<
>

Michael Phelps: 'Conto minha história sobre a depressão para tentar salvar vidas'

Michael Phelps em foto tirada em outubro de 2018 Nathan Congleton/NBC/NBCU Photo Bank via Getty Images

O nadador americano Michael Phelps contou neste sábado, em uma conferência em São Paulo, que, após se aposentar em 2016 das competições de elite, compartilha sua história sobre os ciclos de depressão que sofreu em diversos momentos da sua vida com o objetivo de "salvar vidas".

"Compartilho a minha história tentando salvar vidas. Em 2014 havia momentos nos quais não queria viver. Compartilho minha experiência para fazer vocês verem que não estão sozinhos", disse Phelps em um encontro com investidores na capital paulista.

O maior medalhista olímpico da história declarou que, desde que se afastou das piscinas, também trabalha para preservar a água, sua "paixão", e conseguir que "o maior número de pessoas possíveis tenham segurança dentro da mesma".

Vencedor de 23 medalhas de ouro em Olimpíadas, que se despediu da sua vida esportiva nos Jogos do Rio 2016, afirmou que o segredo do seu sucesso foi não desistir em momentos nos quais não acreditavam nele e agora tenta transmitir essa mensagem às novas gerações.

"Na minha carreira muitas pessoas duvidaram do que fazia, duvidaram de mim e isso era algo que me motivava. Quando olho para trás, vejo as metas que tinha e isso fez com que meu sucesso fosse possível", explicou Phelps.

O melhor nadador da história revelou que, após se aposentar em 2016, decidiu voltar às piscinas dois anos depois para poder se despedir definitivamente da forma correta na Rio 2016, quando ganhou as provas de 200 metros borboleta, 200 medley e revezamentos 4x100 e 4x200 livre, e 4x100 medley.

"Escalar até o alto de montanha foi uma das melhores coisas. Essa última escalada foi um dos momentos mais felizes da minha vida. De 2008 a 2012 não houve muitos momentos de prazer, houve sangue, lágrimas e suor (...) No Rio terminei da forma como queria", concluiu Phelps.