<
>

NFL: Aaron Rodgers vai seguir o mesmo rumo de Tom Brady e deixar os Packers no futuro?

play
No videogame, jogador 'emula' Odell Beckham Jr., faz touchdown inacreditável e tem reação fantástica (0:16)

No game Madden, da NFL, um lance para se aplaudir de pé (0:16)

GREEN BAY, Wisconsin – Três quarterbacks contemporâneos de Aaron Rodgers na NFL fizeram barulho nesta temporada: Tom Brady trocou o New England Patriots pelos Tampa Bay Buccaneers, Philip Rivers encontrou um novo lar com os Colts e Drew Brees ficou com os Saints.

Rodgers não apenas notou, mas parece que serviu como mais uma verificação da realidade.

Não que ele precisasse de uma.

Sua entrada na NFL por muito tempo serviu como o único lembrete de o que ele deveria precisar quando se trata de como as carreiras podem terminar.

"É claro que você vê o que Tom está fazendo e ainda é capaz de jogar na idade dele e jogar em alto nível e, obviamente, o que Drew fez e Phil tendo a oportunidade de continuar jogando em Indy", disse Rodgers recentemente durante uma longa entrevista no The Pat McAfee Show.

E é aqui que as coisas ficaram interessantes.

"Minha opinião é que o legado é realmente importante", continuou Rodgers. "Ter uma oportunidade de fazer tudo isso em Green Bay significaria muito para mim."

Quando Rodgers assinou seu contrato mais recente - uma extensão de 134 milhões de dólares que se estende até a temporada de 2023 - ele tinha 98,2 milhões de dólares em dinheiro garantido, mas não tinha a garantia de como as coisas terminariam. Os Packers poderiam realmente sair do acordo a partir deste ano e economizar espaço de teto salarial, com esse total aumentando a cada ano. Não há razão para pensar que eles o fariam tão cedo, mas é sempre uma opção.

"Gostaria de facilitar essa decisão para eles", disse Rodgers à McAfee e ao ex-companheiro de equipe A.J. Hawk. "A única maneira de fazer isso é continuar jogando em um nível alto e não deixar escolha a não ser continuar me trazendo de volta, porque você é a melhor opção e oferece a eles a melhor chance de vencer. Esse é o meu objetivo."

"Ainda tenho quatro anos no meu contrato. Gostaria de jogar os quatro em um nível muito, muito alto, e se eu quiser continuar nesse ponto, farei isso. Estou confiante agora. Terei 40 anos quando o acordo terminar. Sinto que posso continuar jogando depois disso, do jeito que as coisas estão indo. "

Os Packers têm 10 escolhas no draft de 23 a 25 de abril - assumindo que isso aconteça - começando com a 30ª geral. É outro draft muito pesado para quarterbacks. Todd McShay tem quatro quarterbacks nas nove primeiras escolhas em sua última projeção.

E se um deles escorregasse como Rodgers fez no draft de 2005, quando caiu para os Packers na 24ª? Ou o que aconteceria se o gerente geral Brian Gutekunst quisesse um dos QBs da próxima geração com a sua 30ª escolha? O Milwaukee Journal Sentinel informou esta semana que os Packers estavam planejando receber alguns dos principais QBs do draft antes de a NFL cancelar as visitas pré-draft por causa do coronavírus.

Em dezembro, Rodgers completou 36 anos - um ano mais velho que Brett Favre, quando os Packers draftaram Rodgers em 2005. É claro que Favre não pareceu bem quando os Packers usaram sua primeira escolha em um jogador que não ajudaria ele chegar a outro Super Bowl. Essa equipe dos Packers, saindo de uma temporada de 10-6 e de uma derrota no wild card, fez 4-12 no ano seguinte. Esta equipe fez 13-3 e chegou até a final de conferência, após o qual Rodgers disse que ainda acreditava que a janela do Super Bowl estava aberta.

"Aaron quer vencer", disse Gutekunst em fevereiro. "Acho que é a coisa mais importante para ele, para que ele saiba que estamos tentando tomar a melhor decisão para o time seguir em frente. Portanto, não estou preocupado em [perturbar Rodgers]. Com todos os jogadores, você não pode controlar. Os jogadores ficam felizes e tristes com todo tipo de coisa. Não estou muito preocupado com isso. "

Talvez Gutekunst renuncie a ideia de draftar um quarterback na primeira rodada deste ano e, em vez disso, seleciona alguém no segundo ou terceiro dia do draft. Há um prospecto local, James Morgan, da Florida International, que cresceu à sombra do Lambeau Field e foi visto como um dos melhores QBs de desenvolvimento do draft. Se Rodgers pode de fato continuar jogando bem por vários anos, então há tempo para usar um escolha alto em um quarterback se o de desenvolvimento não der certo.

Rodgers afirmou em outra entrevista recente, para a ESPN Wisconsin, que ele não se incomodaria se Gutekunst escolhesse um QB na primeira rodada deste ano.

"Bem, olhe, sou realista; sei onde estamos como organização e onde estou na minha carreira", disse Rodgers. "Ainda sinto que tenho muitos anos jogando em um nível alto. Estou confiante o suficiente. Sempre achei que não importa quem você traz, eles não serão capazes de vencer logo de cara, sinto-me muito confiante nas minhas habilidades e no meu jogo.

"Projetamos caras ao longo dos anos. Acho que no meu primeiro ano, contratamos dois quarterbacks [Brian Brohm na segunda rodada, Matt Flynn na sétima] em 2008. Projetamos vários caras ao longo dos anos. Entendo os negócios e a natureza deles, obviamente, gostam de atrair caras que possam jogar e competir imediatamente. Entendo que é um negócio. Eu não teria problemas. "