<
>

NFL: E agora, qual o futuro dos Patriots sem Tom Brady como quarterback?

FOXBOROUGH, Massachusetts - A saída de Tom Brady criou um enorme buraco no elenco de quarterbacks do New England Patriots, deixando Jarrett Stidham, escolha de quarta rodada de 2019 e o veterano de cinco anos Cody Kessler como os únicos remanescentes.

Stidham atualmente tem a vaga de titular, com Kessler sendo seu reserva imediato. A expectativa é que um terceiro quarterback seja adicionado durante o training camp, que é um procedimento operacional padrão para as equipes da NFL. Ainda não se sabe se essa adição será de um veterano ou de algum jovem jogador.

É cedo. E o treinador Bill Belichick geralmente é paciente.

Idealmente, os Patriots teriam dado a Stidham mais um ano nos bastidores, mas isso poderia acelerar a linha do tempo, em parte porque existem opções limitadas ou desagradáveis.

O que Stidham traz para o ataque?

O quarterback de 1,90m e 97kg, que inicialmente cursou a faculdade em Baylor antes de se transferir para Auburn, foi a escolha de número 133 no darft. Stidham venceu o veterano Brian Hoyer na última pré-temporada na disputa do reserva de Tom Brady. Ele teve a melhor pré-temporada de qualquer quarterback novato nos 20 anos de Belichick, acertando 61 de 90 passes para 731 jardas, com quatro touchdowns e uma interceptação.

Quem assumir o lugar deixado por Brady se beneficiará de ser capaz de lidar com pressão adicional, e os olheiros dizem que Stidham se encaixa nesse perfil, com o coordenador ofensivo Josh McDaniels observando na última temporada que ele tem uma "ótima mentalidade". Stidham mostrou talento para fazer jogadas em movimento, o que poderia ser o ímpeto para os Patriots adicionarem elementos à sua abordagem ofensiva que não se encaixariam no ataque comandado por Brady.

"Vai ser muito legal um dia quando eu puder sentar e contar aos meus filhos ou netos que eu fiquei na mesma sala de quarterback conversando sobre coberturas e diferentes conceitos de passe com Tom", disse Stidham à ESPN em janeiro. "Ele é um companheiro de equipe fenomenal, uma pessoa fenomenal, um jogador fenomenal. Eu aprendi tanto com ele. Ele sempre foi muito aberto comigo sobre todas as coisas”.

Agora vem o maior desafio de Stidham: aplicar essas lições em uma busca de se tornar a opção número 1 da equipe.

Possíveis alvos no mercado

Jameis Winston, a primeira escolha geral de 2015, é a opção mais conhecida - e, à primeira vista, é difícil imaginar seu encaixe em New England. Ele lançou 30 interceptações na última temporada. Brady lançou 29 nas últimas quatro temporadas.

Obviamente, a maioria não está à altura de Brady, portanto, qualquer adição seria para aumentar a profundidade do elenco e ter uma presença veterana. Colt McCoy, Josh McCown, Trevor Siemian, Mike Glennon, Blaine Gabbert e Matt Moore são algumas outras opções de veteranos.

Assim, não parece haver uma grande urgência para os Patriots se moverem nessa direção.

E os alvos de troca?

Os Panteras deram a Cam Newton permissão para procurar uma troca. Os Bengals podem considerar abrir mão de Andy Dalton se eles escolherem Joe Burrow como o número 1 do draft. Os Jaguars receberam ligações sobre Nick Foles. Alex Smith, de Washington, se saudável, seria uma ótima história de retorno, possivelmente digna de uma conversa.

Mas nenhuma parece ser a resposta certa e há considerações salariais para os Patriots. Eles já terão que pagar US $ 13,5 milhões para Brady, mesmo que ele não esteja no elenco. Stidham conta $ 834.000 contra o teto, enquanto Kessler tem uma taxa de $ 935.000.

Com os Indianapolis Colts chegando a um acordo com Philip Rivers, pode ser sensato os Patriots chegarem para ver se Hoyer ou Jacoby Brissett estariam disponíveis. Mas contratar um veterano com um limite máximo de dois dígitos desencadeia a questão de por que os Patriots fariam isso antes de ver do que Stidham é capaz.

E o draft?

Os Patriots têm a 23ª escolha geral, além de três na terceira rodada e uma na quarta rodada. Se Belichick identificasse um possível candidato que pudesse se encaixar - como ele fez com Jimmy Garoppolo na segunda rodada de 2014 (nº 62) -, isso corresponderia à abordagem geral da equipe.

Mel Kiper Jr., especialista da ESPN, projetou o quarterback de Washington Jacob Eason sendo draftado pelos Patriots na 23ª posição em seu mais recente draft.

Uma coisa a considerar é que a pandemia de coronavírus pode ter um efeito, tornando mais desafiador para os novatos contribuírem em 2020. E o quarterback é sem dúvida a posição mais difícil para os jogadores universitários que fazem a transição da NFL.