<
>

Djokovic e Osaka campeões, surpresa russa, pontaços, momentos 'diferentes'... Os grandes destaques do Australian Open de 2021

Novak Djokovic com mais um troféu em Melbourne e Naomi Osaka no caminho de se consolidar como uma das grandes do tênis. Discussões, momentos bizarros, pontaços e surpresas. O Australian Open de 2021 terminou no último domingo (21) com inúmeros destaques.

E o ESPN.com.br lista abaixo os grandes momentos do primeiro Grand Slam da temporada. Para você ler e, principalmente, ver.

*Conteúdo patrocinado por Sportingbet.tv e Vivo

MELBOURNE É A CASA DE DJOKOVIC

É difícil decidir o que é mais impressionante na relação entre Novak Djokovic e o Australian Open.

Contra Daniil Medvedev, o atual número um do mundo levantou seu nono troféu em nove decisões na Rod Laver Arena e, pela segunda vez, venceu por três vezes consecutivas o primeiro Major da temporada (2011 a 2013 e 2019 a 2021).

Além da imposição mental e de crescer nos momentos decisivos, o 18º Grand Slam do sérvio fica marcado pela condição física: na terceira rodada, contra Taylor Fritz, ele sofreu uma lesão muscular e colocou em dúvida sua continuação no torneio. Nos jogos seguintes, se recuperou e confirmou o favoritismo.

Curiosidades

  • Se tornou o quarto tenista na história a vencer um Major pelo menos nove vezes. Os outros: Rafael Nadal (Roland Garros, 13 taças), Margaret Court (Australian Open, 11) e Martina Navratilova (Wimbledon, 9)

  • Invicto como cabeça de chave número um no Australian Open: 42 vitórias e nenhuma derrota (seis títulos)

  • Soma agora 12 títulos de Grand Slam em quadra dura, mais do que qualquer outro tenista na história (Roger Federer é o segundo, com 11)

  • Desde 2011, venceu 21 de 22 jogos contra tenistas do top 10 no Australian Open; única derrota foi em 2014, para Stan Wawrinka

  • Venceu Medvedev em 1h53min, a final de Major mais rápida de sua carreira

OSAKA E O QUARTO TÍTULO EM MAJORS

Melbourne também começa a virar uma casa para Naomi Osaka. A japonesa venceu a norte-americana Jennifer Brady para conquistar o seu segundo Australian Open e o quarto Major de sua curta carreira.

Aos 23 anos, ela salvou um match-point contra Garbiñe Muguruza nas oitavas, venceu a surpresa Su-Wei Hsieh nas quartas e bateu sua grande referência, Serena Williams, na semifinal. Com a conquista, ela é a nova número dois do mundo.

Curiosidades

  • Uma das quatro atletas em atividade na WTA a ter pelo menos quatro Majors. As outras são Serena Williams (23 títulos), Venus Williams (7) e Kim Clijsters (4)

  • Única tenista de simples da WTA a vencer pelo menos quatro Majors nos últimos cinco anos. Nos últimos 10 anos, só ela e Serena (10 taças) têm ao menos quatro conquistas

  • 21 vitórias consecutivas desde o reinício do circuito no segundo semestre de 2020, após a pausa por causa da COVID-19 (WOs não entram na estatística). É a maior sequência de vitórias na WTA desde Serena entre 2014 e 2015 (27 vitórias)

  • Terceira tenista, entre homens ou mulheres, a vencer as primeiras quatro finais de Majors que disputa. Roger Federer (7) e Monica Seles (4) completam o quadro.

SERENA E O CHORO

Tenista que mais vezes venceu os torneios Grand Slam na era profissional (desde 1968), Serena Williams segue em busca de igualar o recorde de Margaret Court de mais títulos de Majors na história do tênis.

A americana tem 23 taças, enquanto a australiana possui 24. Após a derrota para Naomi Osaka, Serena foi às lágrimas e não respondeu sobre um possível adeus ao circuito profissional (veja acima).

KARATSEV E O 'CONTO DE FADAS'

A maior surpresa na chave masculina de simples veio da Rússia. Aos 27 anos e estreando na chave principal de um Grand Slam, Aslan Karatsev passou pelo qualificatório e chegou até a semifinal, quando foi derrotado por Djokovic.

No caminho, ele eliminou três cabeças de chave: Diego Schwarztman (nono do ranking), Félix Auger-Aliassime (19º) e Grigor Dimitrov (17º).

Ele soma apenas 19 jogos de torneios de primeira linha na ATP (oito vitórias e 11 derrotas) e é o novo 42º do ranking - antes, sua posição mais alta havia sido a 111ª.

BRADY E O LOCKDOWN

Vice-campeã do Australian Open, Jennifer Brady fez parte do grupo de 55 tenistas de simples (homens ou mulheres) obrigados a fazer uma quarentena total na Austrália.

Ela permaneceu por 14 dias completos dentro de seu quarto e foi a única que passou por esta situação a conseguir chegar na segunda semana do Australian Open.

Brady, de 25 anos, disputou sua primeira decisão de Grand Slam e estreia agora no top 20: é a nova 13ª do ranking da WTA.

ALGUNS PONTAÇOS DO TORNEIO...

... E ALGUNS MOMENTOS 'DIFERENTES'