<
>

Jorginho foi sonho de consumo de Guardiola no Manchester City, mas virou destaque do Chelsea

play
Jorginho explica ida ao Chelsea, gosto pela 'resenha' de Sarri e ótima relação com o treinador (2:42)

Jogador chegou o clube inglês nesta temporada e já é um dos destaques (2:42)

O Chelsea tentará vencer o Manchester City no Stamford Brigde para não deixar o rival desgarrar na liderança da Premier League. Ao menos nos bastidores, os Blues já levaram a melhor na última janela de transferências, pois conseguiram contratar o volante Jorginho, que era cobiçado por Pep Guardiola.

O brasileiro naturalizado italiano foi trazido do Napoli por cerca de 57 milhões de euros (R$ 251 milhões) depois de interessar vários clubes da Inglaterra.

"Houve consultas de Liverpool, Manchester United, Manchester City, Tottenham e Chelsea. De uma certa forma, todos os grandes clubes ingleses viram o Jorginho porque ele já estava na seleção italiana. A partir disso, eles vieram atrás e ele foi para o Chelsea baseado em um acordo com o Napoli. O Jorginho ainda tinha dois anos de contrato e a última palavra era do Napoli. Naquele momento, o melhor negócio para o Napoli era o Chelsea", disse João Santos, agente do jogador, ao ESPN.com.br.

Pesou para essa chegada a vontade do treinador Maurizio Sarri, que estava trocando o time napolitano pela equipe inglesa e pretendia contar com os serviços de seu homem de confiança.

"Ele cresceu muito baseado na característica de jogo do Sarri, que atuava no 4-3-3. Ele sempre fez aquele volante que sai para o jogo e encaixa direitinho pelas características. Existe uma sintonia muito boa entre eles por causa disso tudo", disse Santos.

“No vestiário, dizemos que Sarri é o pai do Jorginho, porque eles estão sempre juntos conversando e rindo, mas entendo isso, porque Jorginho é um ótimo jogador”, disse Hazard.

Mesmo com ofertas de várias equipes, o time italiano não queria se desfazer do volante.

"Não foi somente a proposta financeira, mas também pesou muito o poder e a vontade do Napoli, que não queria vendê-lo porque teria de investir muito para arrumar um substituto. Não seria uma reposição imediata", explicou.

Jorginho chegou como titular no Chelsea e impressionou com os números que conseguiu (ver tabela).

"Ele surpreendeu a todos. Falam muito da questão física, que existe na Premier, que se não tiver muito físico não consegue jogar. O Jorginho está provando ao contrário. Ele joga contra todo no mesmo nível que atuava no Napoli", relatou João Santos.

Começo com a mãe

Natural de Imbituba-SC, Jorginho começou no futebol com sua mãe, Maria Tereza, que foi sua primeira treinadora na praia. Ainda adolescente, ele foi para uma escolinha que tinha parceria com o Brusque-SC, clube que tinha convênio com empresários italianos. Aos 16, o brasileiro foi levado ao Hellas Verona-ITA e morou por um tempo em um antigo mosteiro que tinha fama de mal-assombrado.

"Eu o conheci nos treinos do Verona, pois vinha dos juniores e completava nossos treinos. E descobri que ele era brasileiro e ficamos amigos. Eu dava carona para ele quase sempre", disse o goleiro Rafael, atualmente no Cagliari. O ex-arqueiro do Santos era agenciado por João Santos e foi o responsável por apresentá-lo a Jorginho.

Em 2010, o volante foi emprestado para a Sambonifacese, que estava na terceira divisão italiana, e fez suas primeiras partidas como profissional. No ano seguinte, voltou ao Verona e se firmou como titular.

Após duas temporadas e meio, Jorginho foi para o Napoli a pedido do treinador Rafa Benítez. A partir da chegada de Maurizio Sarri, em 2015, o futebol do brasileiro ganhou projeção na Europa.

"O 'mister' passou por muitas divisões da Itália, é um estudioso do futebol e conhecia o Jorginho desde ele surgiu como destaque do Verona. Ele ficou no radar. Quando o Sarri chegou veio um projeto nas últimas três temporadas e ele evoluiu ainda mais".

Mesmo assim, o volante não era chamado pela seleção brasileira. Quando chamou à atenção da CBF, recebeu um convite para jogar pela Itália, em 2017.

"Existiu uma conversa com o Edu Gaspar. Na realidade, essa questão foi muito de momento. Por que? A seleção tinha o Casemiro e o Fernandinho, que são dois excelentes jogadores. Eram três jogadores para duas vagas. Se fosse uma coisa mais para o futuro era possível que o Jorginho fosse para a seleção. Por ter o passaporte italiano em mãos, ele poderia optar por uma ou outra seleção".

Jorginho estreou pela Azzurra na repescagem para a Copa do Mundo de 2018 contra a Suécia.

"Da forma que foi oferecida na seleção italiana ele poderia falar: 'Vou esperar minha oportunidades no Brasil que pode ser que aconteça ou pegar a oportunidade italiana. Então, ele optou por ficar", explicou o agente.

No duelo deste sábado, que terá transmissão da ESPN Brasil e do WatchESPN, Tite e Pep Guardiola poderão ver o que perderam.

"Não estou desiludido por não ter conseguido que viesse. Tentamos, mas aconselho sempre os jogadores a jogarem onde querem. Podia ter sido um erro para ele e para nós se tivesse vindo para o Manchester City, sabendo que Sarri o queria. Se escolheu o Chelsea é porque achou que seria melhor", ponderou Guardiola.