<
>

Olimpíadas: Bruninho e Ketleyn Quadros serão os porta-bandeiras do Brasil em Tóquio-2020

play
Djokovic surpreende fã de 6 anos com recado em aniversário e brinca: 'Espero te ver na Olimpíada' (0:21)

Via: Twitter @DjokerNole | Tenista sérvio surpreendeu um jovem tenista e postou a surpresa na sua conta pessoal (0:21)

O Comitê Olímpico Brasileiro divulgou nesta sexta-feira os atletas que serão os porta-bandeiras do país na cerimônia de abertura das Olimpíadas de Tóquio, que começam no dia 23 de julho.

Bruninho, levantador da seleção masculina de vôlei, e Ketleyn Quadros, do judô, irão carregar a bandeira do Brasil na cerimônia.

Ketleyn Quadros foi medalha de bronze em Pequim-2008, sendo a primeira mulher a ganhar uma medalha em esportes individuais na história do esporte olímpico brasileiro.

Já Bruninho tem três medalhas olímpicas: duas pratas (Pequim e Londres-2012) e uma de ouro na Rio-2016.

“Eu fico me emocionando o tempo inteiro. As conquistas são consequências de quem acredita, de quem constrói apesar das adversidades, de muita dedicação, de muito treinamento, do trabalho de muitas pessoas. Eu olho pra minha carreira e vejo que não ter participado dos últimos dois Jogos Olímpicos me ajudou a crescer, a evoluir e a estar aqui. Sou muito grata e me sinto privilegiada por representar cada um dos brasileiros sendo porta-bandeira”, disse Ketleyn, que possui 33 medalhas em eventos do Circuito Mundial da Federação Internacional de Judô.

“Tenho 33 anos e uma vida dentro da modalidade. Não falo isso com peso não, eu amo o que eu faço. Acho que vai passar um filme na minha cabeça quando eu tiver lá e saber que tudo que passei, valeu à pena”, completou.

“Sou um mero representante do que o vôlei significa não só pro esporte, como para o povo brasileiro. Os valores que gerações anteriores deixaram de dedicação, de luta, de garra, de superação é o que levo e me sinto muito honrado. Ser o primeiro é motivo de muito orgulho e fruto desse legado. Sintam-se todos representados. Depois que soube, contei apenas para algumas pessoas muito próximas, entre eles meu pai, uma pessoa que sempre guiou, que foi muito importante na minha carreira, primeiro como jogador fazendo parte de uma geração pioneira, depois como técnico da geração mais vitoriosa história, que culminou com o ouro olímpico da superação. Representar a todos no maior momento do esporte mundial, eu não sei nem o que dizer, só na hora que vamos sentir na pele essa emoção e será um momento muito marcante”, disse Bruninho.