<
>

Mahomes empolga, Wentz decepciona: os melhores (e piores) quarterbacks da NFL em 2020

Conteúdo patrocinado por MItsubishi, Samsung, C6 Bank e Magazine Luiza

A primeira metade da temporada da NFL teve, de várias formas, a melhor sequência de jogos de quarterbacks na história da liga. Por isso, vamos premiar os QBs que brilharam em um 2020 extremamente movimentado.

Vamos tentar manter um equilíbrio, sabendo que há vários jogadores atuando em nível de MVP e alguns calouros dignos do prêmio de melhor do ano.

Melhor QB do ano, candidato número 1: Russell Wilson, Seattle Seahawks

Wilson é o jogador com mais passes para touchdown na NFL e tem o segundo melhor começo de temporada em TDs lançados na história da liga - perdendo só para o que Tom Brady fez em 2007.

Por enquanto, podemos dizer que ele se especializou na arte do pocket caótico. Foi pressionado em 35,9% das vezes em que recuou para o passe, terceiro maior número da NFL, também por segurar a bola por 2.94 segundos antes de lançar - o quinto maior tempo da liga. As defesas da NFL tentam tirar quarterbacks do ritmo, mas Wilson desenvolveu a habilidade de improvisar melhor do que qualquer outro QB.


Melhor QB do ano, candidato número 2: Patrick Mahomes, Kansas City Chiefs

As expectativas são muito altas para Mahomes, que fez 25 anos no começo da temporada, tão altas que poucos percebem que ele tem números melhores do que quando foi MVP em 2018. São 25 touchdowns e só uma interceptação, a melhor média da história da liga depois de metade da temporada.

A única observação negativa que podemos fazer é que seis dos passes para TD saíram de jogadas de screen, três vezes mais do que qualquer outro QB, já que os Chiefs aproveitam a velocidade de seus jogadores. Mas alguém precisa fazer a bola chegar lá, certo?


Melhor lançamento: Ben Roethlisberger, Pittsburgh Steelers

Havia certa apreensão sobre o braço de Roethlisberger quando a temporada começou. A temporada de 2019 dele terminou mais cedo por conta de uma cirurgia no cotovelo e, aos 38 anos de idade, era justo questionar se ele conseguiria voltar ao nível anterior. E essas questões foram completamente respondidas.

Se há alguma dúvida, olhe o passe de 28 jardas que ele fez para Chase Claypool na semana 1 contra o New York Giants.

Com os Steelers enfrentando uma terceira para 9, Claypool conseguiu um pouco de espaço na lateral de campo contra o cornerback James Bradberry. Julian Love correu para ajudar, mas Roethlisberger encontrou o ombro esquerdo de Claypool. O NFL Next Gen listou a jogada como o quarto passe mais improvável de ser completo na temporada, já que Claypool estava a apenas 0.2 jarda da lateral do campo quando recebeu a bola.


Calouro do Ano em ascensão: Justin Herbert, Los Angeles Chargers

Joe Burrow tem sido heróico como titular dos Bengals e é um dos líderes da NFL em jardas totais, o que colocaria a primeira escolha do draft como um dos favoritos ao prêmio. Mas os eleitores vão precisar olhar bem para Herbert, que ganhou a titularidade na semana 2.

Herbert é excepcional em jogadas mais longas. Ele solta o braço e é um dos líderes da liga em pases para touchdown em que a bola voou por pelo menos 15 jardas - além de ser o primeiro no ranking de TDs acima de 20 jardas.

Os Chargers seguem perdendo jogos de forma inacreditável, como aconteceu contra os Raiders na semana 9. Mas mesmo se não vencerem qualquer outro jogo na temporada, podem ficar confiantes de que acertaram na loteria dos quarterbacks.

Estreia mais irrelevante: Tua Tagovailoa, Miami Dolphins

É impossível pedir mais ajuda do que Tua teve em sua estreia na NFL. Com atuação dominante da defesa e dos special teams, o calouro pouco precisou fazer na vitória por 28 a 17 sobre os Rams na semana 8.

Tua somou apenas 93 jardas em 22 passes tentados, a menor marca de qualquer QB titular em uma vitória na temporada. E só três passes viajaram pelo menos 15 jardas. Ele também foi o primeiro a lançar para menos de 100 jardas e vencer sua estreia em 21 anos - Donovan McNabb havia sido o último, em 1999.


Prêmio ‘Me Deixem em Paz’: Baker Mayfield, Cleveland Browns

Mayfield tem gerado algumas das discussões mais polarizadas da NFL nesta temporada. Ele consegue ir além da primeira leitura? É melhor sem Odell Beckham Jr. em campo? Está prestes a ‘explodir’?

No papel, ao menos, uma coisa está clara. Ele tem sido um dos melhores quarterbacks da liga quando não é pressionado… e um dos piores quando é.

Quando não fica sob pressão, ele acerta 67,4% dos passes e conseguiu 13 dos 15 touchdowns que lançou. Quando pressionado, além de ter só dois TDs, só completa 41,3% dos passses e foi interceptado três vezes.

Maior decepção, candidato número 1: Carson Wentz, Philadelphia Eagles

Muitas pessoas não percebem isso, mas o líder da NFL em turnovers é Wentz, e não Daniel Jones, a máquina de erros dos Giants. Wentz foi interceptado 12 vezes e perdeu quatro de seus sete fumbles, somando 16 turnovers na temporada.

Nada mais deveria importar na forma como Wentz tem jogado, nem mesmo se ele acertar um passe perfeito em um momento chave, como fez na jogada da vitória na semana 7 contra os Giants. Na verdade, os Eagles têm sorte de que ele não está atrapalhando o time ainda mais. Ou seja, poderia ser pior.

Maior decepção, candidato número 2: Kirk Cousins, Minnesota Vikings

Se você fica frustrado vendo Wentz cometer erros, o que acha de Cousins, em seu 9º ano na NFL, fazer praticamente a mesma coisa?

Cousins era uma máquina de turnovers no começo de sua carreira, antes mesmo de se tornar um titular na liga. Entre 2015 e 2018, ele cometeu 64 deles, quinta maior marca da NFL neste período. Ele conseguiu colocar os erros sob controle em 2019, com apenas nove na temporada, mas voltou ao nível anterior em 2020.

Está claro o que os Vikings decidiram fazer depois da semana de folga. Com Dalvin Cook de volta, Cousins deixou de ser o foco do ataque. Contra os Packers, na primeira partida depois do bye, Cousins teve uma média de 1,79 jardas aéreas por passe, a segunda menor marca para jogadores com pelo menos 10 tentativas nas últimas 15 temporadas. Enquanto Cook somou 226 jardas e quatro touchdowns, e o passe mais longo de Cousins foi válido para apenas oito jardas.