<
>

Na NFL, Aaron Donald, dos Rams, reprova ideia de atuar com portões fechados: 'Você precisa de fãs para jogar uma partida'

play
Tom Brady se emociona ao falar de seu herói e diz como lida com os 'haters': 'Devolvemos amor, não ódio' (0:47)

Dois vídeos que mostram o posicionamento do quarterback dos Buccaneers sobre temas importantes (0:47)

Enquanto a NFL e as demais ligas norte-americanas analisam as opções para retomar os campeonatos com segurança durante a pandemia do coronavírus, o defensive tackle do Los Angeles Rams Aaron Donald disse que não é fã da ideia de jogar sem torcida.

"Você precisa de fãs para jogar uma partida", disse Donald, nesta quinta-feira (21), durante uma videoconferência com repórteres. "Eu não vejo como você pode fazer um jogo sem fãs. Sinto que isso tira a excitação e a diversão do jogo...

"Acho que os fãs são o que te levanta. A torcida é deixa o jogo excitante. Eles te dão aquela energia extra quando você está cansado e fatigado, quando você faz aquela big play e ouve 80 mil pessoas indo à loucura. Isso, simplesmente, tem um efeito em você".

Os Rams estão escalados para a abrir a sua temporada regular na NFL contra os Cowboys, em 13 de setembro, no novo SoFi Stadium.

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, disse nesta semana que os esportes profissionais poderiam começar a voltar "lá para a rimeira semana de junho" com portões fechados.

A NFL permitiu que as franquias reabrissem suas instalações nesta semana com um staff reduzido, sem incluir treinadores e jogadores. No entanto, os Rams seguem com os trabalhos interrompidos (com exceção de jogadores que estão em trabalho de reabilitação) por causa das rigorosas normas estaduais que ainda precisam ser levantadas.

Duas vezes Jogador de Defesa do Ano na NFL, Donald tem treinado na academia do porão de sua casa de infância em Pittsburgh. Ele disse que está pronto para o início da temporada, mas espera que a torcida esteja lá para torcer por ele.

"Você treina, treina e treina. E então você de prepara para jogar uma partida e estar no grande palco, de frente para o público", disse. "Simplesmente sem graça [sem os fãs]. Não seria divertido para mim. Não acho que seria divertido jogar sem eles".