<
>

NFL: Aaron Rodgers tem só 89 interceptações em 6.587 passes com os Packers - e ele odeia cada uma delas

play
Com a NFL afunilando, Paulo Antunes faz seu top-5 dos quarterbacks que seguem em ação (4:46)

Semifinais de Conferência acontecem nesse final de semana, na ESPN e no ESPN App (4:46)

GREEN BAY, Wisconsin - Não é uma tarefa árdua assistir a todas as interceptações da carreira de Aaron Rodgers, quarterback do Green Bay Packers. Existem apenas 89 delas em 16 temporadas regulares da NFL, e a tecnologia está prontamente disponível.

Há uma, no entanto, que parece ter fugido dos arquivos do NFL GamePass (começou em 2009), do próprio banco de dados de vídeos da ESPN e até da infinidade do YouTube.

É a sétima interceptação da carreira de Rodgers. Foi em 2008, na primeira temporada do número 12 como titular.

Não há necessidade de vídeo, no entanto, quando Rodgers pode descrever exatamente como o ex-linebacker do Chicago Bears, Brian Urlacher, levou a melhor sobre ele.

"Ele me enganou", lembrou Rodgers para a ESPN na véspera de ano novo, enquanto voltava do Lambeau Field para casa. "Ele olhou para um lado e foi para o outro. Parecia que ele ia vir para cima, então ele girou e fez uma bela jogada. Não foi um grande passe de forma alguma, mas ele levou a melhor”.

Rodgers pode não ser capaz de recontar todas as 89 interceptações com tantos detalhes, mas sua lembrança, mesmo enquanto dirige para casa - com uma parada para pegar uma garrafa de Dom Perignon no caminho - diz duas coisas: quantas interceptações realmente são difíceis de esquecer e como ele lançou poucas na vida.

Quando ele alcançou a marca de 400 passes para touchdown na semana 13 desta temporada, Rodgers havia lançado apenas 88 interceptações. Ele não foi apenas o mais rápido a chegar nos 400 TDs, batendo Drew Brees por 12 jogos, ele foi o único que teve menos de 100 interceptações no momento em que atingiu a marca.

Ele disse que vai ver se consegue chegar a 500 antes de sofrer sua centésima interceptação, e ele realmente acredita que é possível.

"Eu falei sério quando disse isso", insistiu Rodgers.

Rodgers vai estrear nos playoffs desta temporada contra o Los Angeles Rams (com transmissão da ESPN às 18h35 deste sábado) vindo de uma temporada de 48 touchdowns e cinco interceptações. Seus 412 passes para touchdown e 89 interceptações na carreira aconteceram em 6.587 tentativas de passe na temporada regular.

"Ambos os números são igualmente impressionantes", disse o comentarista da ESPN, Matt Hasselbeck, que fez 212 touchdowns e 153 interceptações durante sua carreira de 17 anos na NFL. “Ter longevidade na NFL como QB por mais de uma década, uma frase em que acredito é esta: ‘Ter segurança com a bola é segurança no emprego'. Essa é uma das muitas razões pelas quais Aaron é consistentemente visto como um dos melhores do jogo”.

‘O Tim me pegou duas vezes?

Durante a maior parte de sua carreira, Rodgers deteve o recorde da NFL na proporção de touchdowns e interteptações. Atualmente, ele está em 4,63/1, mas agora está atrás de Patrick Mahomes, dos Chiefs (4,75/1).

Ele ainda possui o recorde da NFL de passes consecutivos sem interceptação em 402 - uma sequência que terminou com a interceptação de Eddie Jackson, do Chicago Bears, em uma bola que saiu das mãos do TE Jimmy Graham na semana 15 de 2019.

Rodgers também teve uma sequência de 251 passes consecutivos na temporada regula sem ser interceptado. A interceptação de número 73 veio na semana 1 de 2017 contra os Seahawks, quando Nazair Jones cortou um passe de screen.

"Na verdade, foi o meu primeiro snap na liga", disse Jones rindo. "Isso é que é muito louco. Ele realmente me acertou no rosto com a bola. A ponta da bola me acertou no olho. Ficou inchado por um tempo.

Jones é um dos dois jogadores cuja única interceptação na carreira veio contra Rodgers. Quando questionado se ele poderia nomear algum deles, Rodgers inicialmente ficou perplexo.

"Chase Blackburn é um deles?" Rodgers questiona.

