<
>

O que as camisas de Brady significam para ele e como lições formaram o maior campeão da história da NFL

play
Semana 6 da NFL: Paulo Antunes fica otimista com Tampa, tira o chapéu para Tannehill e se preocupa com New England (4:01)

Comentarista também analisou partida 'terrível' de Kirk Cousins e volta por cima da defesa dos 49ers (4:01)

Conteúdo patrocinado por Mitsubishi, Samsung, C6 Bank e Magazine Luiza

TAMPA, Flórida - Cada camisa que o quarterback do Tampa Bay Buccaneers, Tom Brady, usou em seus 43 anos tem significado - não apenas em seus deslumbrantes 21 anos de carreira profissional na NFL que lhe rendera seis anéis de campeão do Super Bowl com o New England Patriots, mas seu tempo como um torcedor do San Francisco 49ers, seus anos na Junipero Serra High School e sua passagem na Universidade de Michigan.

Foi com a camisa de Joe Montana que ele teve o sonho de um dia jogar na NFL e com a camisa do Serra High que ele começou a cultivar seu talento. No azul de Michigan, ele aprendeu a trabalhar duro, e com sua camiseta dos Patriots, aprendeu a aproveitar o momento - aquele que não foi dado a ele, mas conquistado e merecido. E agora, com sua camisa dos Buccaneers, ele aprendeu o que significa começar de novo e tentar algo novo.

A ESPN conversou com Brady, como parte de sua nova parceria com a Fanatics Authentic, a divisão de colecionáveis ​​da Fanatics. Nesta entrevista exclusiva, Brady falou sobre sua jornada de torcedor a ícone e o significado das lições que aprendeu durante cada um desses capítulos de sua vida.

Você vestiu tantas camisas ao longo dos anos, desde o momento em que começou a jogar, e mesmo quando era torcedor, até agora. Posso imaginar que existem diferentes sentimentos que você associa a cada uma.

Brady: Quando você é criança, você meio que escolhe seus times, e geralmente é o time da cidade em que você cresce. Eu tinha minhas camisas do San Francisco 49ers e do San Francisco Giants (MLB). E então, quando você entra no ensino médio, você começa a usar as roupas da escola que está representando, que para mim era uma escola chamada [Junipero] Serra High School, que ficava na Bay Area.

Quando eu fui para Michigan, eu só usava as cores de Michigan. Era menos Niners, Giants e mais a escola que representei. E então, as únicas que usei desde então foram as dos Patriots e agora as de Tampa, que usei nas últimas seis semanas. Eu sinto que a transição de torcer para os times e então representar outros tem sido muito legal para mim, até hoje. Eu amo usar a camisa dos Bucs – temos apenas que criar grandes memórias com ela.

Voltando a quando você era criança, o que significava para você usar a camisa do seu ídolo Joe Montana? O que esse nome e camisa representam para você? O que você lembra daqueles jogos no Candlestick?

Brady: Ele era o cara. Sendo uma criança nos anos 80 na área de San Francisco, você torce para os Niners. Minha mãe amava o Joe Montana. Então era ele que eu queria ser no Halloween. Eu tinha algumas camisas legais. Todas as crianças tinham. Quer dizer, eles ganharam Super Bowls. Isso é o que você usava no Super Bowl no domingo. Eu tinha três irmãs mais velhas e sempre tínhamos que escolher quem iria aos jogos - só tínhamos quatro ingressos - e sempre descobri uma maneira de convencer minhas irmãs a me deixarem ir. Geralmente era eu, meus pais e uma de minhas irmãs. Mas eu simplesmente amava estar no estacionamento, vestindo minha camisa, jogando bola antes do jogo e ir ver os Niners, sempre esperando uma vitória.

What a magical time in my life! Sad to see Candlestick go. #tbt

Publicado por Tom Brady em Quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Essa foi minha infância. Era tão centrada nos esportes ... e baseado em times que eram muito bons na época. Cultivou o amor pelo esporte apenas por ser um torcedor, como tantas crianças são. Até mesmo as cidades universitárias - elas apoiam suas equipes e, profissionalmente, quando ganham, também apoiam - esse é o objetivo para nós, como atletas profissionais, fazer com que nossos torcedores realmente participem, porque é uma grande vantagem quando eles torcem.

Qual foi o seu sentimento quando vestiu pela primeira vez uma camisa com “Brady” escrito nas costas?

Brady: Foi legal. Isso não acontece muito na escola primária. Uma vez eu acho que teve um time all-star onde eu joguei - acho que eu devia ter uns 12 anos, porque geralmente você veste o uniforme ao longo do ano e devolve no fim do ano, eles lavam e preparam para o ano seguinte. Essa foi a primeira camisa que eu acabei levando para casa e que tinha o meu nome... foi legal.

