<
>

Olimpíadas: por que Lucão, da seleção brasileira de vôlei, usa máscara mesmo em quadra?

play
Olimpíadas: Douglas Souza muda jogo, e Brasil vence Tunísia na estreia do vôlei masculino; veja como foi (0:52)

Douglas Souza veio bem do banco e mudou a cara da seleção brasileira, que fez 3 a 0 nos tunisianos (0:52)

Durante a vitória do Brasil sobre a Tunísia na estreia do vôlei masculino nos Jogos Olímpicos de Tóquio, neste sábado, uma grande dúvida surgiu nas redes sociais: por que o central Lucão usa máscara de proteção contra COVID-19 em quadra, mesmo ela não sendo obrigatória?

O jogador da seleção deu a resposta em entrevista ao SporTV, em novembro do ano passado, durante disputa da Superliga com o Taubaté.

Clique aqui para ver o Quadro de Medalhas das Olimpíadas atualizado e siga os Jogos de Tóquio em TEMPO REAL!

De acordo com Lucão, ele estava preocupado principalmente com a chance de contrair e transmitir a COVID-19 para o filho Théo, de quatro anos, o que fez com que o atleta decidisse usar a máscara a todo momento, tanto dentro quanto fora de quadra.

"Eu tomei essa opção de usar a máscara desde que os treinamentos voltaram com um grupo maior. Primeiro porque a gente não tem controle sobre o vírus, mesmo fazendo testagem a cada 14 dias. Mas existe esse lapso no meio, e a pessoa pode ser infectada ou não. Eu sei do jeito que estou me cuidando, mas sei que posso pegar. São muitas pessoas para ficarmos de olho, sem saber o que estão fazendo no dia a dia. Foi um jeito que eu achei de minimizar a chance de contrair a doença para não ter que parar", afirmou.

"Outra coisa também é que meu filho tem sintomas de febre direto a cada 15, 20 dias, porque tem um pouco de problema de garganta e bronquite. Então, tenho um pouco de medo", acrescentou.

O central ainda admitiu que sua respiração é atrapalhada pelo uso da máscara, e que, em alguns momentos, ele tem que retirá-la rapidamente para tomar ar.

No entanto, Lucão salientou que, na maior parte do tempo, não tem problemas pelo uso da medida de proteção contra o coronavírus.

"A máscara incomoda um pouco, principalmente na parte de cárdio, que exige um pouco mais, na hora de um rali. Mas a sorte é que, no nosso esporte, é mais de explosão, os ralis são mais curtos, às vezes é só uma ação que você faz", explicou.

"No vôlei masculino é menos ainda. Quando o rali dura 10 ou 15 segundos, já é muito. Isso facilita muito o uso da máscara, principalmente em relação ao futebol, ao basquete, que exige mais essa parte aeróbica. Claro, quando tem um rali, me afasto, levanto a máscara para poder respirar normalmente. Mas, na grande maioria das vezes, é tranquilo", finalizou.