<
>

Coronavírus: Jogador de rugby trabalha 13 horas por dia como motorista de ambulância para ajudar na 'guerra' contra a COVID-19

O jogador da seleção italiana de rugby Maxime Mbanda trocou o esporte pela ajuda ao combate contra o coronavírus, já que seu país é o que mais sofre contra a doença no momento, com mais de 6 mil mortes e 60 mil infectados.

Com os hospitais italianos recheados de pacientes com risco de morte, Mbanda resolveu ajudar da forma que pode: dirigindo uma ambulância por cerca de 13 horas diárias.

"Quando tudo no rugby foi cancelado, eu pensei de que forma poderia ajudar, mesmo não tendo experiência", disse Mbanda, de 27 anos, à agência de notícias AFP.

"Eu comecei há 8 dias sem folgas e com turnos de 12 a 13 horas. Mas vendo o que acontece nos quartos dos infectados, digo para mim mesmo que não posso me cansar. O medo é normal. Mas há pequenas coisas que podem ser feitas em segurança que dariam àquelas na linha de frente alguns minutos de descanso. Para eles, uma hora é crucial. Enquanto estiver forte, vou continuar", completou.

Mbanda é filho de um cirurgião na Itália e descreveu seus serviços. "Eu transfiro pacientes que testaram positivo de um hospital para outro. Eu ajudo com a maca e se há pacientes na cadeira de rodas, também seguro o oxigênio".

O jogador também alarmou para a situação do mundo em meio à pandemia do coronavírus.

"Se as pessoas vissem o que eu vejo nos hospitais, não fariam filas na frente do supermercado, pensariam duas vezes antes de sair de casa, até para ir correr", explicou.

"Eu vejo pessoas de todas as idades, respirando com auxílio, médicos e enfermeiras em turnos de 20 a 22 horas, não dormindo um minuto e tentando descansar no dia seguinte", finalizou.