<
>

As notas para os cinco times que mais acertaram - e os cinco que erraram - no Draft de 2020 da NFL

play
Curti analisa 1ª rodada do Draft da NFL, surpresa dos Packers com Jordan Love e 'histórico difícil' de Aaron Rodgers (2:28)

Mesmo tendo um quarterback campeão, Green Bay decidiu já escolher um possível sucessor (2:28)

O Draft de 2020 da NFL chegou, passou e foi… interessante.

Green Bay surpreendeu a todos selecionando um quarterback na primeira rodada. Cincinnati e Washington, donos das primeiras escolhas, não saíram do esperado.

Mas quem mais acertou no recrutamento? E quem errou? Aqui vão as cinco melhores e as cinco piores notas do Draft de 2020.

Os Melhores

Baltimore Ravens: A

Olhe para o elenco dos Ravens. Onde estão os maiores problemas? Middle linebacker, com certeza. Talvez um wide receiver. Um guard para substituir Marshal Yanda. Mas é só isso.

Os Ravens apostaram em um linebacker com a escolha 28 que já foi chamado por Lamar Jackson de “Ray Lewis Jr.”, e nem precisaram fazer um troca para selecioná-lo. Patrick Queen teve pouca experiência em LSU, mas seu talento é indiscutível.

O general manager Eric DeCosta fez mais um ótimo draft. Vamos ver Baltimore brigand pelo Super Bowl mais uma vez.


Indianapolis Colts: A-

É fácil esquecer que os Colts só chegaram aos playoffs em uma das últimas cinco temporadas. Antes da campanha de 2019, havia muita expectativa. Mas a aposentadoria de Andrew Luck pegou o time de surpresa, e Jacoby Brissett terminou sua primeira temporada como titular com 7 vitórias e 9 derrotas.

Mesmo assim, o general manager Chris Ballard segue fazendo um bom trabalho reforçando o elenco desde que assumiu o time em 2017. Mas e neste ano?

O destaque vai para o wide receiver Michael Pittman Jr., que pode ser o principal alvo de Philip Rivers nos Colts e tem semelhanças com JuJu Smith-Schuster, do Pittsburgh Steelers. Se será o bastante para Indy voltar aos playoffs? É possível. O time vai brigar pelo título da AFC Sul contra Tennessee e Houston.


Minnesota Vikings: A-

Minnesota começou o draft com 12 escolhas para fazer e terminou com 15 feitas e outras três extras para 2021. Com tantos recursos, é impossível não receber ao menos uma nota A-.

A troca de Stefon Diggs também se tornou algo positive. O wide receiver queria sair dos Vikings, e o time conseguiu a escolha 22 dos Bills – e já substituiu Diggs com Justin Jefferson, que vai ajudar muito Kirk Cousins saindo do slot.


Dallas Cowboys: B+

Jason Garrett, que treinava os Cowboys desde 2010, deixou o time depois de uma campanha 8-8. O ataque do time não pode receber a culpa: Dak Prescott jogou como uma superestrela, Ezekiel Elliott e Amari Cooper tiveram uma grande temporada.

O problema era a defesa. Dallas somou apenas sete interceptações em 2019, a pior marca da NFL. Então, foi uma surpresa boa ao ver que os Cowboys seguiram com o plano e escolheram o melhor jogador disponível na 17ª posição, quando o wide receiver CeeDee Lamb caiu no colo de Dallas.

O ataque será um dos melhores da NFL mais uma vez, com Lamb ao lado de Cooper e Michael Gallup. A defesa ainda precisa evoluir, mas o time merece receber o crédito por reforçar o que tem de melhor.


Cincinnati Bengals: B+

Ok, os Bengals não vencem um jogo de playoff desde 1990, a maior seca da NFL atualmente. E eles não selecionam um jogador de Pro Bowl desde 2013, também a maior seca da NFL (ao lado dos Patriots!). No ano passado, a escolha de primeira rodada, o offensive tackle Jonah Williams, não jogou nenhum snap. E o time venceu 2 jogos na temporada.

Mas Joe Burrow, a primeira escolha do Draft de 2020, é o quarterback para ajudar os Bengals a seguirem em frente.

