<
>

Rugby: Do 'Isto não é futebol!' ao respeito que precisa reinar sempre

Principal árbitro de rugby atualmente, Nigel Owens ficou conhecido por seus comentários espirituosos durante as partidas. Certa vez, em um duelo Munster x Treviso, os jogadores começaram a reclamar de suas marcações. Ele não teve dúvidas e mandou a frase: “Isto não não é futebol!”

Este sábado (21), segundo dia de Copa do Mundo de rubgy, foi de algumas dúvidas quanto a marcações de infrações, especialmente no jogaço em que quase teve virada épica, mas acabou com vitória da França por 23 a 21 sobre a Argentina. Foram alguns equívocos ou interpretações diferentes na visão dos treinadores com relação às decisões dos árbitros.

Registre-se: os jogadores jamais contestaram, e o jogo transcorreu normalmente, demonstrando o respeito dos atletas com a arbitragem, mesmo com discordâncias sobre uma ou outra coisa que foi assinalada em campo - o mesmo não se pode dizer entre eles, já que após o apito final o tempo fechou (assista ao vídeo no topo).

É claro que erros de arbitragem acontecem, assim como jogadores, treinadores e dirigentes também erram, o que não significa que em algum momento a lisura, o respeito e o inconformismo podem perder seu espaço no rugby.

E hoje vimos nas entrevistas pós-jogos algumas derrapagens neste sentido.

Que o rugby continue a ser rugby

O momento é de jogos duros, os nervos estão à flor da pele, entretanto isto não significa poder se quebrar os códigos de conduta da modalidade, que tem como pilares parcimônia e respeito.

Temos os melhores do mundo juntos, a responsabilidade aumenta, e mais que competidores, temos os embaixadores do esporte no Japão. Muita coisa boa ainda está por vir nesta Copa do Mundo, que só começou, e espero que apenas dentro do campo, com erros, acertos, vitórias, derrotas, consagrações...

Enfim, que o rugby continue a ser rugby!