rapinoe, destaque dos Estados Unidos nesta Copa do Mundo feminina que tem dado o que falar com seus protestos relacionados à política de Trump.

A armadora começou dizendo o quanto está orgulhosa não apenas da namorada, mas também da seleção norte-americana por ter alcançado uma vaga na semifinal da Copa do Mundo, destacando a atuação de Megan, que divide a artilharia dos Estados Unidos com Alex Morgan (5 gols).

Mas o destaque no artigo de Sue Bird foi o presidente Donald Trump odiar Megan Rapinoe.

A jogadora dos Estados Unidos, além de já ter ajoelhado para protestar contra o racismo (sendo uma mulher branca), defender claramente o direito dos homossexuais (além de ser uma) e não colocar a mão no peito e nem cantar o hino nacional antes de uma partida, deu uma declaração dizendo que não irá à Casa Branca caso os Estados Unidos vençam o Mundial, além de nem esperar um convite de Trump.

Sue Bird afirmou que o presidente nunca convidou um time campeão da WNBA para ir à Casa Branca: na temporada passada, o Seattle Storm foi campeão da WNBA e, de fato, não esteve lá.

“Em 2017, quando o time de basquete da Carolina do Sul, comandado por uma mulher negra (a lenda Dawn Staley), venceu o campeonato nacional, elas não foram convidadas a ir até à Casa Branca. Em 2019, quando o time de Baylor, comandado por uma mulher branca (também uma lenda, Kim Mulkey), venceram o mesmo campeonato, elas foram convidadas a irem à Casa Branca sem problemas”, escreveu.

A armadora também diz que, apesar de algumas coisas a assustarem nessa ‘polêmica’ toda entre Trump e Megan, ela daria risada se não fosse algo tão grave.

“Tipo, cara, não há nada melhor exigindo sua atenção?”, escreveu Sue Bird em relação ao presidente. “Seria ridículo ao ponto de rir, se não fosse tão grosseiro (e se suas legislações e políticas não estivessem arruinando a vida de tantas pessoas inocentes”, completou a armadora, ainda dizendo que os problemas vão muito além dos ‘tweets’ do presidente atacando Megan.

Sue Bird também aproveita para relembrar que ‘você simplesmente não pode abalar aquela garota’ e que ela não se desculparia com absolutamente ninguém por estar seguindo o que acredita ser certo.

“Megan está no nível de chefão do videogame sobre autoconhecimento. Ela sempre foi confiante, mas isso não significa que sempre foi imune (...) Eu acho que a sensibilidade de Megan é o que a leva a lutar pelos outros. Acho que é o que a levou a se ajoelhar. A Megan que você está vendo agora? É a versão mais forte daquela que se ajoelhou”, disse.

E ainda se orgulhou escrevendo: “Todas as ameaças, todas as críticas, todas as consequências, saindo do outro lado disso, é o que a faz parecer tão imperturbável com os idiotas do mundo agora”.

“Eu estou muito orgulhosa de Megan”, disse Sue Bird.

Megan Rapinoe entra em campo com os Estados Unidos nesta terça-feira buscando vaga para semifinal contra a Inglaterra, em Lyon, a partir das 16h (de Brasília).