<
>

Ele nunca pisou no Brasil, mas ganhou medalha em um esporte que o país nunca sonhou no Pan

Você possivelmente nunca ouviu falar ou não sabe como funciona a pelota basca. Não por menos: o esporte é tão pouco difundido no Brasil que sequer tem quadras espalhada pelo país. Mesmo assim, a modalidade teve uma sexta-feira histórica com uma medalha de bronze que parecia impensável nos Jogos Pan-Americanos. E tudo graças a um ‘brasileiro’ que nunca pisou no Brasil.

Felipe Otheguy nasceu na França, mas é filho de uma mãe brasileira. Nunca pisou no Brasil, mas se apaixonou pelo que ouvia falar do país. E decidiu que seria uma boa ideia jogar o Pan com as cores verde e amarela que tanto gosta.

E fez história: mesmo venceu o boliviano Josias Bazo por 2 a 0 (10-6 e 10-3) para ficar com o bronze e subir ao pódio.

“Jogo para o Brasil porque minha mãe é brasileira, então tenho nacionalidade. Meu pai é basco e encontrou minha mãe quando foi ao Brasil uma vez. Eles foram viver juntos na França. Represento porque é o país da minha mãe, gosto muito das cores. Me apaixonei pelo país. Nunca fui, mas me apaixonei com minha mãe falando, explicando como é o país”, conta.

A mãe, claro, ficou emocionada ao saber que o filho havia escolhido defender seu país.

“Ela ficou muito contente, quase chorou. Me chama todo dia para saber como está”, diz.

Virou tão brasileira que garante torcer para a seleção canarinha mesmo nos confrontos contra a França. E lamenta que Neymar possa deixar o PSG depois de apenas duas temporadas em que se lesionou e pouco jogou,

Otheguy tem dificuldades até para falar o português, mas se vira bem porque também sabe falar espanhol. Mistura um pouco as línguas, mas se comunica perfeitamente.

“Faço uma mistura entre português e espanhol. Onde eu vivo, se fala basco e muito espanhol porque é perto da Espanha. Na minha casa se fala francês e português. Minha mãe fala em português, mas eu respondo em francês”, diz.

Com medalha ou sem, Felipe Otheguy tem só uma promessa a fazer:

“Eu vou conhecer o Brasil! Quero ir para Fortaleza visitar a família da minha mãe”.