<
>

Charge de Serena na final do US Open repercute na mídia internacional como ofensiva e racista; veja

play
Cartunista de charge polêmica de Serena nega ofensa racial (1:07)

'Eu não imaginei esse tipo de reação', disse o australiano Mark Knight (1:07)

Um cartoon representando Serena Williams durante a final da US Open no sábado causou grande repercussão na mídia internacional. O cartunista australiano Mark Knight foi duramente criticado por ter representado Serena em uma charge onde ela está, em proporções gigantes, quebrando e pisando em uma raquete, com uma chupeta de bebê caída na frente dela. Também foi criticado o fato de Naomi Osaka, uma japonesa negra, estar no fundo conversando com o juiz, com um balão dizendo “Você pode deixa-la ganhar?” e, curiosamente, ela ter sido desenhada loira e branca.

A charge foi publicada no jornal The Herold Sun, da Austrália. O autor Mark Knight, após uma enxurrada de críticas, deletou suas redes sociais.

Uma das primeiras pessoas a se manifestar a internet foi a autora de Harry Potter, JK Rowling, em um tuíte que dizia: “Parabéns por ter reduzido uma das maiores atletas vivas em algo racista e sexista, e transformá-la em um adereço sem rosto”.

A Associação Nacional de Jornalistas Negros, com sede nos Estados Unidos, também se manifestou dizendo que o cartum era repugnante em muitos níveis. A cantora Nicki Minaj, em uma entrevista para a Queen Radio na última segunda-feira, deu algumas declarações como “Mulheres negras não são permitidas a dizer que estão sendo maltratadas sem que digam que elas estão drogadas, tendo um colapso, que não sabem perder, que são amargas, infelizes... Apenas parem” e “Não quero derrubar Knight, só quero entender por que ele fez com que Serena parecesse algum tipo de animal com birra”.

Damon Johnston, editor do Herald Sun, tuitou a seguinte frase: “O cartoon não é racista ou sexista... Está justamente zombando de um comportamento ruim de uma lenda do tênis. Mark tem o apoio de todos". Em resposta a ele, Bernice King, filha de Martin Luther King, disse: “Tão infeliz que essa seja sua resposta, e sem consideração pelo doloroso contexto histórico de tais imagens e como ela pode apoiar racismo e preconceito hoje. Por que um ser humano não se importa com isso?”.

Jornais internacionais também divulgaram manchetes sobre o caso.

O autor do cartoon defendeu-se sobre o caso dizendo que não tem a ver com machismo ou racismo e, sim, com o comportamento da atleta durante o jogo, que rendeu a Serena Williams uma multa de 17 mil dólares, sendo 4 mil por falar com seu treinador de forma irregular, 3 mil por arremessar sua raquete com força no chão e mais 10 mil por insultar o árbitro.