<
>

Ex-Corinthians, Romero entra em polêmica de xenofobia na Argentina: 'Orgulho de ser paraguaio'

play
A história do jogo de ida entre Racing e Flamengo de um jeito que você não viu (1:56)

As equipes ficaram no 1 a 1 na primeira partida das oitavas de final da CONMEBOL Libertadores, no El Cilindro (1:56)

Depois da polêmica envolvendo o jogador argentino de rugby, Pablo Matera, que perdeu até a faixa de capitão por comentários racistas, os irmãos Romero se manifestaram sobre o assunto.

Enquanto Matera virou assunto por um tweet antigo praticando xenofobia contra paraguaios e bolivianos, os paraguaios manifestaram orgulho do país em que nasceram.

“Ódio a bolivianos e paraguaios que nascem de uma empresa que uma vez deixaram cair cabelo em sua comida”, disse o argentino, retrucado pelo perfil oficial Romero Team.

“Repudiamos qualquer ato de xenofobia. Respeitamos e defendemos a vida e o trabalho de qualquer ser humano aqui e em qualquer parte do mundo. Estamos orgulhosos por sermos paraguaios”, disse a dupla.

Foram encontrados tweets de Pablo Matera, o capitão dos Pumas, contendo posicionamentos racistas, xenófobos e homofóbicos. Em um dos posts, Matera comemorava por "finalmente sair da África do Sul, esse pais cheio de negros".

Além de Matera, também foram encontrados tweets de Guido Petti, outro jogador da equipe, chamando sua empregada de "macaca" e também dizendo que "revista o casaco de sua empregada para garantir que ela não roubou nada".

Santiago Socino, outro membro da equipe, também foi flagrado com posicionamentos racistas. "Não sou a favor do Apartheid, mas poderíamos começar a diferenciar as comunidades que têm negros", postou.

Todos os posts são de 2011 e 2012, quando os jogadores tinham entre 17 e 19 anos de idade. Depois da polêmica, a Federação Argentina de Rugby anunciou que suspendeu os três jogadores, tirou a faixa de capitão de Matera e também abriu um processo disciplinatório contra os três citados.

“A Federação Argentina de Rugby rejeita completamente os comentários discriminatórios e xenófobos publicados por membros dos Pumas numa rede social”, disse a entidade.