Ele assume um significado um pouco diferente, você sente que está jogando como os profissionais. Mesmo quando você tem 12 anos e está jogando em times famosos, você merece isso - não é como se você simplesmente se inscrevesse para jogar. Acho que isso é definitivamente parte do processo de crescimento dos atletas, à medida que avançam de ligas do tipo "todos participam" para aquelas em que você está atingindo diferentes níveis. Então, essa é uma das coisas que você percebe.

Um de seus ex-companheiros de equipe, David Terrell, me disse que sua experiência em Michigan - sendo o sétimo quarterback do time - moldou você. O que você sentiu ao vestir aquela camisa de Michigan?

Brady: Foi bom para mim, porque foi uma carreira difícil na faculdade. Foi diferente - talvez eu tenha criado expectativas surreais para mim e pensei que iria entrar e sair jogando. Mas a realidade é que, na faculdade, você tem que conquistar as coisas. E então eu realmente tive que lutar muito pela oportunidade de jogar, o que me ajudou muito quando me tornei profissional. Eu ainda vejo da mesma forma.

Ainda sinto que meu lugar precisa ser conquistado, e não se trata de "Eu sou fulano de tal. Fiz isso. Fiz aquilo". Eu sei que tenho que ir lá e lutar pela oportunidade de jogar. Parece loucura, sabe, "Nossa, ele teve tanto sucesso”. Mas nada disso importa este ano. Você tem que ganhar todo ano. Você tem que trabalhar todos os anos. Você tem que tratar todo ano como se fosse o seu primeiro. Você tem que ganhar respeito a cada ano. O trabalho nunca para.

E não sei em que outro aspecto da vida deveria funcionar assim. Não funciona assim com seus filhos. Não funciona assim nos relacionamentos. Não funciona assim em uma carreira de negócios. Você simplesmente não pode pensar, "Bem, eu me saí muito bem há três anos". É tipo, "Não, eu tenho que fazer isso todos os anos". Quando você tem essa abordagem, eu acho que te beneficia, porque muitas outras pessoas não estão olhando para isso dessa forma. Muitas outras pessoas simplesmente pensam: "Ah, eu fiz isso então vou continuar bem”. Não é assim.

Falando em trabalhar como se fosse seu primeiro ano, você disse a Robert Kraft como um rookie em 2000, depois que ele o draftou: "Você não vai se arrepender de me escolher". O que lhe deu esse nível de confiança na primeira vez que vestiu a camisa dos Patriots?

Brady: Eu estava pensando, "Você me escolheu. Não vou te decepcionar. E vou garantir de que foi uma ótima escolha para você”. Ele gostou disso. E espero que eu tenha cumprido isso. ... Acho que o que acontece com os jogadores quando chegam ao próximo nível é que eles nunca passam de amador para profissional. O que se torna um profissional - seus hábitos diários, sua tomada de decisão. Quando você é criança, quando você é um amador, é um nível diferente de expectativa, é um nível diferente de comprometimento, é um nível diferente de disciplina, é um nível diferente de determinação. Quando você se torna um profissional, fica por sua conta. Porque é seu trabalho aproveitar a oportunidade, em vez de depender de outra pessoa.

Acho que é aí que a maioria dos atletas falha, porque não entendem isso. Vejo caras que são os mais talentosos e que nunca aprendem essas lições. E no final, torna-se uma carreira muito decepcionante porque eles tiveram um desempenho inferior ao que talvez seu potencial pudesse ser. Mas muitas vezes olhamos para o físico e determinamos a expectativa, em vez de olharmos para o mental e desenvolvermos uma expectativa.

Quando se pode combinar o físico e o mental, é quando se consegue jogadores realmente únicos, aqueles que dizem: "Cara, eu sei que tenho a capacidade física, mas vou ter que trabalhar para melhorá-la, fazer faz parte da minha vida, do meu estilo de vida, e não deixarei ninguém atrapalhar meus objetivos. Vou priorizar isso e tomar ótimas decisões com base no que quero alcançar na minha carreira”. Frequentemente, você olha para o corpo pensa: "Cara, ele tem todo o potencial". Mas não se ele não tiver desenvolvido o mental e o emocional, vai sempre ficar aquém.

E que tal colocar uma camisa dos Bucs pela primeira vez? É uma temporada de mudanças para você e mudanças podem ser assustadoras, como fazer algo novo pela primeira vez aos 43 anos.

Brady: A primeira vez que fiz isso foi em uma sessão de fotos - uma sessão promocional para os Bucs. Eu vou dizer, demorou um pouco para se acostumar. A primeira vez que saí para o treino com uma camiseta de cor diferente, foi como, "Oh, isso é diferente."

Mas agora que estou há seis semanas já, parece normal. É o que sempre foi. Isso é o que eu sempre fiz. Eu me preparo para ir treinar, e quero fazer um ótimo trabalho. Então agora eu diria, depois de um pouco de tempo, parece que: "Isso é o que eu faço”. É ótimo. Gostaria que estivéssemos 5-0 na temporada, mas não estamos – porque não merecemos estar. A temporada vai ser o que fizermos dela. Cada vez que eu uso [a camisa], eu vou competir pra valer para que possamos vencer partidas.