<
>

NFL: quatro grandes questões para os jogos que definirão o Super Bowl LIV

Apenas quatro times restaram na briga pelo Super Bowl LIV: San Francisco 49ers, Green Bay Packers, Kansas City Chiefs e Tennessee Titans.

Após partidas com reviravoltas e grandes jogadas, algumas perguntas sobre os Playoffs já foram respondidas:

  • Os Ravens vão conseguir manter a “pegada” na pós-temporada? (Não).

  • A inexperiência dos 49ers pode atrapalhá-los? (Não).

  • Os New Orleans Saints é o melhor time da NFC? (Não).

  • Os Tenesse Titans é o time que ninguém deseja enfrentar? (Sim, definitivamente).

Porém, com o avanço dos times e o "dia D" se aproximando, novos questionamentos surgiram.

Este é o ano de Andy Reid?

Tudo parece estar bem para os Chiefs. Eles estão “descansados” após a vitória dos Dolphins sobre os Patriots na 17ª semana, que garantiu sua folga na primeira rodada dos Playoffs. A equipe de Kansas também vai jogar como mandante na final da Conferência Americana, já que os Titans venceram os Ravens. E após uma virada maiúscula em cima dos Texans (chegaram a perder por 24 a 0), a equipe parece imparável.

O quarterback Patrick Mahomes, MVP da última temporada, é um dos principais nomes nesta pós-temporada. Ele foi responsável por liderar os Chiefs na grande virada do último domingo.

E se conseguirem parar o running back Derick Henry, dos Titans, que já “sobrou” nas partidas contra Patriots e Ravens, o técnico Andy Reid poderá "finalmente" se encontrar em uma posição confortável e positiva o bastante para levar o troféu Vince Lombardi.

VEJA! Mahomes conta o que falou no discurso que motivou ataque quando Chiefs perdiam por 24 a 0

Derick Henry continuará ‘carregando’ os Titans?

A decisão dos Titans em dar mais responsabilidades ao running back na 16ª semana, em duelo contra os Saints, se mostrou acertada. Desde então, Henry ganhou mais espaço e já é o principal jogador da equipe de Tennesse.

Nestes Playoffs, ele "moeu" as defesas adversárias e calou todos os críticos com corridas impressionantes.

Além dele, o quarterback Ryan Tannehill está em boa fase, mesmo que pouco tenha sido “cobrado” dele até o momento. Para os Titans, a esperança está em cima de Henry, a “imparável” e maior força física remanescente entre os times que disputam o título.

Garoppolo pode vencer um jogo nos Playoffs para os 49ers caso seja preciso?

Em seu primeiro jogo de pós-temporada na carreira, o quarterback não teve um grande desempenho. A equipe de San Francisco venceu os Vikings por 27 a 10, mas sem uma grande atuação do seu principal jogador.

Na partida de sábado, a defesa foi o setor responsável por encher os olhos da torcida dos 49ers. Não pode ser considerada “injusta” a expectativa alta em cima dela, que teve grande desempenho durante a temporada, mas se o duelo contra os Packers chegar a um ponto em que a equipe tenha a obrigação de marcar, a experiência em um jogo deste porte pode "pesar" para Garoppolo.

Mesmo com bons jogos durante a temporada regular, o sinal de “alerta” pode estar ligado, e os torcedores devem depositar suas esperanças em um possível "frio na barriga" sentido pelo camisa 10 em sua estreia nos Playoffs.

Os Packers conseguem bater a defesa dos 49ers em uma ‘revanche’?

A partida que marca a final da Conferência Nacional, que será disputada entre Packers x 49ers, não é uma novidade nesta temporada. Na 12ª semana, as equipes já se enfrentaram, e o time do quarterback Aaron Rodgers foi absolutamente “engolido” pela defesa adversária, com o jogo sendo encerrado com uma vitória maiúscula do rival por 37 a 8.

Não foi apenas o placar. As estatísticas daquela partida assustam até o mais otimista torcedor da franquia de Green Bay. O ataque dos Packers teve uma média de 2.8 jardas conquistadas por jogada. No jogo aéreo, Rodgers alcançou apenas 104 jardas. No jogo corrido, o running back Aaron Jones alcançou apenas 38 jardas.

Se os Packers quiserem chegar ao Super Bowl na primeira temporada com o técnico Matt LaFleur no comando, muito daquela partida precisa ser assimilado rapidamente.

VEJA! Green Bay Packers avança na NFL, e Adams diz que Rodgers mudou jogada decisiva ‘na última hora’