<
>

Six Nations - 4ª Rodada: França muito perto do título e 'Superclássico' em Londres

A quarta rodada do Six Nations será diferente por conta do coronavírus que tackleou o jogo entre Irlanda x Itália, adiado e sem data confirmada para sua realização. Por outro lado, a Inglaterra quer provar que voltou a sua melhor forma jogando no sábado, em Londres, contra Gales. No domingo, a França busca mais uma vitória fora de casa contra a Escócia em Edimburgo.

O Six Nations tem apenas 5 rodadas e qualquer tropeço é difícil de recuperar. Analisemos os jogos:

Inglaterra x Gales em Londres

A Inglaterra fez um jogo excelente no primeiro tempo na última rodada contra a Irlanda. Lembrou a semifinal do mundial do ano passado contra os All Blacks: veloz, posicionada, contundente, incisiva, taticamente ultramoderna usando um sistema de 3 jogadores no adversário com posse de bola, recuperando muitas jogadas e pronta para contra-ataques, irresistível.

Gales parece que definitivamente saiu dos trilhos, algo que ocorre quando existe troca da comissão técnica. Iniciou o torneio buscando um equilíbrio na forma de jogar, entretanto, jogo a jogo a confusão tática assumiu o protagonismo e a equipe precisa de mais tempo com treinador Pivac e seu novo sistema de jogo.

De qualquer forma é um Superclássico do mundo do rugby, a chave do jogo é a pressão defensiva, quem for melhor nesse quesito deve vencer.

PALPITÓDROMO DO MARTONI: INGLATERRA vence!

Escócia x França em Edimburgo

Diferente das semanas anteriores, parece que a Escócia finalmente está em paz: vitória contra a Itália na última rodada e as informações de que o treinador Towsend e o abertura Finn Russell fizeram as pazes - o camisa 10 deve ser convocado para os test matches de meio do ano quando completa 50 jogos pela seleção e tem passado informações para o treinador sobre os jogadores franceses. Russell joga no Racing 92 de Paris e paz é tudo que a equipe precisa para voltar a ser protagonista nos jogos, ainda mais jogando em casa.

A França evoluiu muito na competição. Uma equipe de jovens com futuro brilhante, que parece que antecipou algumas etapas e se mostrou adulta e brilhante na última rodada contra Gales em Cardiff, liderando a competição e dependendo só dela para o título que não ocorre desde 2010. O equilíbrio tático, defesa impactante e criatividade são seus maiores atributos.

Os franceses Ntamack e Dupont até aqui estão soberanos, os camisa 10 e 9, respectivamente, estão imparáveis, geniais e imprevisíveis. Na Escócia, o abertura Hastings e o scrunhalf Price terão missão difícil. Por outro lado, Hogg é o craque do time e a batalha de forwards dará o tom, com a posse de bola sendo prato de comida nesse jogo.

PALPITÓDROMO DO MARTONI: FRANÇA vence.