Blackburn é responsável pela interceptação de número 37 da carreira de Rodgers. Aconteceu na semana 13 de 2011. Essa foi uma das quatro interceptações de sua carreira.

"Bem, um deles é o garoto de Seattle naquele screen", Rodgers então lembrou, se referindo a Jones.

Quando informado que a outra foi a interceptação de número 4 na semana 4 de 2008 contra os Buccaneers, Rodgers imediatamente lembrou das circunstâncias.

"Sim, quando estávamos tentando virar o jogo, [mas] não me lembro quem foi", disse Rodgers, esquecendo-se de que se tratava de Gaines Adams, que morreu em janeiro do ano passado por conta de uma parada cardíaca.

Seis jogadores possuem múltiplas interceptações às custas de Rodgers.

Ele imediatamente nomeou Urlacher como um deles e depois de pensar por alguns segundos acrescentou: "Eu sei que tem outro... Bacarri Rambo me interceptou duas vezes", disse ele se referindo às interceptações de número 56 e 57 contra os Bills na semana 15 de 2014.

Ele então adivinhou Tanard Jackson de Tampa Bay, mas Jackson tem apenas uma interceptação, a de número 19, que aconteceu na semana 9 de 2009. E foi um pick-six.

Quando foi dito que dois jogadores além de Rambo também o interceotaram no mesmo jogo, isso mexeu com a memória de Rodgers.

"Ah sim, Greg [Jennings] [ex-recebedor do Packers] escorregou em uma, e errei um passe na lateral [na outra]", disse Rodgers sobre as interceptações de número 8 e 9 na semana 12 de 2008 pelas mãos Jason David, dos Saints.

Quando Janoris Jenkins dos Giants o interceptou duas vezes (67 e 68 na semana 5 de 2016), ele disse: "Teve o desvio [das mãos do ex-recebedor dos Packers, Jordy Nelson] e a teve a outra".

Os outros foram Elbert Mack de Tampa Bay com as interceptações de número 17 (semana 9, 2009) e 36 (semana 11, 2011) e Tim Jennings de Chicago com os números 40 (semana 2, 2012) e 52 (semana 17, 2013).

"Tim me interceptou duas vezes?", Rodgers disse com surpresa em sua voz. "Eu me lembro de uma em 2013, mas não da outra”.

Rodgers tem apenas três interceptações retornadas para TD na carreira: número 19 pelas mãos de Jackson, de Tampa, número 75 pelas mãos de William Jackson, de Cincinnati (semana 3 de 2017) e número 85 pelas mãos de Jamel Dean, de Tampa Bay (semana 6 de 2020).

Das 89 interceptações de Rodgers, 24 foram desviadas - 14 bateram nas mãos dos dos recebedores e 10 foram desviadas por um defensor ou a parte do corpo de um jogador do Packers.

Contando os playoffs, onde Rodgers tem 40 touchdowns e 12 interceptações em 18 partidas, apenas Urlacher interceptou Rodgers três vezes.

Interceptações não são legais

Rodgers descobriu cedo o quanto os treinadores odiavam interceptações.

Como quarterback em seu segundo ano na Pleasant Valley High School em Chico, Califórnia, Rodgers teve um péssimo número de interceptações.

Entra Ron Souza, o coordenador ofensivo do time naquela temporada.

"Acho que ele sentiu naquele momento que eu jogaria melhor sabendo que, se continuasse sofrendo turnovers, eu iria para o banco, mesmo que não houvesse nenhuma chance porque não havia outro QB no time que pudesse jogar", Rodgers disse. "Mas era apenas sua maneira de me motivar e dizer: 'Isso não é bom o suficiente, se você não começar a mudar isso, iremos com outra pessoa’”.

Souza disse a Rodgers que 90% das interceptações ocorreram por causa de leituras ruins pré-snap, então a primeira coisa que Rodgers precisava fazer era entender o que as defesas adversárias queriam fazer.

Isso não demorou muito.

“Ele tem memória fotográfica e quando você olha para os quarterbacks, o ideal é que ele tenha isso”, disse Souza. "Se você sabe o que a defesa está fazendo, reduz suas chances de interceptação para 10%”.

Esses 10%, acredita Souza, se resumem a não forçar o passe. E foi aí que Rodgers teve problemas no segundo ano.

"Estava tudo certo na leitura pré-snap, mas ele estava tentando forçar", disse Souza. "Então, literalmente, martelamos nisso todos os dias. Desde muito jovem, isso foi trabalhado com ele”.

