<
>

Olimpíadas: conheça Bruninho e Ketleyn Quadros, porta-bandeiras do Brasil na Cerimônia de Abertura

play
Ketleyn Quadros, do judô, e Bruno Rezende, do vôlei, serão os porta-bandeiras do Brasil em Tóquio: Relembre todos desde 1920 (4:11)

Cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 acontece nesta sexta (23) (4:11)

Escolhidos pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) como porta-bandeiras do país na cerimônia de abertura das Olimpíadas de Tóquio, marcada para sexta-feira (21), no Estádio Olímpico, Bruninho, levantador da seleção masculina de Vôlei, e Ketleyn Quadros, do Judô, vão representar outros 300 atletas que fazem parte da delegação brasileira.

Essa será a primeira vez que a bandeira brasileira será carregada por duas pessoas. A dupla, por sinal, conhece bem os Jogos Olímpicos e já escreveu seu nome na história do esporte nacional.

Bruno Mossa de Rezende, de 35 anos, convive com o vôlei desde que nasceu. Filho dos ex-jogadores Bernardinho e Vera Mossa, o levantador ainda teve a também ex-jogadora Fernanda Venturini como madrasta por muitos anos até a separação com o treinador em outubro de 2020.

Rodeado por ex-jogadores, Bruninho não poderia ter outro destino. Inserido no vôlei aos dez anos, o levantador chegou a ter uma experiência no badminton - foi campeão Pan-Americano na categoria infanto-juvenil -, mas voltou para as quadras quatro anos depois. E dessa vez para não sair mais.

Hoje considerado um dos melhores levantadores do vôlei mundial, Bruninho fez toda sua carreira no Brasil e na Itália, para onde retornou após defender o Taubaté nas últimas duas temporadas. Seu clube atual é o Modena.

A história de Bruninho na seleção brasileira começou em 2006 e já rendeu três medalhas olímpicas. Além das pratas conquistadas em Pequim (2008) e Londres (2012), o levantador sentiu o gosto do lugar mais alto do pódio nos últimos Jogos, quando foi ouro no Rio de Janeiro, em 2016.

Nascida em Ceilândia, no Distrito Federal, Ketleyn Lima Quadros tem 33 anos e sua paixão pela luta vem desde a infância, quando faltava às aulas de natação para acompanhar os treinamentos de judô. Em 2006, a brasiliense acertou com o Minas Tênis Clube, uma das referências no esporte. E o sucesso não demorou para chegar.

Dois anos depois, em 2008, Ketleyn Quadros escreveu seu nome na história do esporte brasileiro ao ser a primeira mulher a conquistar uma medalha olímpica em modalidades individuais. Com apenas 20 anos, a judoca surpreendeu ao conquistar o bronze em Pequim no peso-leve (até 57 kg).

A vaga nas Olimpíadas de 2008 só veio com a contusão sofrida por Danielle Zangrando. Depois de ficar de fora dos Jogos de 2012 e 2016, Ketleyn Quadros garantiu presença em Tóquio depois de ter sido a quinta colocada da categoria meio-médio (até 63 kg) no Campeonato Mundial de Judô, realizado no mês passado, em Budapeste, na Hungria.