<
>

Atletas celebram fim de ranking e projetam Superliga Feminina mais equilibrada: 'Finalmente fomos ouvidas'

Após anos de reclamação das jogadoras, a Confederação Brasileira de Vôlei aboliu o ranking de jogadores para a próxima edição da Superliga Feminina. Entre outras regras do ranking, a principal reclamação era o fato de que cada equipe poder ter apenas duas atletas com a nota 7, a mais alta dessa classificação.

“Durante anos lutamos por nosso direito e pela igualdade, já que no masculino não existia mais esse ranking. Acredito que a próxima Superliga será ainda mais forte com isso e certamente estamos mais leves de saber que finalmente fomos ouvidas”, declarou Thaísa ao ESPN.com.br.

Capitã da seleção brasileira, Fabiana também ressaltou que a qualidade da competição tende a aumentar sem o ranking e pediu que decisões como esta sempre contem com a opinião de quem está dentro da quadra.

“As decisões de um esporte no país não podem ser comandadas apenas por um seleto grupo de pessoas. Os atletas precisam ser ouvidos, precisam ser levados em conta quando se decide algo que interfere diretamente nas nossas vidas.”

A edição atual da Superliga foi cancelada devido ao coronavírus. Antes, Minas e Praia Clube haviam sido as últimas campeãs, acabando com uma dinastia de 15 anos nos quais o título era ou de Rio de Janeiro ou de Osasco.

Moeda e estrangeiras

Para Sheilla, o que pode prejudicar a próxima edição é o fato do real estar muito desvalorizado perante as outras moedas. “Hoje com o dólar a mais de R$ 5 acho que muitas jogadoras devem optar por jogar fora.”

Nos últimos anos, estrangeiras de diversos países reforçaram clubes do Brasil, situação criticada por Thaísa.

“É algo que não concordo esse limite de estrangeiras por equipe. Porque trazer mais atletas de fora se temos brasileiras para preencher essas vagas ? Acrescentar tecnicamente elas acrescentam, mas acho que precisamos ter mais jovens nos elencos. Deveria ser obrigatório ter duas juvenis no elenco por exemplo, como era quando eu e a Sheilla começamos”, concluiu.