<
>

Wimbledon: Kyrgios busca acabar com marca incrível de Nadal em meio a torneio 'caótico'

Australiano faz seu melhor Grand Slam e reafirmou fama de "bad boy" nestas semanas de torneio


Rafael Nadal segue imbatível em Grand Slams em 2022. Nesta quarta-feira, o espanhol precisou de mais de 4 horas em quadra para superar o norte-americano Taylor Fritz nas quartas de final de Wimbledon e agora tem pela frente o australiano Nick Kyrgios.

E Kyrgios tentará interromper a série de 19 vitórias em 19 jogos de Grand Slam de Nadal em 2022. Os dois se enfrentaram na grama sagrada em 2014, quando o australiano tinha apenas 19 anos e não estava nem entre os 140 do ranking.

Número 40 do ranking da ATP, o australiano já está com a sua melhor campanha em um Grand Slam. Visto como um "bad boy", obviamente essa trajetória dele no torneio não viria sem polêmicas.

Conteúdo patrocinado por Motorola, Mitsubishi, Sankhya, Vivo, Ademicon e Sportingbet

A cusparada

Após vencer o britânico Paul Jubb em 5 sets na primeira rodada, o australiano, irritado com a torcida indo contra ele e a favor de seu tenista local, dirigiu uma cusparada em direção a um fã. Isso lhe rendeu uma multa de US$ 10 mil.

"Eu tenho lidado com ódio e negatividade há muito tempo, então não sinto que devo nada a essa pessoa. Ele literalmente veio para a partida para não apoiar ninguém, apenas para incitar o desrespeito. Tudo bem, mas se eu devolver a você, é assim que é", disse Kyrgios, sobre a cusparada.

O australiano também causou durante a partida com um juiz de linha por conta de uma marcação de bola. Sobre o ocorrido, Kyrgios criticou o funcionário por ser supostamente "velho".

"Eu disse que a maioria dos árbitros são mais velhos e não acho que isso seja o ideal, quando você está praticando um esporte com margens tão pequenas", disse Kyrgios.

"Na verdade, as pessoas mais jovens têm uma visão melhor. Você não acha isso apropriado? Quando você está praticando um esporte por centenas e milhares de dólares, você não acha que deveríamos ter pessoas realmente prontas para chamar a bola dentro ou para fora? Aquela coisa específica: eu bati uma bola, o velho chamou. Estava dentro. Provavelmente, se o cara tinha 40 anos, ele poderia não ter chamado isso. Nesse caso, ele errou a chamada"

A batalha com Tsitsipas

No jogaço recheado de polêmicas, Nick Kyrgios lutou muito, reclamou como de costume e, na base da raça e da categoria, buscou uma virada simplesmente espetacular contra Stefanos Tsitsipas, por 3 sets a 1 (parciais de 6/7, 6/4, 6/3 e 7/6), para avançar às oitavas de final em Wimbledon.

Durante a partida, o australiano tentou começar a se impor com torcida e arbitragem para esquentar o clima a seu favor, fato que irritou o grego, número 4 do chaveamento do torneio. Em entrevista coletiva, o tenista criticou o adversário por sua postura.

Kyrgios, porém, não se esquivou de comentários e respondeu ao rival sobre as declarações de ter sido violento em quadra. “Eu não sei o que dizer. Eu não tenho certeza de como eu o intimidei. Ele foi o único a jogar bolas em mim, ele foi o único que atingiu um torcedor, foi ele quem o arrancou do estádio. Eu não fiz nada. Eu estava realmente apenas indo e voltando para o árbitro um pouco, eu fiz nada para Stefanos hoje que foi desrespeitoso”, avaliou.

O australiano ainda foi duro ao comentar sobre o fato do grego ter atirado uma bola na arquibancada, cobrando punições. “Quando joguei contra Filip Krajinovic, ele não acertou uma bola em um torcedor. Ele não atingiu um espectador. Então eu realmente não tenho muito o que falar. Eu só estava perguntando por que ele ainda estava na quadra. Porque eu sei que se os papéis tivessem sido invertidos, eu teria sido puxado fora daquela quadra e expulso, com certeza. Eu só estava me perguntando o que estava acontecendo”, afirmou.

Por fim, Kyrgios não poupou provocações ao rival, relembrando o último enfrentamento dos dois, além de falar sobre seu comportamento após a partida. “Bem, eu ficaria muito chateado se eu perdesse para alguém duas semanas seguidas, também. Talvez ele devesse descobrir como me vencer mais algumas vezes primeiro e então chegue a isso”, disse.

“Posso dizer oficialmente que nunca dei um aperto de mão como esse na minha vida. Toda vez que eu perdi, quando eu falhei contra Casper Ruud, olhei as pessoas nos olhos e disse: ‘Muito bem hoje, você foi o melhor homem’, e ele não era homem o suficiente para fazer isso hoje. Então ele não vai vir até mim no vestiário e dizer qualquer coisa”, finalizou.

Por proferir obscenidades, Kyrgios foi multado em US$ 4 mil, totalizando em US$ 14 mil (R$ 75 mil) só em punições durante o torneio.

O código de vestimenta

O australiano chegou para sua partida de oitavas de final contra Brandon Nakashima vestindo um par de tênis Air Jordan e boné vermelhos, o que fere o rígido código de vestimenta de Wimbledon, o Grand Slam mais tradicional de todos.

Apesar de Kyrgios ter substituído o tênis e boné por peças brancas durante o jogo, o "estrago" já foi feito ao usar as vestimentas nas cores vermelhas antes e depois da partida.

O código de vestimenta dos atletas de Wimbledon exige que os atletas vistam roupas nas cores brancas ou predominantemente brancas desde o momento que chegam em quadra até saírem do piso.

"Eu faço o que eu quero. Eu só gosto de usar meus Jordans, não estou acima das regras", explicou Kyrgios, em coletiva após sua vitória.

Caso de agressão a ex-namorada

Nick Kyrgios deverá comparecer em agosto a um tribunal australiano para responder sobre a acusação de uma suposta agressão a uma ex-namorada, que teria acontecido em 2021.

Jason Moffett, advogado que representa o tenista, disse ao jornal australiano Canberra Times que foi informado sobre o assunto, e que seu cliente está ciente da acusação.

“A natureza da alegação é séria, e Nick Kyrgios leva a alegação muito a sério”, disse Moffett.

O tenista enfrentará um julgamento em 2 de agosto, garante a polícia local.

“Dado que o assunto está no tribunal, ele não fará um comentário neste momento. Mas em breve divulgaremos um comunicado à mídia", disse Moffett.