Sua ascensão de um jogador de quinta ou sexta rodada foi incrível. Ele melhorou muito em 2019 e, no final da temporada, deixou claro que seria a primeira escolha. Burrow tem aquele ‘fator X’, e mal Podemos esperar pelo que ele irá faze rem 2020. Os Bengals ainda conseguiram uma arma para o novo QB, escolhendo o wide receiver Tee Higgins no começo da segunda rodada. Cincinnati não deve vencer muitos jogos, mas vai ser divertido ver o time em campo.

Os Piores

New Orleans Saints: C+

Os Saints não tratam o draft como os outros times. Não que seja de uma forma pior, só diferente. Eles não se importam em trocar escolhas futuras para subir em busca do jogador que querem. Fizeram isso por Alvin Kamara há alguns anos. Fizeram isso por Marcus Davenport…

Entraram neste draft com apenas cinco escolhas, menor quantidade de toda a liga, exatamente pelas trocas que fizeram no passado.

E como eles foram? Bom, eles acabaram fazendo só quatro escolhas…


Tennessee Titans: C+

Os Titans surpreenderam e chegaram à final da AFC na temporada passada, passando pelos Patriots no caminho, e fizeram isso com um quarterback eficiente, um jogo terrestre forte e uma defesa espetacular. E a escolha do time na primeira rodada mostrou que o plano segue sendo o mesmo em 2020.

O offensive tackle Isaiah Wilson, 29ª escolha geral, não era visto como um jogador de primeira rodada, apesar de ter potencial para isso – mas a questão é se ele será capaz de ser titular como right tackle.

Wilson ainda é um projeto que precisa melhorar sua técnica, o que pode acontecer com um bom trabalho de seu novo time. Mas foi surpreendente ver que os Titans não foram em busca de um edge rusher.


Washington Redskins: C+

Com um novo treinador, vem uma nova mudança brusca no elenco, e Ron Rivera tem trabalhado duro para atrair veteranos para Washington. No draft, os Redskins só tinham uma escolha nas duas primeiras rodadas: a segunda.

Não é uma surpresa dizer que Washington pegou a principal promessa desta classe, o edge rusher Chase Young, um dos defensores mais preparados para a NFL na última década. Sim, são quatro escolhas de linha defensiva em primeiras rodadas nos últimos quatro anos, mas o time não poderia deixar Young passar.

A decisão foi óbvia com Young, e sem escolhas na segunda rodada, a nota de Washington não poderia ser tão empolgante.


Atlanta Falcons: C

A escolha mais surpreendente do primeiro dia do draft foi quando Atlanta selecionou A.J. Terrell em 16º. É um dos maiores chamados reaches dos últimos anos. Pense assim: na escolha 16, muitos times conseguem um dos 10 jogadores mais bem avaliados. Os Cowboys fizeram isso com a 17ª, quando foram com CeeDee Lamb. Em vez disso, os Falcons tentaram preencher uma lacuna no time. Mas desculpe, Falcons, vocês não estão a um cornerback do Super Bowl.

Claro que a posição é importante, prioridade, e times sempre buscam os jogadores ideais. Mas Terrell não era um dos cornerbacks mais cotados para o draft, e nomes como Noah Igbinoghene, Jeff Gladney e Jaylon Johnson ainda estavam disponíveis – todos com avaliações melhores que a de Terrell.


Green Bay Packers: C

Ninguém esperava que os Packers fossem com um quarterback na primeira rodada. Mas precisamos reconhecer que o time está pensando no futuro. Aaron Rodgers tem 36 anos e não vai jogar para sempre. Por que não tentar seguir o plano já de olho em como será o time sem ele?

O técnico Matt LaFleur estava apaixonado por Jordan Love, e a agora poderá ajudar o jovem quarterback a evoluir. Love também terá a estabilidade necessária para se desenvolver. Ele tem potencial para ser elite, mas precisa do tempo que terá como reserve de Rodgers.

O grande problema do draft de Green Bay foi o que aconteceu nas rodadas seguintes: nenhum wide receiver selecionado em uma classe cheia de talentos para a posição. Por que não tentar ao menos um? E, por isso, Aaron Rodgers tem motivos para ficar bravo.