<
>

Paraguai 2 x 2 Catar tem Gatito, do Botafogo, exaltado e provocado, golaço de Derlis, do Santos, e 'olé' catariano no Maracanã

Abdulaziz Hatim, do Catar, tenta a finalização diante do goleiro Gatito Fernández, do Paraguai, na estreia na Copa América Getty

O goleiro Gatito Fernández, do Botafogo, foi o goleiro titular do Paraguai na estreia da equipe da Copa América e também um dos personagens no empate por 2 a 2 com o Catar, no estádio do Maracanã, na tarde deste domingo, em partida pelo Grupo B da competição, o mesmo de Argentina e Colômbia.

Durante o primeiro, quando sua equipe já vencia por 1 a 0, ele fez defesas importantes quando a seleção catariana, atual campeã da Ásia, estava melhor e próxima de empatar. Defendeu chutes muito perigosos de Almoez aos 37 e aos 45, este último cara a cara.

Foi quando o arqueiro do Botafogo --que inclusive atraiu muitos botafoguenses ao Maracanã-- teve o nome exaltado nas arquibancadas.

Antes, chegou a ouvir algumas provocações. Alguns torcedores com a camisa do Flamengo posicionados atrás da meta dele no primeiro tempo chegaram a gritar "frangueiro" ou a fazer um coro, com gritos de "Gatito, frangueiro, Gatito, frangueiro". Difícil saber se o goleiro ouviu. Ele não manifestou qualquer reação.

Na etapa final, quando sofreu o gol do atacante Almoez, aos 22, houve novas provocações. E foi um golaço, cortando para a esquerda e chutando no ângulo. Depois, novas provocações (de flamenguistas próximos) aos 31, quando Khoukhi empatou, em finalização na saída do goleiro e com tentativa de Rodrigo Rojas desviar de cabeça.

Gatito foi o personagem da primeira etapa porque foi o único jogador do Paraguai que atua no Brasil escolhido para iniciar o jogo. O zagueiro Gustavo Gómez, do Palmeiras, que inclusive deve ser o capitão da seleção Albirroja, cumpriu suspensão por expulsão no último jogo da eliminatória passada.

Já Derlis González ficou no banco de reservas e entrou no segundo tempo, mas marcou bastante sua presença. Fez o segundo gol paraguaio e um verdadeiro golaço, ao chutar da intermediária e acertar o ângulo da meta defendida por Al-Sheeb. O tento foi aos 10 minutos da etapa final.

Antes, quem havia anotado pelo Paraguai foi o atacante Cardozo, aos três minutos do primeiro tempo, em cobrança de pênalti (por causa de mão na bola). O árbitro peruano Diego Mirko Haro Sueldo chegou ouvir a recomendação do VAR (árbitro de vídeo), mas não chegou a acionar o recurso.

O mesmo VAR anulou um gol de Cardozo aos 6 da etapa final. Ele recebeu passe de Almirón, mas na jogada Derlis estava impedido.

Nos minutos finais, os brasileiros que estavam no estádio adotaram o Catar para torcer. Passaram a grita olé a cada passe dado e improvisaram alguns cantos, como "Vai para cima deles Catar".

No final, empate por 2 a 2, que deixa as duas seleções com um ponto no Grupo B.

O Paraguai volta a jogar na quarta-feira. Dessa vez contra a Argentina, no Mineirão, em Belo Horizonte. Os argentinos vêm pressionados. Perderam na estreia para a Colômbia por 1 a 0 e precisam se recuperar.

No mesmo dia, jogam Colômbia e Catar, no Morumbi, em São Paulo.

FICHA TÉCNICA

PARAGUAI 2 X 2 CATAR
COPA AMÉRICA 2019 - GRUPO B - 1ª RODADA
DATA:
domingo, 16 de junho de 2019
HORÁRIO: 16h (de Brasília)
LOCAL: estádio do Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
PÚBLICO: 19.162 pagantes
RENDA: R$ 2.381.305,00
ÁRBITRO: Diego Mirko Haro Sueldo (Peru)
ASSISTENTES: Jonny Max Bossio Moncada (Peru) e Victor Armando Raez Izaguirre (Peru)
GOLS: Cardozo (PAR), aos 3 min do 1º tempo; Derlis González (PAR), aos 10 min, Almoez (CAT), aos 22 min, e Khoukhi (CAT), aos 31 min do 2º tempo
CARTÃO AMARELO: Balbuena e Hernán Pérez (PAR); A. Hassan, Khoukho Madibo e Salman (CAT)

PARAGUAI: Gatito Fernández; Valdez, Balbuena, Alonso e Arzamendia; Ortiz, Rodrigo Rojas (Richard Sánchez), Almirón e Cecílio Domínguez (Iturbe); Hernán Pérez (Derlis González) e Cardozo. Técnico: Eduardo Berizzo

CATAR: Al-Sheeb; Pedro Miguel, Hisham, A. Hassan e Hatem (Boudiaf); Salman, Madibo e Khoukhi; Al-Haydos, Almoez Ali e Akram Afif. Técnico: Félix Sánchez