O objetivo de Rodgers sempre foi jogar futebol americano universitário e quando ele olhou para as estatísticas dos QBs na ‘Rival’s 100 list’ - a única fonte de recrutamento que ele conhecia na época - ele percebeu um padrão.

“Todos esses caras tiveram uma tonelada de touchdowns e não muitas interceptações, e eu estava pensando que era a única coisa que tenho feito que os outros não têm - isso é: lançar muitas interceptações”, disse Rodgers. "Então, no meu último ano, cuidei muito melhor da bola. Não me lembro exatamente com quantos touchdowns terminei, mas minhas interceptações foram diminuindo”.

No Butte College, sua única temporada na faculdade, Rodgers lançou 28 touchdowns e apenas quatro interceptações. Em Cal, ele sofreu cinco interceptações em sua primeira temporada e oito na segunda antes de entrar na NFL.

Ele teve duas temporadas na NFL com mais de 10 interceptações: 13 em 2008 e 11 em 2010.

‘Pecado mortal’

Podem ter sido as palavras de Souza que vieram à mente, ao invés do ex-técnico de QBs/coordenador ofensivo dos Packers, Tom Clements, quando Rodgers lançou sua interceptação mais recente na semana 16 contra os Titans

A interceptação de número 89 quebrou uma das primeiras regras que Rodgers aprendeu, e ele percebeu imediatamente.

"Tudo o que eu estava pensando era na voz de Tom Clements na minha cabeça. Eu cometi um dos pecados mortais do QB", disse Rodgers após o jogo.

Na verdade, ele quebrou dois deles: lançar a bola para o meio do campo com em uma jogada demorada e lançar contra o movimento do corpo.

"Quando ele lançou aquela interceptação, não me lembro o que ele gritou, acho que foi um palavrão, mas ele soube imediatamente quando a bola saiu da sua mão", disse o center dos Packers, Corey Linsley. "Não sei o que aconteceu, mas ele sabia qual seria o resultado final assim que a bola deixou de tocar seus dedos”.

Rodgers lembra o que gritou.

“Acho que provavelmente foi 'merd*'”, disse ele. "Eu estava chateado comigo mesmo porque eu sei que é um pecado mortal. Foi desnecessário também. O jogo estava 33-14 e eu estava correndo para a direita. Eu deveria ter jogado a bola fora.

"Nossa defesa está jogando bem. Foi apenas um movimento de impulso desnecessário. Eu simplesmente não faço isso com frequência, por isso que eu fiquei chateado”.

‘Anti-Favre’

Na semana passada, Rodgers apareceu em um programa de rádio apresentado pelo ex-quarterback dos Packers, Brett Favre. No ar, Favre disse a Rodgers: "Você está quebrando todos os meus recordes e quebrando meu coração no processo”.

Nem todo recorde.

Apenas duas semanas após Favre estabelecer o recorde de todos os tempos de passes para touchdown da NFL (um Tom Brady agora é o dono com 581), ele estabeleceu o recorde de mais interceptações na carreira (um que ele ainda possui com 336).

Rodgers viu em primeira mão a pior temporada em termos de interceptações de Favre. Ele era calouro em 2005, quando Favre lançou 29 interceptações, pior marca de sua carreira.

"Foi definitivamente muito interessante estar lá naquele ano", disse Rodgers sobre uma temporada de 4 vitórias e 12 derrotas cheia de lesões, após a qual o técnico Mike Sherman foi demitido. "Favre estava jogando da maneira que sempre jogou, onde ele correr riscos, e nós tentávamos recuperar a desvantagem nesses jogos. Foi um ano difícil”.

Rodgers nunca viu o pior jogo de Favre – um desastre de seis interceptações (três foram retornadas para touchdowns) em uma derrota nos playoffs para os Rams, após a qual Favre disse a famosa frase: "Eu poderia ter lançado oito se tivéssemos recuperado a bola”.

"O que se destaca para mim é que sempre me orgulhei de ser pouco interceptado, mas também de fazer por onde", disse Rodgers. "Eu não sinto que tive uma tonelada de interceptações que o defensor falhou. Tem aquela de 2018 que o Kyle Fuller, eu o acertei e deveria ter sido interceptado, mas não aconteceu. Só não sinto que isso tenha acontecido com frequência ao longo dos anos”.