<
>

Tênis: Bia Haddad supera longa parada, conquista quatro títulos em Portugal e pode sonhar com Olimpíadas

play
Beatriz Haddad Maia fala de luta por Olimpíadas no tênis e volta às quadras: 'Retorno excelente' (1:56)

Tenista brasileira concedeu entrevista exclusiva ao ESPN.com.br (1:56)

A tenista Beatriz Haddad Maia é um dos principais nomes do esporte atualmente no Brasil. Por conta de uma acusação de doping em julho de 2019, junto com a pandemia nesse ano, Bia acumulou 15 meses fora das quadras, o que gerou um prejuízo imenso em seu ranking na WTA (Associação Feminina de Tênis). Atualmente na 358ª posição, Haddad Maia precisou correr atrás do prejuízo e voltar às quadras nos torneios menores, em Portugal.

Na gira do país lusitano, entre setembro e outubro deste ano, Beatriz veio com tudo e ganhou quatro competições: W15 de Porto, Santarém e Funchal e o W25 de Montemor-o-Novo. Além disso, perdeu uma final e semifinal, em Figueira da Foz e no Porto, respectivamente.

Em entrevista ao ESPN.com.br, Haddad Maia falou sobre a preparação para esses torneios em Portugal e contou como foi esse retorno em alto nível às quadras

"Foi um retorno excelente. Por mais que os torneios fossem inferiores, todas as meninas estavam jogando muito bem, com sede de voltar a jogar depois da pandemia. A competitividade estava muito alta."

O longo tempo fora das quadras tirou a pressão da tenista brasileira. Feliz pelo retorno, Beatriz focou na satisfação por voltar a competir e entrou mais leve em quadra.

"Vindo de 15 meses sem jogar, passando pelo o que eu passei, jogar tênis foi minha menor preocupação. Eu estava muito feliz e essa vontade de voltar às quadras fez tudo acontecer. Tenho certeza de que não tive a melhor preparação, mas foi na superação. A ajuda da Ingrid (Martins, tenista brasileira) que estava ali comigo, nossa entrega, que resultou em tudo isso.", afirmou

A sequência de bons resultados fez com que Bia ganhasse muitas posições no ranking da WTA. Apesar de ser um sonho difícil, o adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio para 2021 fez com que Haddad Maia ainda pudesse almejar uma vaga na competição.

"O adiamento, para mim, por um lado, foi bom. Eu já estava descartada caso fosse esse ano. O ranking fecha em junho, tenho que estar entre as 70 melhores do mundo para poder classificar. É bem difícil, mas não só eu, todos os atletas brasileiros estão nessa corrida. Vou pensar em curto prazo, de campeonato em campeonato.", revelou

Por um incômodo na mão direita, Bia cancelou os últimos dois torneios que iria disputar nessa temporada e agora só volta às quadras em 2021.