<
>

'Por isso Klopp deve estar de olho': quem é ex-São Paulo de R$ 357 milhões no radar da seleção, Liverpool e Real Madrid

play
O melhor do resto? Calçade analisa quem pode incomodar Real, Barça e Atlético em LaLiga (1:06)

Campeonato Espanhol começa nesta sexta-feira com transmissão da ESPN (1:06)

O brasileiro Diego Carlos tem chamado a atenção em sua primeira temporada na Espanha, com a camisa do Sevilla, que enfrenta o Cluj, da Romênia, nesta quinta-feira, pela Europa League.

A velocidade e a força física do zagueiro de 26 anos, que teve passagem pelo São Paulo, impressionam: com 1,87m de altura e 89kg, ganhou o apelido de "Muro" dos torcedores.

Nos últimos meses, o defensor foi apontado até como alvo de Liverpool e Real Madrid, além de ter sido observado por Matheus Bacchi, auxiliar de Tite na seleção brasileira.

O sucesso do defensor, ainda pouco conhecido no Brasil, porém, não é uma surpresa para seu ex-treinador Fabiano Soares, que o comandou no Estoril, de Portugal.

"Ele veio desacreditado do Brasil. É um cara muito forte e rápido, e por isso se excedia um pouco e às vezes fazia alguns pênaltis. Fomos trabalhando a cabeça dele e deu tudo certo", disse o técnico, ao ESPN.com.br.

A história de Diego é um tanto quanto incomum. Criado na cidade de Dois Córregos, interior paulista, ele ajudou os pais na roça, foi vendedor de picolés e trabalhou por um ano em uma fábrica na qual lixava, pintava e embalava gabinetes para armários.

Diego foi reprovado em testes no Guarani antes de ingressar com quase 17 anos no América de São José do Rio Preto. Depois, foi para o Desportivo Brasil, clube que pertencia à Traffic, e virou zagueiro por causa do técnico Pita.

Promovido aos profissionais, ele jogou a Série B do Paulistão (4ª divisão), o zagueiro foi para o sub-20 do São Paulo e disputou o Paulista e a Copa São Paulo de futebol júnior.

Promovido aos profissionais em 2013, porém, ele não jogou - ficou no banco de reservas contra a Portuguesa e foi relacionado contra o Vasco pelo Brasileiro - porque o time tricolor tinha sete defensores no elenco.

O zagueiro sofreu uma lesão, perdeu espaço no time e foi emprestado para o Paulista e para o Madureira - jogou a Série C Nacional - antes de ir para Estoril, clube português que também pertencia à Traffic e jogava a 1ª divisão.

Como ainda não tinha muita experiência, o zagueiro foi emprestado por uma temporada ao time B do Porto, que jogava a divisão de acesso. Ao retornar, sua carreira deu um salto ao ser comandado por Fabiano Soares.

"Ele tem muita qualidade, chuta muito forte, com esse tipo de jogador você pode fazer uma pressão alta porque ele pode defender em 40 metros. É tão rápido que se a bola vai nas costas ele chega junto com o atacante", elogiou.

Após uma temporada de destaque em Portugal, Diego foi vendido para o Nantes, no qual permaneceu por três anos. Em 2018, transferiu-se para o Sevilla a pedido do diretor Monchi.

Titular absoluto desde que chegou ao time espanhol, o brasileiro tem multa rescisória de 75 milhões de euros (R$ 357 milhões). Soares acredita que Diego teria condições de jogar em gigantes europeus e até na seleção brasileira.

"Tem alguns zagueiros do Real Madrid que são piores do que ele. No Barcelona, ele tem muito mais espaço porque é um time que necessita de jogadores rápidos. E ele é muito rápido. É por isso que o Klopp deve estar de olho nele. É um jogador dinâmico, intenso, rápido. O futebol hoje em dia para o jogador lento o mercado não é tão bom. Jogadores rápidos e fortes e competitivos e que tem qualidade os treinadores sempre vão olhar para ele", analisou Soares.

"Ele merecia uma vaga na seleção brasileira para ao menos conhecê-lo. É uma pessoa que gosta de aprender, muito educado e boa pessoa. Tenho um carinho muito grande por ele porque o ajudamos a crescer. Mas o mérito é dele porque trabalhou".