<
>

De Cavani a Falcao: Flamengo buscou nomes internacionais antes de definir permanência de Gabigol

Ainda que o mercado e o calendário estejam paralisados diante da situação de pandemia do coronavírus, os holofotes pousaram mais uma vez no Ninho do Urubu.

Da Itália veio a declaração de Walter Guglielmone, irmão e empresário de Cavani, sobre uma consulta do Flamengo ao atacante do PSG. De fato, o clube rubro-negro sondou a situação do atacante no fim de 2019, rescaldado diante da indefinição da permanência de Gabigol. Os valores, elevados, impediram um avanço e o interesse permaneceu neste estágio. Mas o episódio revelou uma prática ousada dos dirigentes rubro-negros: a busca por grandes nomes do futebol mundial para reforçar o elenco, algo impensável em tempos anteriores. Entre sondagens e ofertas, o Flamengo teve mais de 20 nomes internacionais no radar recentemente.

Estabilizado financeiramente, o clube se sentiu à confiante para competir agremiações de porte médio do futebol europeu. O alvo tinha perfil definido: assim como Rafinha e Filipe Luís, jogadores em fim de contrato ou de valor acessível com possibilidade de retorno técnico imediato. O interesse em Cavani foi revelado em meados do ano passado por Mauro Cezar Pereira, comentarista dos canais ESPN. E evoluiu para uma consulta sobre a chance de contratação ao fim do seu contrato com o clube francês, em junho deste ano. Mas com a contratação definitiva de Gabigol por 16,5 milhões de euros e o empréstimo de Pedro, o negócio não avançou.

Anteriormente, o clube teve os comandantes do futebol, o vice Marcos Braz e o diretor Bruno Spindel, na Europa para adiantar negócios com Rafinha, Filipe Luís. No Velho Continente observaram possibilidades impactantes no mercado, como o atacante francês Ribéry e Diego Costa, do Atlético de Madrid.

O primeiro considerou a possibilidade, mas acabou por permanecer na Europa por conta da família, como chegou a revelar à imprensa alemã posteriormente. Atualmente está na Fiorentina. Diego Costa, com alto valor de mercado, foi considerado caro para os padrões rubro-negros. O seu contrato chega ao fim em junho do próximo ano e Filipe Luís, ex-companheiro de Atlético, é um dos entusiastas de sua contratação. No radar da aventura rubro-negra em águas internacionais também esteve Falcao García. O colombiano foi sondado quando indicava a saída do Monaco, na janela do meio de 2019.

Além do custo a bancar aos franceses, o Flamengo também teria de arcar com o altíssimo salário. Falcao assinou por dois anos com o Galatasaray. Entre os tantos nomes investidos, o que chegou mais próximo foi o de Balotelli. Com o italiano, a negociação foi iniciada e Braz e Spindel viajaram a Portugal. Mas a contratação foi barrada pelo departamento financeiro. Para atender às exigências de Super Mario, o Flamengo poderia colocar em risco o orçamento. Com a pandemia do coronavírus e o disparar do euro frente ao real, um negócio por Cavani, por exemplo, atualmente é considerado inviável.