<
>

Copa do Mundo de rugby: Gales x Fiji era pra ser joguinho, mas foi jogaço, mágico!

Existe uma máxima no rugby que diz assim: os campeonatos são feitos por dirigentes, o jogo é feito pelos jogadores. Significa que não importa sua colocação ou classificação, o mais importante é o próximo jogo que você vai jogar.

País de Gales entrou em campo contra Fiji praticamente classificada, uma vitória na última rodada contra o Uruguai lhe dá a vaga. Fiji entrou em campo desclassificado, o que poderia sugerir um jogo desinteressante ou mesmo controlado.

Mas o que se viu nos 80 minutos foi um duelo físico, técnico e de estilo de jogo sem precedentes nesta Copa do Mundo. O jogo físico, veloz e corajoso de Fiji contra Gales, igualmente corajoso, planejado e que encarou o desafio de frente.

Quando você joga 'o jogo pelo jogo', fica parecendo até uma brincadeira de adultos. Ocorre que, por parte de Gales, a continuação da Copa do Mundo poderia ficar comprometida em caso de contusão, advertências e tudo mais que vem em um pacote de competição. Mas e daí?

Daí que Gales encarou o jogo como se não houvesse amanhã e partiu para reação contra Fiji após início impressionante dos polinésios.

Conclusão da história: um dos melhores jogos das últimas Copas do Mundo, momentos mágicos de um rugby que há muito não se via, no qual o objetivo maior era ser melhor que o adversário, dentro do maior respeito possível, quase um jogo amador no sentido do coração, doação e superação.

"Fiquei abismado!"

Trabalhei no jogo e fiquei abismado, maravilhado, emocionado!

Ah, e embora seja muito menos importante, como deve ser no rugby, informo que Gales venceu e Fiji teve o melhor em campo.

A Copa do Mundo de rugby está entre os maiores eventos do planeta, é um produto testado e aprovado, audiência mundial impressionante, cifras gigantescas estão envolvidas, o ultraprofissionalismo hoje é padrão, planejamento, preparação física, tecnologia, enfim, tudo que envolve o torneio é magnânimo.

Entretanto, ainda resta o coração, que no rugby nunca termina, ao contrário, consegue aliar o mundo profissional com o mundo amador, criando um modelo híbrido de esporte em que ensinamentos, valores e procedimentos são respeitados.

Este Gales x Fiji mostrou o quão importante é jogar, competir, se doar ao máximo, independentemente do interesse do jogo, porque o jogo é mais importante do que qualquer interesse.