<
>

Fala, Martoni! Termina o sonho do Japão na Copa do Mundo de rugby

A seleção japonesa lutou muito, imprimiu velocidade, se expôs ao jogo de contato sul-africano, até dominou por boa parte do primeiro tempo, mas, desta vez, deu a lógica. Os Springboks da África do Sul chegaram à Copa do Mundo como um dos favoritos ao título e souberam lidar com toda a pressão dentro e fora do campo. Mesmo com mais de 70 mil pessoas a favor, não deu para a equipe da casa, Japão 3 x 26 África do Sul.

Foi um trajeto histórico e glorioso para a seleção japonesa, que jamais havia se classificado para as quartas de final. Além disso, puxou as seleções do “Tier 2” para outro patamar.

Aqui, vale uma explicação: são consideradas “Tier 1” as 10 seleções que jogam o Six Nations (Inglaterra, País de Gales, Irlanda, Escócia, França e Itália), e as que jogam o Rugby Championship (Nova Zelândia, África do Sul, Austrália e Argentina). No “Tier” 2 temos: Japão, Geórgia, Fiji e Tonga, entre outras.

Os próximos anos das seleções “Tier 2” citadas acima, e talvez Espanha e Romênia, nos dirão se, de fato, uma “Nova Ordem Mundial no Rugby” est[a começando. Tudo indica que sim, pela performance não só do Japão, que venceu Irlanda e Escócia, como de Fiji, que quase bateu Austrália e Gales, ou mesmo Tonga, que ficou a apenas dois pontos de bater a França.

O fato é que, se mais jogos acontecerem dentro desse universo ampliado de 10 para, talvez, 16 seleções, quem ganha é o mundo do rugby. Mais competição, mais variedade, aumento do nível técnico de quem chega, público maior ao redor do mundo e, finalmente, um mercado ampliado com grandes perspectivas de clubes surgindo nesses países emergentes, com aumento de jogadores de alto nível.

Esse é o legado do Japão na Copa do Mundo que sedia. Organização impecável fora de campo, estádios lotados, audiência em alta dentro e fora do país e, na parte técnica, protagonista inconteste do crescimento do rugby no mundo.

Parabéns ao rugby do Japão, que nem bem terminou sua participação na Copa do Mundo e já deixa saudades.