<
>

Do Barcelona ao São Paulo? Giovanni revela que quase voltou ao Brasil em troca por Denílson

Reprodução

Ídolo do Santos e do Olympiacos, Giovanni teve uma passagem bastante conturbada pelo Barcelona. Muito disso por causa da relação com o polêmico treinador holandês Louis van Gaal. O ex-jogador revelou tudo sobre os grandes momentos e os problemas que teve no clube catalão ao Bola da Vez, que será exibido nesta terça-feira, às 21h30 (horário de Brasília), na ESPN Brasil e no WatchESPN. Logo após a exibição na TV, o programa, na íntegra, estará disponível no WatchESPN.

Após ser contratado em 1996, ele quase deixou o Barça no começo da temporada 1997/1998.

"Eu estava pré-temporada na Alemanha e ele queria um ponta esquerda que jogasse aberto. Ele queria o Denílson, que estava no São Paulo. E ele me chamou no quarto e disse: 'A gente está vendo se negocia você com o São Paulo porque eu quero o Denílson. Você topa?' Eu respondi: 'Topo, já que você não conta comigo eu vou voltar'", disse o ex-jogador de 46 anos.

"O Van Gaal disse: 'Arruma tuas coisas que amanhã você vai embora'. Amanheceu, não deu certo o negócio. Não sei qual a razão. Ele me disse que não deu certo, mas que mesmo assim não contava comigo", relatou.

Na pré-temporada, porém, Giovanni começou a se destacar e calou o treinador.

"Primeiro amistoso eu joguei cinco minutos e fiz um gol. Segundo amistoso eu joguei 10 minutos e fiz gol. No terceiro eu joguei 30 e fiz gol. No último, foi que me consagrei. Estava 0 a 0, ele me colocou e eu fiz um gol no ângulo", contou.

"Depois deste jogo ele me disse: 'Mudei de ideia, quero você no time".

Giovanni foi destaque e fez o gol do título do Campeonato Espanhol pelo Barcelona. Tudo parecia perfeito. Mas, na temporada seguinte, a situação mudou com a chegada de vários jogadores holandeses, como Cocu, Kluivert e Zenden.

"Vieram todos os holandeses e ele nem olhava na minha cara. Ele me esqueceu. A gente teve alguns pegas, bate-bocas no vestiário e treinamento. Ele parava e falava que eu estava treinando mal. Van Gaal é meio doido, meio xarope", criticou.

A relação entre os dois azedou de vez e se tornou insustentável no decorrer do ano.

"Eu fui na imprensa e dei umas entrevistas bombásticas que ele não gostou. Me barrou uns cinco jogos. O Rivaldo, que é meu parceiro, fez um gol e mostrou camisa com nome Giovanni. Van Gaal chamou ele na sala dele e deu bronca: 'Você não pode fazer isso porque tem outros jogadores que não jogam'. Falei ao Rivaldo: 'Deixa para lá'", disse.

Com os problemas com o treinador, Giovanni deixou o Barcelona no final da temporada 1998/99. Ele se transferiu para o Olympiacos, da Grécia, clube no qual virou grande ídolo da torcida.