<
>

Quarterback dos Vikings, Kirk Cousins fala sobre o coronavírus: 'Se eu morrer, morri'

play
Campeão da NFL pelo Kansas City Chiefs, Patrick Mahomes recebe anel do Super Bowl com 255 diamantes e 36 rubis (0:27)

Via Twitter @Chiefs | Equipe fez cerimônia no Arrowhead Stadium na última terça-feira (0:27)

Kirk Cousins disse que está adotando uma abordagem de "sobrevivência do mais apto" para o coronavírus, mesmo que isso custe a sua vida.

"Se eu morrer, morri", disse o quarterback do Minnesota Vikings na NFL durante uma entrevista recente no podcast "10 perguntas com Kyle Brandt", do Spotify. "Eu estou em paz em relação a isso”.

Cousins indicou durante a entrevista, publicada na última quarta-feira, que não acredita que as máscaras funcionem para ajudar a prevenir a disseminação da COVID-19, mas ele disse várias vezes que também tentou respeitar as "preocupações" dos outros sobre o vírus.

Brandt pediu a Cousins que avaliasse seu nível de preocupação em contrair o vírus em uma escala de 1 a 10, com 1 sendo "a pessoa que diz: 'Máscaras são estúpidas’ e 10 sendo, 'Eu não vou sair do meu banheiro pelos próximos 10 anos’”.

Cousins respondeu: "Não vou chamar ninguém de estúpido porque isso me traria problemas. Mas estou com cerca de 0,000001".

Quando solicitado a elaborar essa resposta, Cousins disse:

“Eu quero respeitar as preocupações das outras pessoas. Para mim, pessoalmente, eu vou cuidar da minha própria vida. Se eu for infectado, vou aguentar. Vou deixar a natureza seguir seu curso. A sobrevivência do mais apto. E vou dizer, se fizer mal, me fez mal. Mesmo se eu morrer. Se eu morrer, eu morri. Eu estou em paz quanto a isso”.

Cousins continuou a dizer que, para ele, usar uma máscara "é realmente uma questão de respeitar as outras pessoas.

"Realmente não tem nada a ver com o que eu acho", disse ele.

No início do podcast, Cousins foi questionado sobre qual seria a reação geral se um colega espirrasse enquanto estivesse no huddle.

“Eu até acho que dentro da organização vai ter gente que não se importa com o vírus, que não se preocupam com ele, que nunca perderam um minuto de sono com isso”, disse ele. "E então você tem pessoas do outro lado do espectro que, a cada segundo de cada dia, são consumidas pelo medo.

"O que você não sabe é quem está em qual espectro”, disse o QB.

A NFL atualizou seus protocolos nos dias de jogos, exigindo que cada treinador e membro da equipe na área do banco usem uma máscara, além de reduzir o número de pessoas que a equipe pode levar em viagens.

A liga e a Associação de Jogadores anunciaram na terça-feira que 10 jogadores e outros membros de equipe testaram positivo para o vírus durante o último período de testes da liga, de 21 a 29 de agosto.

De acordo com os dados, 8.739 jogadores e funcionários realizaram 58.621 testes durante o período de 21 a 29 de agosto. Isso incluiu 23.279 testes para 2.747 jogadores e 35.342 para 5.992 membros de equipes.