<
>

Polina, do Sesi-Bauru, diz que Thaísa, do Minas, quer fama às suas custas: 'Botox, silicone e tatuagens não estão sendo suficientes'

play
Vulcão no fundo, -12 graus de temperatura e na terra: veja o vôlei mais insano dos últimos tempos (0:25)

Thelma Grétars, jogadora profissional de vôlei de praia, publicou o vídeo nas redes sociais; momento acontece na Islândia - via @thelmadoggg (0:25)

A oposta Polina Rahimova, do Sesi-Bauru, gerou uma enorme polêmica no mundo do vôlei nesta quarta-feira.

Em live no seu Instagram, a atleta do Azerbaijão disparou contra a central Thaísa, do Minas (e por muitos anos destaque da seleção brasileira).

A rusga entre ambas começou depois do Minas eliminar o Sesi na Superliga feminina, em partida que teve vários entreveros e provocações entre as atletas.

Já nesta quarta, Polina afirmou que Thaísa quer ganhar fama às suas custas, e fez comentários depreciativos sobre os procedimentos estéticos realizados pela brasileira.

"Thaísa estava feliz com isso, porque ela pôde receber mais atenção. Ela pode usar meu Instagram ou minha pessoa para ser mais famosa, porque seu botox, silicone e tatuagens não têm sido suficientes. Se você quer mais atenção, posso fazer um post especialmente para você, é só pedir", provocou a azeri.

Mas não foi apenas a central do Minas que foi alvo da "metralhadora" de Polina.

Em processo de saída do Sesi-Bauru, já que seu contrato, que vence em maio, não deve ser renovado, a estrangeira criticou até mesmo colegas de equipe.

A primeira foi a ponteira Tiffany, que, segundo Polina, não tem resistência para aguentar partidas que vão além de três sets.

"O que eu penso sobre a Tiffany? É uma jogadora forte, mas ela tem que jogar três sets, num 3 a 0, e acabou, pois ela tem dificuldade de resistência para continuar", argumentou.

A levantadora Dani Lins foi a outra vítima da língua ferina de Rahimova.

"Dani Lins às vezes tem recepções ruins. Eu compreendo, todas as levantadoras também têm esse mesmo problema. Às vezes, ela levanta bolas perfeitas e, às vezes, muito mal. Mas isso é do jogo, nós temos de apoiar umas às outras. Eu não posso dizer que ela é uma levantadora ruim", finalizou a gringa, mordendo e assoprando.

Ainda sem clube para a sequência da carreira, a jogadora de 30 anos foi perguntada durante a live se jogaria no Minas e esbanjou sinceridade mais uma vez.

"Você acha que eles me querem lá agora? Eu acho que eu posso ir para o Minas... Se a Thaísa não estiver lá", encerrou.