<
>

NFL: Running back dos Browns que deixou emprego em barco de pesca para impressionar até LeBron na NFL

D'Ernest Johnson deixou um barco de pesca e o trabalho como personal trainer para brilhar na NFL.


Aparentemente, não passou um dia que D'Ernest Johnson não incomodasse Tim Ruskell, que tinha acabado de assumir a direção do Orlando Apollos da recém-formada Alliance of American Football League (Aliança da Liga Americana de Futebol).

"Eu sei que ele está cansado de receber minhas ligações", disse Johnson. "Eles já tinham todas os seus running backs. Mas eu continuava ligando. Todos os dias, 'Será que alguma coisa mudou? Vocês precisam de um running back?' A mesma coisa".

Johnson tinha acabado de passar as semanas anteriores em 2018 vivendo da pesca do mahi-mahi na costa de Key West, Flórida, tanto vendendo o peixe quanto levando turistas em excursões de pesca.

Conteúdo patrocinado por Claro, Mitsubishi, Samsung Galaxy, C6 Bank e Magalu

Apesar de uma brilhante carreira universitária no sul da Flórida, Johnson não foi draftado na NFL, em parte devido a um tempo muito lento de 4,81 segundos no tiro de 40 jardas.

Johnson, entretanto, não estava pronto para desistir do futebol americano, mesmo quando parecia que o esporte havia desistido dele. Sem conseguir falar com seu próprio agente, Johnson começou a enviar mensagens para os perfis das redes sociais dos times da AAF, incluindo os Apollos.

Então, através de um colega de faculdade que havia sido convidado para jogar pelos Apollos, Johnson conseguiu o número de telefone de Ruskell, que tinha sido GM do Seattle Seahawks entre 2005 e 2009, e que já estava sendo bombardeado com ligações e mensagens de jogadores procurando uma última chance. Mas, como diz Ruskell, a persistência de Johnson em pedir uma oportunidade "estava em outro nível".

"Essa insistência conseguiu o treino para ele, com certeza", lembra Ruskell. "Eu disse: 'Esse cara quer muito isso - temos que fazer alguma coisa'".

Essa persistência levou Johnson até a noite de uma quinta-feira em 21 de outubro.

Com os principais running backs do Cleveland Browns, Nick Chubb e Kareem Hunt, fora por estarem lesionados, Johnson correu por 146 jardas em sua primeira partida como titular da carreira na NFL, levando os Browns a uma vitória de 17-14 sobre o Denver Broncos em Cleveland.

Johnson marcou um touchdown no drive de abertura. Depois, no final do último quarto, ele finalizou os Broncos com uma jogada decisiva, superando um tackle e conseguindo o first-down em uma terceira descida longa.

"D'Ernest Johnson para mim é um guerreiro e um grande companheiro de equipe", disse o técnico Kevin Stefanski, que entregou a bola do jogo a Johnson enquanto ele era cercado por seus companheiros de equipe no vestiário após a partida. "O que ele lutou em sua carreira e depois ter uma noite como essa e terminar como ele fez... Achei simplesmente fantástico".

Para Johnson, a noite inteira ainda pareceu surreal. Seu ídolo na infância era LeBron James. Durante sua entrevista pós-jogo, Johnson ainda não sabia que James tinha tuitado sobre ele. Ele estava sem palavras. "Lebron? LeBron James..." ele ficou repetindo. Agora, ele planeja fazer uma grande impressão do tweet e emoldurar.

"Naquela noite, eu estava em choque", disse Johnson, que só conseguiu dormir às 5 da manhã por causa da adrenalina. "Tipo, isso tudo realmente aconteceu?"

A surpresa de Johnson é compreensível.

Depois de deixar o barco de pesca em agosto de 2018, ele se mudou para Gainesville, Flórida, e conseguiu um emprego como personal trainer, para que pudesse se exercitar na mesma academia por fora. Enquanto Johnson e sua namorada enviavam mensagens para perfis de times da AAF, sua mãe enviava e-mails a pessoas aleatórias ligadas a times da Liga Canadense de Futebol Americano.

Quando Johnson chegou ao campo de treinamento dos Apollos em janeiro, ele era o quinto running back. Mas sua garra, versatilidade e mãos rapidamente chamaram a atenção do treinador principal Steve Spurrier, o lendário ex-treinador do Florida Gators. Durante um dos primeiros treinos, Spurrier chamou Johnson.

"Ele disse: 'Qual é seu nome?'. Ele não sabia meu nome nem nada", disse Johnson. "Eu falei para ele e ele respondeu: 'OK, vou te chamar Ernie - bom trabalho, Ernie'".

Johnson entrou nos Apollos como o terceiro running back, mas acabou se tornando um dos melhores jogadores do campeonato.

"Ele pode não correr boas 40 jardas, mas sua explosão foi tão boa quanto a de qualquer um", disse Ruskell. "E toda vez que ele tinha seu nome chamado, seja no treino ou em qualquer parte do jogo, ele fazia alguma coisa. Ele simplesmente se destacava".

A AAF fecharia oito semanas após o início da temporada. Mas Johnson tinha material suficiente para que seu novo agente, Aston Wilson, conseguisse outro olhar da NFL e, finalmente, de Cleveland, com o qual ele assinou como free agent em 2019.

Johnson agora tem um lema pelo qual ele vive, que ele chama de "preparação lenta". Nada vem fácil e nada acontece rápido. O barco de pesca. As ligações para Ruskell. As mais de duas últimas temporadas sendo reserva de Chubb e Hunt, fazendo parte de special teams e se agarrando a essa posição delicada.

Antes do jogo contra Denver, Johnson pensou nessa história, e até assistiu a seu minidocumentário. E ele sabia que sua preparação lenta iria chegar ao fim. A insistência estava prestes a dar frutos.

"Ver até onde eu cheguei e saber o que foi preciso", disse Johnson. "A preparação lenta, você tem que confiar no processo, não importa pelo que você esteja passando. ... e acredite em si mesmo".